A CIDADE PARA O CIDADÃO: REFLEXÕES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA CICLOVIÁRIO

Tarcísio Dorn de Oliveira, Matheus Henrique Ziel Schünemann, Lucas Giovani Oliveira Pires

Resumo


A implantação de dispositivos fisicos que facilitam a mobilidade através de bicicletas nos centros urbanos se torna cada vez mais necessária, uma vez que os meios de transportes convencionais estão se tornando cada vez mais desvantajosos, devido a um grande fluxo em um trânsito que não comporta tais aglomerações. Com base em uma revisão de literatura, a pesquisa consiste em expor benefícios através da inclusão de ciclovias, ciclofaixas e faixas compartilhadas nas cidades onde tenham maior fluxo de veículos, e claro, destacando benefícios de uma vida saudável pelo uso da bicicleta como meio de transporte e fatores que melhoram e influenciam muito nossa vida cotidiana. Os projetos dos transportes mais convencionais como ônibus, metrô, carro, e outros, acabam não comportando mais o número de usuários, pois durante a elaboração dos mesmos não foi levado em conta que a população cresceria tão exponencialmente ao ponto dos dias atuais. Nesse sentido é possível evidenciar que a implantação de ciclovias nas cidades desenvolvidas colabora com o meio ambiente e traz consigo um avanço na saúde dos cidadãos.

 

Palavras-chave: Ciclomobilidade, bicicleta, sustentabilidade, saúde, desenvolvimento.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, A. C. A.; SOUZA, M. P. S.; POZENATO, B. G. A IMPORTÂNCIA DA INFRAESTRUTURA CICLOVIARIA À POPULAÇÃO, 2011, Guaratinguetá. Anais Guaratinguetá: FATElog, 2011. Disponível em: Acessado em: 14 ago. 2018.

ARAÚJO, Marley R. M.; SOUSA, Diogo A.; OLIVEIRA, Jonathan M.; JESUS, Maísa S.; SÁ, Nelma R.; SANTOS, Párbata A. C. dos; JR., Rodomarque M.; LIMA Thiago C. Bicicleta e transferência modal: Uma Investigação em Aracaju. 2009. 17 v. Tese (Doutorado) - Curso de Psicologia, Relações Sociais em Contextos Urbanos, Universidade Federal de Sergipe, Ribeirão Preto, 2009. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1413-89X2009000200017&script=sci_arttext. Acesso em: 15 set. 2018.

BIANCO, S. L. (2008). O papel da bicicleta para a mobilidade urbana e a inclusão social. Disponível em <www.transporteativo.org.br/site/Banco/6clipping/MobilidadeSergio

Bianco.doc>. Acesso em: 01 Set. 2018.

BOARETO, Renato. Caderno de referência para elaboração de Plano de Mobilidade por Bicicleta nas Cidades. Brasília: Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana, 2007.

BRASIL (1997) Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997. Institui o CTB - Código de Trânsito Brasileiro. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 24 de setembro de 1997.

COSTA, M. S. (2008). Um Índice de Mobilidade Urbana Sustentável. Tese (Doutorado) - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2008.

DATAFOLHA. Termômetro Paulistano - avaliação das Ciclovias. Instituto de Pesquisa Datafolha, Opinião Pública. São Paulo, set. de 2014. Disponível em: <

http://media.folha.uol.com.br/datafolha/2014/09/22/termometro_paulistano.pdf>.

Acessado em: Ago. 2018.

EMPRESÔMETRO. Frota Brasileira de Veículos em Circulação – março de 2018. Disponível em: acesso em: Ago, 2018.

FRANCO, Guilherme Ballarotti C. O Trânsito e a Saúde: Projeto de Rede Cicloviária

no Município de Londrina. 2010. Trabalho de Conclusão de Curso (Geografia) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2010.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GEIPOT (2001). Manual de Planejamento Cicloviário. 126f. Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes - GEIPOT, 3ª. Edição revisada e ampliada. Brasília-DF, Brasil.

JUNIOR, E. M. C.; VILAS, G. T.; SILVA, K. K. P.; PEREIRA, R. V. IMPACTOS POSITIVOS DAS IMPLEMENTAÇÕES DE CICLOVIAS, CICLOFAIXAS E FAIAXS COMPARTILHADAS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, 2017, São Paulo. ANAIS São Paulo: ENGEMA, 2017. Disponível em: < http://www.engema.org.br/20/o-evento/edicoes-anteriores/> Acessado em: 15 ago. 2018.

KIERNER, J. (2006). Proposta de um Método para a Definição de Rotas Cicláveis em Áreas Urbanas, 119f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos-SP, Brasil.

MALATESTA, Meli. Quem tem medo de ciclovia? - Revista Fórum Semanal, Disponível em: . Acesso em: 28 Ago. 2018.

MIRANDA, Antonio C.M, CITADIN, Larissa L. Bernardi, ALVES, Eduardo Valenga. “A importância das ciclofaixas na Reinserção da bicicleta no trânsito das grandes cidades”. 17º.Congresso Brasileiro de Transporte e Trânsito. Curitiba, 2009. Disponível em: < http://www.antp.org.br/biblioteca>. Acesso em: 28 Ago. 2018.

MONTEIRO, Fernanda Borges; Campos, VÂNIA, Barcellos Gouvêa. Métodos de avaliação da qualidade dos espaços para ciclistas. Congresso de pesquisa e ensino em transportes (ANPET). Belo Horizonte, 2011.

ROLNIK, Raquel. O que é a cidade 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 2004.

SOUSA, P. B. (2012). Análise de Fatores que Influem no uso da bicicleta para Fins de Planejamento Cicloviário. São Carlos, 2012. 190f. Tese (Doutorado) - Escola Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo.

TEIXEIRA, L. C. M. Exercício físico, neurogênese e memória. 2013. 107f. Teste (Doutorado) – Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

XAVIER, Giselle Noceti Ammon. O cicloativismo no Brasil e a produção da lei de política nacional de mobilidade urbana. Revista Em Tese, Florianópolis: UFSC, v. 3, n. 2 (2), jan-jul 2007. p. 122-145.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN Online 2318-9150

ISSN Impresso 1982-3266