INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

Gabriele Caroline Dessbesell, Ritielli Berticelli, João Fernando Zamberlan

Resumo


A adoção de um sistema de indicadores de sustentabilidade, adaptado as especificidades da gestão local, pode auxiliar os administradores municipais na definição das prioridades, direcionando os investimentos públicos, em geral para os aspectos problemáticos do setor de gestão de resíduos sólidos urbanos (RSU). O inadequado manejo de resíduos sólidos de qualquer origem, gera desperdícios, agrava a degradação ambiental, contribui de forma importante à manutenção das desigualdades sociais, constitui ameaça constante à saúde pública, comprometendo a qualidade de vida das populações. A gestão integrada e sustentável dos RSU justifica-se devido à situação de esgotamento e de comprometimento de recursos naturais, dos problemas sociais, ambientais e econômicos da disposição final. O objetivo deste estudo é retratar de maneira teórica os indicadores de sustentabilidade dos RSU, considerando as três dimensões da sustentabilidade: ambiental, econômica e social. Esses indicadores podem fornecer informações relevantes para elaboração dos Planos de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (PMGIRS) podendo direcionar a escolha das técnicas de gerenciamento mais adequadas para cada tipo de resíduo, contribuindo assim para a correta utilização dos recursos financeiros no processo mais sustentável e integrado. Para isso foi elaborada uma lista de indicadores de sustentabilidade para a gestão de RSU com base nas diretrizes da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Como metodologia utilizou-se de revisão bibliográfica em diferentes bases de dados. Conclui-se que os indicadores ambientais, sociais e econômicos são ferramentas importantes na tomada de decisão podendo ser usados não apenas como forma de verificar o grau de sustentabilidade dos modelos de desenvolvimento, mas também como forma de divulgação e comunicação para a sociedade e tomadores de decisão.


Palavras-chave


Gestão de Resíduos Sólidos; Desenvolvimento Sustentável; Indicadores de Sustentabilidade

Texto completo:

PDF

Referências


ALEMANHA. Agência Federal de Meio Ambiente. Sustainable Germany – towards an environmentally sound development. Berlim: Agencia Federal de Meio Ambiente, 1997. 239p.

BESEN, G.R. Coleta Seletiva com inclusão de catadores: construção participativa de indicadores e índices de sustentabilidade. Tese (Doutorado em Saúde Pública) Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

BRASIL. Lei nº 12.305 de 2 de Agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998 e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 01 de Novembro de 2017.

BERTICELLI, Ritielli; Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Urbanos: Análise de Viabilidade Econômica de Cenários para um Municípios de Médio Porte. Dissertação apresentada ao programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil e Ambiental. Passo Fundo, 2016.

CARVALHO, P. G. M. de. Indicadores Ambientais para Gestão Municipal. ENCE-IBGE, 2006. KRONEMBERGER, D. Desenvolvimento local sustentável: Uma abordagem prática. São Paulo, 2011

FRANCA, L. P. Indicadores Ambientais Urbanos/Manual Geo Cidades. Brasília: MMA/Consórcio Parceria 21; 2001.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Indicadores de desenvolvimento sustentável: Brasil 2008. Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2016

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Indicadores de desenvolvimento sustentável: Brasil 2012. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2017.

INSTITUTO DE PESQUISA HIDRÁULICA (IPH). Avaliação dose serviços de limpeza urbana no Brasil. Brasília: Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano, 1999. 196p.

HODGE, R. A.; HARDI, P.; BELL, D. V. J. Seeing change though the lens of sustainability. Winnipeg: International Institute for Sustainable Development, 1999.19 p.

HSU H-S. NIMBY opposition and solid waste incinerator siting in democratizing Taiwan. The Social Science Journal, v. 43, p. 453–459, 2006.

JOOS W.; CARABIAS, V.; WINISTOERFER H.; STUECHELI A. Social aspects of public waste management in Switzerland. Waste Management, v. 19, p. 417-425, 1999.

LIMA, J. D. Gestão de resíduos sólidos urbanos no Brasil. João Pessoa: ABES, 2002. 183p.

LOZANO, M. C. Um olhar para a gestão de resíduos sólidos urbanos a partir de indicadores de sustentabilidade. Dissertação. Pós-graduação em Engenharia Urbana. Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP. 2012

MALHEIROS, T. F.; PHILIPPI JR., A.; COUTINHO, S. M.V. Agenda 21 nacional e indicadores de desenvolvimento sustentável: contexto brasileiro. Revista Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 7-20, mar, 2008.

MILANEZ, B.; TEIXEIRA, B.A.N. Proposta de método de avaliação de indicadores de sustentabilidade para gestão de resíduos sólidos urbanos. In: FRANKENBERG, C.L.C. RAYA-RODRIGUEZ, M.T.; CANTELLI, M. (Coord.). Gestão ambiental urbana e industrial. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003. p. 272-283.

MMA - MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Guia para Elaboração de Planos de Gestão dos Resíduos Sólidos. Brasil, 2011.

POLAZ, C. N. M.; TEIXEIRA, B. A. N. Indicadores de sustentabilidade para a gestão municipal de resíduos sólidos urbanos: um estudo para São Carlos (SP). Eng. Sanitária e Ambiental, v.14, n.3, 2009, 411-420.

RAMOS, T. B. Sistemas de Indicadores e Índices Ambientais. In: 4º Congresso Nacional dos Engenheiros do Ambiente. Organização: APEA, p. IV33-IV43, Faro, Portugal, 1997.

SCHALCH, V., LEITE, W. C. A., FERNANDES JUNIOR, J. L., CASTRO, M. C. A. A. Gestão e Gerenciamento de Resíduos Sólidos. Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, 2002.

TCHOBANOGLOUS, G.; KREITH, F. Handbook of Solid Waste Management. 2. ed. New York: McGraw-Hill, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.