NÍVEL DE ESTRESSE EM OFICIAIS DE ARBITRAGEM DE HANDEBOL DO PARANÁ

Autores

  • Silvia Bandeira da Silva Lima Universidade Estadual do Norte do Paraná, Jacarezinho, PR, Brasil.
  • Bruna Frigeri Franciscon Universidade Estadual do Norte do Paraná, Jacarezinho, PR, Brasil.
  • Walcir Ferreira Lima Universidade Estadual do Norte do Paraná, Jacarezinho, PR, Brasil.
  • Mariane Aparecida Coco Universidade Estadual do Norte do Paraná, Jacarezinho, PR, Brasil.
  • Flávia Évelin Bandeira Lima Universidade Estadual do Norte do Paraná, Jacarezinho, PR, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.33053/biomotriz.v14i3.21

Resumo

Contextualização: A presença do árbitro em qualquer modalidade esportiva é indispensável para que uma partida se realize, identificando que ele é o responsável pelo controle do jogo e aplicação das regras. Objetivo: Sendo assim, esse estudo teve como objetivo avaliar os principais fatores que mais se configuram como agentes estressores em árbitros de Handebol do Paraná. Métodos: Foi um estudo quantitativo descritivo com delineamento metodológico transversal. A amostra foi composta por 52 árbitros de ambos os sexos. Utilizou-se o Formulário para Identificação de Situações de “Stress”, o qual, apresentava 38 questões, que dividia o nível de estresse em 5 categorias: técnico, atletas, torcida, motivo pessoal e equipe de arbitragem. Após, os dados foram submetidos a análise estatística, recorreu-se aos procedimentos da estatística descritiva de frequência absoluta e relativa (percentual - %). Resultados: De acordo com os resultados desse estudo, verifica-se como principais fatores estressores, o técnico que incita a violência em quadra (38,5%), o jogador desleal (32,7%), as ameaças de agressão por parte da torcida (19,2%), cometer erros em momentos decisivos (36,5%) e a falta de apoio da equipe de arbitragem quando o árbitro da partida comete um erro (23,1%). Conclusões: Conclui-se, que o principal fator estressor para os árbitros da Associação Paranaense de Handebol é o técnico que incita a violência em quadra.

Referências

ARNS, P. C.; FOLLE, A.; LEITE, R. M. Nível de stress de oficiais de arbitragem do basquetebol catarinense. Cinergis, v. 15, n. 1, 2014.

BECKER JÚNIOR, B. Manual de psicologia do esporte & exercício. Nova Prova, 2000.

BOSCHILIA, B.; MARCHI JÚNIOR, W. Futebol, democracia e arbitragem: Algumas leituras figuracionistas. Jornal Esporte e Sociedade, v. 3, n. 8, p. 1-18, 2008.

COSTA, V. T. d.; FERREIRA, R. M.; PENNA, E. M.; COSTA, I. T. d.; NOCE, F.; SIMIM, M. A. d. M. Análise estresse psíquico em árbitros de futebol. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte, São Paulo , v. 3, n. 2, p. 2-16, 2010.

CRUZ, G. P. R.; MACHADO, A. A.; TERTULIANO, I. W.; OLIVEIRA, V. d. O árbitro de futebol e a importância dos aspectos psicológicos: olhares da psicologia do esporte. Caderno de Educação Física e Esporte, v. 16, n. 1, p. 269-279, 2018.

DE ROSE JUNIOR, D. ; PEREIRA, F. P.; LEMOS, R. F. Situações específicas de jogo causadoras de “stress” em oficiais de basquetebol. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, v.16, n. 2, p. 160-173, 2002.

DE ROSE JUNIOR, D. Situações específicas e fatores de stress no basquetebol de alto nível. 1999. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

DEBIEN, P. B.; NOCE, F.; DEBIEN, J. B. P.; COSTA, V. T. d. O estresse na arbitragem de ginástica rítmica: uma revisão sistemática. Revista da Educação Física/UEM, v. 25, n. 3, p. 489-500, 2014.

FERREIRA, H. C. A.; SIMIM, M. A. d. M.; NOCE, F.; SAMULSKI, D. M.; COSTA, V. T. d. Análise do estresse em árbitros de futsal. Coleção Pesquisa em Educação Física, v. 8, n. 1, p. 43-48, 2009.

FERREIRA, R. D. A.; BRANDÃO, M. R. F. Árbitro brasileiro de futebol profissional: percepção do significado do arbitrar. Journal of Physical Education, v. 23, n. 2, p. 229-238, 2012.

FLETCHER, D.; SCOTT, M. Psychological stress in sports coaches: A review of concepts, research, and practice. Journal of sports sciences, v. 28, n. 2, p. 127-137, 2010.

GABARDO, A. L.; COMPARIM, M. S. C. V. Fatores causadores de stress em equipe de arbitragem da Federação Paranaense de Basketball. Revista Eletrônica de Educação Física, v. 8, p. 4, 2008.

GONZÁLEZ-OYA, J. Psicología aplicada al árbitro de fútbol: características psiocológicas y su entrenamiento. Wanceulen, 2006.

MELLALIEU, S. D.; NEIL, R.; HANTON, S.; FLETCHER, D. Competition stress in sport performers: Stressors experienced in the competition environment. Journal of sports sciences, v. 27, n. 7, p. 729-744, 2009.

MIRJAMALI, E.; RAMZANINEZHAD, R.; RAHMANINIA, F.; REIHANI, M. A study of sources of stress in international and national referees of soccer, volleyball, basketball and handball in Iran. World Journal of Sport Sciences, v. 6, n. 4, p. 347-354, 2012.

MONTEIRO, A. C. P.; FROESELER, M. V. G.; MANSUR-ALVES, M. Estresse e Coping de Árbitros de Futebol no Teste Físico FIFA. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 38, n. 1, p. 102-115, 2018.

PIRES, D. A.; COSTA, V. T.; SAMULSKI, D. M. Prevenção e controle do estresse, overtraining e burnout. Avances de la Psicología del Deporte en Iberoamérica, Bogotá, v. 1, n. 1, p. 41-55, 2012.

SAMULSKI, D. Psicologia do esporte: conceitos e novas perspectivas. Manole, 2009.

SAMULSKI, D.; CHAGAS, M. H.; NITSCH, J. R. Stress: teorias básicas. Escola de Educação Física, Universidade Federal de Minas Gerais, 1996.

SAMULSKI, D. M.; SILVA, S. A. Psicologia aplicada à arbitragem. SAMULSKI, D. M. Psicologia do esporte: conceitos e novas perspectivas. Barueri: Manole, p. 461-486, 2009.

SAMULSKY, D.; CHAGAS, M. H. Análise do stress psíquico na competição em jogadores de futebol de campo das categorias infantil e juvenil (15-18 anos). Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 6, n. 4, p. 12-18, 2008.

SILVA, A. S. Construção e validação de um instrumento para medir o nível de estresse dos árbitros dos jogos esportivos coletivos. 2004. Tese de Doutorado. Dissertação de mestrado). Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais.

SIMIM, M. A. d. M.; FERREIRA, R. M.; SOUZA, M. V. C.; MARQUES, A. C.; SILVA, B. V. C. d. Fatores psicológicos e sociais são fontes de estresse subjetivo em árbitros de futebol. RBFF-Revista Brasileira de Futsal e Futebol, v. 10, n. 39, p. 475-480, 2018.

VOIGHT, M. Sources of stress and coping strategies of US soccer officials. Stress and Health: Journal of the International Society for the Investigation of Stress, v. 25, n. 1, p. 91-101, 2009.

Downloads

Publicado

2020-11-16

Como Citar

Bandeira da Silva Lima, S., Frigeri Franciscon, B., Ferreira Lima, W., Coco, M. A. ., & Bandeira Lima, F. Évelin. (2020). NÍVEL DE ESTRESSE EM OFICIAIS DE ARBITRAGEM DE HANDEBOL DO PARANÁ. BIOMOTRIZ, 14(3), 107-117. https://doi.org/10.33053/biomotriz.v14i3.21

Edição

Seção

Artigos