RAÍZES DA SUBORDINAÇÃO FEMININA EM UMA SOCIEDADE HISTORICAMENTE PATRIARCAL

Bruna Sinigaglia, Carla Rosane da Silva Tavares Alves

Resumo


A presente investigação apresenta alguns dos resultados da pesquisa realizada na Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Práticas Socioculturais e Desenvolvimento Social da Universidade de Cruz Alta, com o objetivo de levantar reflexões acerca da condição feminina em uma sociedade historicamente patriarcal, assim como a possível evolução laboral da mulher, partindo de um estudo de caso realizado em uma empresa do município de Santa Rosa - RS. O problema de pesquisa centra-se em verificar em que medida o patriarcado e as desigualdades de gênero interferem no processo de emancipação feminina. O aporte teórico fundamenta-se em autores como, Castells (2000, 2005), Perrot (1995, 2007), Saffiotti (1981,1987, 2004, 2005), Santos (2008, 2010), Soibet (2016), dentre outros. O estudo caracteriza-se como uma pesquisa social, descritiva do tipo qualitativa, com análise documental e bibliográfica e método do estudo de caso. Os dados foram coletados por meio da aplicação de dez questionários semiestruturados e três entrevistas, cuja interpretação e categorização se fundamentaram na análise de conteúdo (Barbin, 2009). Foi possível apurar que as raízes das desigualdades de gênero são profundas e ainda alimentam práticas de discriminação e inferiorização da mulher, entretanto a educação formal e o trabalho assalariado interferiram diretamente no processo de evolução e superação do contexto de subordinação vivenciado pela mulher.


Texto completo:

PDF HTML

Referências


BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

CALIL, Léa Elisa Silingowschi. Direito do trabalho da mulher: a questão da igualdade jurídica ante a desigualdade fática. São Paulo: LTR, 2007.

CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. A era da informação: economia, sociedade e cultura. 3 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000. Vol II.

CONDORCET, Jean-Antonie-Nicolas de Caritat, Marquis, 1743-1794. Escritos político-constitucionais. Tradução Amaro de Oliveira Fleck e Cristina Foroni Consani, Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

EISLER, Riane. O cálice e a espada: nossa história, nosso passado. Rio de Janeiro: Imago, 2001.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 48 ed. São Paulo: Global, 2003.

HABNER, June E. Mulheres da elite. Honra e distinção das famílias. In: PINSKY, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria (Org.). Nova história das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2016. p. 43-65.

HAHN, Noli Bernardo. Um direito com sabor de injustiças e humilhação: um ensaio relacionando hermenêutica de gênero e direitos humanos. In: GIMENEZ, Charlise Paula Colet; LYRA, José Francisco Dias da Costa (Org.). Diálogo e entendimento: direito e multiculturalismo & políticas de cidadania e resolução de conflitos. Campinas: Millennium, tomo 7, 2016. p. 51-70.

GOHN, Maria da Glória. Educação não-formal, participação da sociedade civil e

estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: Aval. Pol. Públ. Educ, Rio de Janeiro, v. 14, n. 50, p. 27-38, jan./mar. 2006.

LOURO, Guaciara Lopes. Mulheres na sala de aula. In: DEL PRIORE, Mary; BASSANEZI, Carla (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2004. p. 443-481.

LIPOVETSKY, Gilles. A terceira mulher: permanência e revolução do feminino. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

MATOS, Maria Izilda; BORELLI, Andrea. Trabalho. Espaços femininos no mercado produtivo. In: PINSKY, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria (Org.). Nova história das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2016. p. 126-147.

MINAYO, Maria Cecilia de Souza. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 22 ed. Petrópolis Vozes, 2012.

PATEMAN, Carole. O contrato sexual. São Paulo, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

PERROT, Michelle. Escrever uma história das mulheres: relato de uma experiência. Dossiê: História das Mulheres no Ocidente. Cadernos Pagu, n. 4, 1995, p. 9-28. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?down=50915. Acesso em: 20 dez. 2017.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2007.

PINSKY, Carla Bassanezi. Imagens e representações. A era dos modelos rígidos. In: PINSKY, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria (Org.). Nova história das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2016. p. 469 - 512.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. Gênero, patriarcado: a necessidade da violência. In: CASTILLO-MARTÍN, Márcia; OLIVEIRA, Suely de (Org.). Marcadas a ferro: violência contra a mulher: uma visão multidisciplinar. Brasília: Presidência da República/Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2005. p. 35-76.

SANTOS, Boaventura de Souza. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SOIBET, Raquel. Mulheres pobres e violência no Brasil urbano. In: PRIORE, DEL PRIORE, Mary; BASSANEZI, Carla (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2004. p. 362-400.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


                

 Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional

ISSN: 2316-4034