PREVALÊNCIA DE PRÁTICA DE FUTEBOL FEMININO EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

Autores

  • André Luiz Varanda de Freitas
  • Alessandra Gama Barbosa
  • João Gabriel Martínez Alves
  • Tamires Domingos da Silva
  • Felipe Triani Programa de Pós-Graduação em Ciências do Exercício e do Esporte da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
  • Victor Gonçalves Corrêa Neto

DOI:

https://doi.org/10.33053/biomotriz.v14i3.227

Palavras-chave:

Educação Física, Futebol, Mulheres, Educação

Resumo

A Educação Física é capaz de integrar pessoas, fazendo com que essas pratiquem atividades com igualdade. Com a escola, e, em seu contexto, oferta um espaço privilegiado de construções de significados capazes de discutir a cidadania. O objetivo desse estudo foi analisar a prevalência da prática de Futebol feminino como atividade extracurricular em escolas da zona sul do município do Rio de Janeiro. Sua realização tem base na pesquisa quantitativa, com coleta de dados por meio de um questionário aplicado em 22 (vinte duas) escolas privadas da zona sul do Rio de Janeiro. O estudo apontou um equilíbrio nos resultados entre as escolas participantes, em que 53% delas confirmam existir Futebol feminino como atividade extracurricular nas unidades escolares e as demais, em 47% disseram não existir. Concluindo, portanto, que ainda há escolas que devam implementar o Futebol feminino em suas aulas extracurriculares, visto o direito à igualdade entre meninos e meninas, e, que não cabe mais diferenciação de gênero, neste caso, na prática de atividades, inclusive no Futebol.

Biografia do Autor

Felipe Triani, Programa de Pós-Graduação em Ciências do Exercício e do Esporte da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Doutorando em Ciências do Exercício e do Esporte pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - PPGCEE-UERJ

Referências

ALVARENGA, R. L. A biociência do movimento humano na escola. In: CONGRESO DE EDUCACION FÍSICA DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA, VI., Galícia, 1998. Anais, Galícia, 1998.

BETTI, I. C. R. Esporte na escola: mas é só isso, professor?. Motriz, vol. 1, n. 1, p. 2531, 1999.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. C. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Lisboa: Vega, 1970.

BRASIL. Conselho Nacional de Desportos. Baixa instruções às entidades desportivas do país sobre a prática de desporto pelas mulheres. Deliberação n. 7-65, de 2 de agosto de 1965.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais – Educação Física. MEC: DF, 1998.

CABRAL, J. História do Futebol feminino. 2009. In: Diário da bola. Disponível em: <http://jucabralfut.blogspot.com/2009/07/historia-do-futebol-feminino.html>. Acesso em: 14 jan. 2020.

CANDAU, V. M. F. Sociedade, cotidiano escolar e cultura(s): uma aproximação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 79, p. 125-61, 2002.

CASTELLANI FILHO, L. Educação Física no Brasil: a história que não se conta. Campinas: Papirus, 1991.

DAOLIO, J. Cultura, Educação Física e Futebol. Campinas: Editora da UNICAMP, 1997.

DARIDO, S. C; RANGEL, I. C. A; RAMOS, G. N. S; GALVÃO, Z.; FERREIRA, L. A; SILVA, E. V. M.; RODRIGUES, L. H; SANCHES, L.; PONTES, G.; CUNHA, F. A Educação Física, a formação do cidadão e os Parâmetros Curriculares Nacionais. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, v. 15, p. 17-32, 2001.

DYNIEWICZ, A. M. Metodologia da pesquisa em saúde para iniciantes. 3. ed. Revista e ampliada. São Caetano do Sul: Difusão Editora, 2014.

FARIA JÚNIOR, A. G. Futebol, questões de gênero e coeducação: algumas considerações didáticas sob enfoque multicultural. Revista de Campo, Futebol e Cultura Brasileira, São Paulo, v. 2, p. 17-39, 1995.

FIFA. Federação Internacional de Futebol Association, 2013. Disponível em: http://www.campeoesdofutebol.com.br&gt . Acesso em: 20 abr. 2018.

FRISSELLI, A.; MANTOVANI, M. Futebol: teoria e prática. São Paulo: Phorte Editora, 1999.

GOMES, M. O FC Porto campeão através de uma organização de equipe, 2011. Disponível em: <http://www.zerozero.pt/coluna.php?>. Acesso em: 14 jan. 2020.

ROMERO, E. A Educação Física a serviço da ideologia sexista. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v. 15, n. 3, jan. 1994.

SALLES, J. G. C; SILVA, M. C. P; COSTA, M. M. A mulher e o Futebol: significados históricos. In: VOTRE, S. (Coord.). A representação social da mulher na Educação Física e no esporte. Rio de Janeiro: Editora Central da UGF, 1996.

SALLES, L. M. F. Adolescência, escola e cotidiano: contradições entre o genérico e o particular. Piracicaba: UNIMEP, 1998.

SILVA, S. B. Resumo da história do Futebol, 2016. Disponível em: <http://www.campeoesdofutebol.com.br/hist_futebol.html>. Acesso em: 14 jan. 2020.

SOUZA JÚNIOR, O. M. Flores do campo. Revista Veja, São Paulo, v. 1468, p. 72-3, out. 1996.

WUOLIO, J. Futebol: o jogo mais popular. Rio de Janeiro: Salvat, 1981.

Downloads

Publicado

2020-11-16

Como Citar

Luiz Varanda de Freitas, A., Gama Barbosa, A., Gabriel Martínez Alves, J., Domingos da Silva, T., Triani, F., & Corrêa Neto, V. G. (2020). PREVALÊNCIA DE PRÁTICA DE FUTEBOL FEMININO EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO DE EDUCAÇÃO BÁSICA. BIOMOTRIZ, 14(3), 63-71. https://doi.org/10.33053/biomotriz.v14i3.227

Edição

Seção

Educação Física e Esportes na escola e fora da escola