A CONSTRUÇÃO DO CONCEITO MATEMÁTICO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Aimê Cunha, Giovane Inês Saggin Gatti, Márcia Elisa Lamaison, Vaneza Cauduro Peranzoni

Resumo


O presente artigo intenciona contribuir para as áreas de Educação Matemática e da Educação Inclusiva, proporcionando um espaço de estudo e reflexão sobre a relação entre a aprendizagem matemática e a deficiência intelectual. Os temas da inclusão fazem parte do rol das questões gerais da educação em todas as suas áreas de conhecimento. A matemática é compreendida historicamente como uma área formal e exata sem uma preocupação com a materialidade do mundo e da vida. As novas perspectivas do operar pedagógico na área da matemática estão cada vez mais afetas aos temas da sua aprendizagem em geral e da inclusão em particular. Sua relação tornou-se uma necessidade que se mostra atual, necessária e fundamental tanto para professores atuantes nas escolas quanto para investigadores em educação. O objetivo geral da argumentação é analisar processos mentais pelos quais a crianças com deficiência intelectual percorrem na construção do conceito matemático. Pretende-se explicitar processos mentais de aprendizagem e práticas pedagógicas que favoreçam a construção da aprendizagem matemática.


Texto completo:

PDF

Referências


AUSUBEL, D. P. A aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São

Paulo: Moraes, 1982.

_______. Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva cognitiva. Lisboa: Plátano, 2003.

BRASIL, Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil: versão

atualizada até a Emenda nº 75/2013, 1988. Disponível em:

. Acesso em: 10 jul. 2018.

_______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. LDBEN, nº 9.394/96.

_______. Ministério da Educação. Marcos político-legais da educação especial na

perspectiva da educação inclusiva. Brasília: Secretaria de Educação Especial, 2010.

_______. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial. Brasília:

MEC/SEESP, 1994.

_______. Secretaria de Educação Especial. Política nacional de educação

especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília, 2007. Disponível em:

. Acesso em: 10 jul. 2018.

CHARNAY, R. Aprendendo (com) a resolução de problemas. In: PARRA, Cecília; SAIZ, Irma (Orgs). Didática da matemática: reflexões psicopedagógicas. Trad. Juan Acuña Llorens. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2001, p. 36-47.

LORENZATO, S. Educação Infantil e percepção matemática. Campinas:

Autores Associados, 2006a (Coleção Formação de Professores).

_______. Laboratório de ensino de matemática e materiais

didáticos manipuláveis. In: LORENZATO, Sérgio (Org.). O laboratório de ensino de

matemática na formação de professores. Campinas: Autores Associados, 2006 b.

MANTOAN, M. T. É. Inclusão escolar: O que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Moderna, 2003.

_______. Ensinando a turma toda – as diferenças na escola. Laboratório de

Estudos e Pesquisas em Ensino e Diversidade – LEPED/Unicamp, 2007. Disponível

em: . Acesso em: 10 jul. 2018.

NACARATO, A. M. Eu trabalho primeiro no concreto. Revista de

Educação Matemática, São Paulo, v. 9, n. 9-10, p. 1-6, 2005. Disponível

em: . Acesso em: 9 jun. 2018.

PAIS, L. C. Ensinar e aprender matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

_______. Uma análise do significado da utilização de recursos didáticos no

ensino da Geometria. 23ª Reunião anual da ANPED, 24 a 28 de setembro de 2000 Caxambu, Minas Gerais, 2000.

PIMENTA, S. G. Professor reflexivo: construindo uma crítica. In: PIMENTA, Selma G.; GHEDIN, Evandro (Orgs). Professor reflexivo no Brasil gênese e crítica de um conceito. 4. ed. São Paulo: Cortez 2006.

SÃO PAULO. Secretaria da Educação. Escola de tempo integral. Oficina de

Experiências Matemáticas Ciclos I e II. São Paulo: C.T.P. 2008.

SCHLÜNZEN, E. T. M. Mudanças nas práticas pedagógicas do professor: criando

um ambiente construcionista contextualizado e significativo para crianças com

necessidades especiais físicas. Tese (Doutorado em Educação: Currículo) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2000.

SMOLE, K. S. et al. Resolução de problemas. Porto Alegre: ArtMed, 2000. (Coleção matemática de 0 a 6).

VASCONCELLOS, C. S. Avaliação da aprendizagem: práticas de mudança

por uma práxis transformadora. 9. ed. São Paulo: Libertad, 2008.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

ZEICHNER, K. M. Para além da divisão entre professor - pesquisador e pesquisador acadêmico. In: GERALDI, Corinta M.; FIORENTINI, Dario; PEREIRA, Elisabete M. (Orgs.). Cartografia do trabalho docente: professor (a) – pesquisador (a). Campinas: Mercado de Letras, 1998.

WEISZ, T. SANCHEZ, A. O diálogo entre o ensino e a aprendizagem. 2. ed. São Paulo: Ática, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


                

 Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional

ISSN: 2316-4034