PANOPTISMOS CONTEMPORÂNEOS: A VIGILÂNCIA DIGITAL NA ERA HIPERCONECTADA

Eduardo da Silva Rocha, Sofia Débora Levy

Resumo


O dispositivo de vigilância panóptica, formulado no século XVIII por Jeremy Bentham, é concentrado numa matriz cuja tradução nuclear serve de referência a outros conceitos de sua ordem aplicados, em caráter relativo, às conformações sócio históricas e tecnológicas de diferentes épocas. Com vistas a analisar um tipo de supervisão permanente e imperceptível, atrelada ao funcionamento adequado de um sistema, propomos reflexões em torno das ramificações contemporâneas do panóptico, considerando o paradoxal posicionamento central da torre de vigilância revestida de invisibilidade. No cotidiano virtual, tecnologicamente atravessado pela hiperconectividade, a observação categorizante, à qual os usuários estão sujeitos ao aceitarem os termos de uso, indica o emprego de máquinas de classificação na constituição de bases de dados. Esses dados podem ser utilizados pela publicidade digital, operando em âmbitos de consumo e influenciando o comportamento daqueles que estão sob o seu campo de visão, adentrando supostos campos de privacidade. 

Palavras-chave: Panóptico. Vigilância digital. Hiperconectividade. Termos de uso. Privacidade.


Texto completo:

PDF

Referências


Referências:

ALBUQUERQUE, Antonio Luiz Porto e. História geral do ocidente. Rio de Janeiro: Serviço de Documentação Geral da Marinha, 1985.

BAUMAN, Zygmunt. Globalização: as consequências humanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999

BAUMAN, Zygmunt. Vigilância líquida: diálogos com David Lyon. Rio de Janeiro: Expresso Zahar, 2014.

BENTHAM, Jeremy. O panóptico. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

BOGLE, Ariel. New tech surveillance laws criticised by group representing Facebook, Google and Twitter. ABC Science, Sydney, 19 ago. 2018. Disponível em: < https://www.abc.net.au/news/science/2018-08-20/tech-surveillance-laws-labelled-aggressive-by-critics/10128166>. Acesso em: 10 abr. 2019.

BOLLE, Monica. Os algoritmos que mandam em você. Revista Época, São Paulo, 12 jul. 2018. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2018.

BRUNO, Fernanda. Dispositivos de vigilância no ciberespaço: duplos digitais e identidades simuladas. Fronteiras-estudos midiáticos, São Leopoldo, v. 3, n. 2, p. 152-159, maio-ago. 2006.

CURRAN, Dylan. Are you ready? Here is all the data Facebook and Google have on you. The Guardian, Reino Unido, 30 mar. 2018. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2018.

DONATO, Mauro. O fenômeno dos grupos fascistas fechados no Facebook. Diário Centro do Mundo, [S.l.], 03 nov. 2015. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2018.

DELEUZE, Gilles. Conversações. Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 2008.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

GAMBA, J. et al. An Analysis of Pre-installed Android Software. Actas de las IV Jornadas Nacionales de Investigacion en Ciberseguridad, Donostia/San Sebastián, n. 4, p. 69-70, jun. 2018.

GILLMOR, Dan. As we sweat government surveillance, companies like Google collect our data. The Guardian, Reino Unido, 18 abr. 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2018.

GLANCY, Robert. Will you read this article about terms and conditions? You really should do. The Guardian, Reino Unido, 24 abr. 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2018.

LYON, David. From big brother to electronic panopticon. The electronic eye: the rise of surveillance society. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1994, p. 57-80.

MARX, Gary T. What's new about the “new surveillance"? Classifying for change and continuity. Surveillance & Society, Londres, v. 1, n. 1, p. 1-22, 2002.

MATHIESEN, Thomas. The viewer society: Michel Foucault's Panopticon revisited. Theoretical criminology, Londres v. 1, n. 2, p. 215-234, 1997.

MCMULLAN, Thomas. What does the panopticon mean in the age of digital surveillance? The Guardian, Reino Unido, 23 jul. 2015. Disponível em: < https://www.theguardian.com/technology/2015/jul/23/panopticon-digital-surveillance-jeremy-bentham>. Acesso em: 28 ago. 2018.

MÜLLER, Leonardo. Brillo: o novo sistema operacional da Google para a “internet das coisas”. Tecmundo, [S.l.], 28 maio 2015. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2018.

O’SHEA, Lizzie. Australia Wants to Take Government Surveillance to the Next Level. The New York Times, Sydney, 4 set. 2018. Disponível em: < https://www.nytimes.com/2018/09/04/opinion/australia-encryption-surveillance-bill.html>. Acesso em: 10 abr. 2019.

QUAN-HAASE, Anabel; WELLMAN, Barry. Hyperconnected Network: computer-mediated community in a high-tech organization. In: HECKSCHER, Charles; ADLER, Paul (Ed.). The Firm as a Collaborative Community: reconstructing trust in the knowledge economy. Nova Iorque: Oxford University Press, 2006. p. 281-333. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2018.

SBARAI, Rafael. Empresas seguem funcionários nas redes sociais. Veja, [S.l.], 2 jul. 2010. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.33053/gedecon.v7i3.8182

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN Online 2318-9150

ISSN Impresso 1982-3266