DOR CRÔNICA E QUEDAS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

Autores

  • Maiara de Araújo Centro universitário Ateneu
  • Maria Silvia Helena Abreu Souza Centro Universitário Ateneu
  • Tamyres Chaves Freitas Centro Universitário Ateneu
  • Luana Almeida Sá Cavaleiro Centro Universitário Ateneu

DOI:

https://doi.org/10.33053/biomotriz.v14i4.229

Palavras-chave:

Dor crônica; Acidentes por quedas; Idoso

Resumo

INTRODUÇÃO: A queda em idosos é uma questão social importante, especialmente aqueles que estão em Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIS), pois impactam economicamente os idosos e suas famílias. A dor crônica é fator predisponente a piora da capacidade funcional e maior dependência OBJETIVO: correlacionar dor crônica com o risco de quedas em idosos institucionalizados. MÉTODO: Estudo transversal de caráter descritivo analítico, com abordagem quantitativa com 15 idosos institucionalizados com idade igual ou superior a 60 anos, de ambos os sexos, sendo os dados coletados por meio de entrevista, ao qual foi aplicada os instrumentos: uma ficha de avaliação, o mini exame do estado mental (MEEM), Escala Visual Analógica da dor (EVA) e uma escala para localização, intensidade e características da dor. Os dados foram organizados, analisados e interpretados, sendo aplicado Teste de correlação de Pearson pelo SPSS (Statistical Package for Social Sciences), que utiliza a linguagem de programação estatística. RESULTADOS: A única correlação significativa encontrada foi uma entre as variáveis quedas e sedentarismo (rho= 0,535; p= 0.04). Dos oito idosos que apresentaram eventos de queda no último ano, sete apresentaram dor, e os membros inferiores foram os segmentos mais acometidos pela dor. Sete indivíduos não relataram quedas. Desses, apenas quatro apresentaram dor. CONCLUSÕES: No presente estudo não houve correlação significativa entre quedas e dor crônica em idosos institucionalizados. Evidenciou-se maior prevalência de quedas em sedentários e em idosos com idade mais avançada. Os membros inferiores (MMII) foram os pontos mais frequentes para localização da dor.

Referências

ACOSTA, S.; ANDERSSON, L.; BAGHER, A.; WINGREN, C. J. Drugs in fall versus

non-fall accidents with major trauma - A population-based clinical and medico-legal autopsy study. ForensicSciInt. v. 296, p. 80-84, 2019.

ALVES, A. H. C.; PATRÍCIO, A. C. F. A.; ALBUQUERQUE, K. F.; DUARTE, M. C. S.; SANTOS J. S.; OLIVEIRA, M. S. Ocorrência de quedas entre idosos institucionalizados: prevalência, causas e consequências. J. res.: fundam. care. online. v. 8, n. 2, p. 4376 a 4386, 2016.

ARAÚJO NETO, A. H.; PATRICIO, A. C. F. A.; FERREIRA, M. A. M.; RODRIGUES, B. F. L.; SANTOS, T. D.; RODRIGUES, T. D. B.; SILVA, R. A. R. Quedas em idosos institucionalizados, riscos, consequências e antecedentes. RevBrasEnferm. v. 70, p. 4. p. 752-8, 2017.

BERTOLUCCI, P. H. F.; BRUCKI, S. M. D.; CAMPACCI, S. R.; JULIANO, Y. O mini-exame do estado mental em uma população geral: impacto da escolaridade. ArNeuro-psiquiatr. v. 52, n. 1, p. 1-7, 1994.

BRASIL. Ministério da Saúde. Atenção à Saúde da Pessoa Idosa e Envelhecimento. Textos Básicos de Saúde. Série Pactos pela Saúde. Brasília (DF): Ministério da saúde, 2010.

CAVALCANTE, M. L. S. N.; BORGES, C. L.; MOURA, A. M. F. T. M. M.; CAR-VALHO, R. E. F. L. Indicadores de saúde e a segurança do idoso institucionalizado. Rev. esc. enferm. v. 50, n. 4, 2016.

CHIANCA T.C.M; ANDRADE C.R; ALBURQUERQUE J; WENCESLAU L.C.C; TADEU L.F.R; MACIEIRA T.G.R; ERCOLE .F.F. Prevalência de quedas em idosos cadastrados em um Centro de Saúde de Belo Horizonte-MG. Rev Bras Enferm. Brasília. v. 66, n. 2, p. 234-40, 2013 mar-abr.

CUNHA, L. L.; MAYRINK, W. C. Influência da dor crônica na qualidade de vida em idosos. Rev dor. v. 12, n. 2, p. 120-4, 2011.

DELLAROZA, M. S. G.; PIMENTA, C. A. M.; DUARTE, Y. A.; LEBRÃO, M. L.. Dor crônica em idosos residentes em São Paulo, Brasil: prevalência, características e associação com capacidade funcional e mobilidade (Estudo SABE). Cad. Saúde Pública. v. 29, n. 2, p. 325-334, 2013.

FATORI, C. O.; LEITE C.F.; SOUZA, L. A. P. S.; PATRIZZI, L. J. Dupla tarefa e mobi-lidade funcional de idosos ativos Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. v. 18, n. 1, p. 29-37, 2015.

GARCIA, L. C. S.; MALAMAN, T. A. B. Avaliação do medo de quedas e sua correlação com o desempenho funcional, cognitivo e alterações do equilíbrio em idosos de comuni-dade. Revista Inspirar movimento e saúde. v. 7, n. 1, 2015.

GHISLENI, A.P; NASCIMENTO G.C; MELLO R.G.B; MÜLLER V.M. Dor crônica, equilíbrio e quedas de idosos em Instituições de Longa Permanência. Revista.hupe.uerj.br v. 15, n. 4, 2016 out-dez.

KARP J. F.; SHEGA J. W.; MORONE, N. E.; WEINER, D. K. Advances in understanding the mechanisms and management of persistent pain in older adults. Br J Anaesth. v. 101, n. 1, p. 111-20, 2008.

LIMA A. P.; LINE, E. V.; DELANNI, M. P.; PORTELA, M. R.; DORING, M. Prevalência e fatores associados às quedas em idosos de estação-rs: estudo transversal de base populaci-onal-cad. Saúde colet. v. 25, n. 4, p. 436-442, 2017.

MEEREIS, E. C. W.; FAVRETTO, C.; SOUZA, J.; GONÇALVES, M. P.; MOTA, C. B. Influência da hidrocinesioterapia no equilíbrio postural de idosas institucionalizadas. Mo-triz. v.19, n. 2, p. 269-277, 2013.

MORAES, M.C.L; TEIXEIRA C.A; MARIN J.G; NASCIMENTO E.L. Estudo Sobre Quedas Com frequentadores de um Parque Público da Zona Sul do Estado de São Paulo. Revista jhmreviem. São Paulo. v.2, n.1, p.72-83, 2016 jan/jun.

OLIVEIRA, C. H.; MARTINS, E. A. P.; MONTEZELE, J. H.; SOUZA, T. G.; DELLA-ROZA, M. S. G. Compreendendo a vivência dos idosos com dor crônica: a luz da teoria de Callista Roy. Ciência, Cuidado e Saúde. v. 16, n. 1, 2017.

PRATO, S. C. F.; ANDRADE, S. M.; CABRERA, M. A. S.; DIP, M. R.; SANTOS, H. G.; DELLAROZA, M. S. G.; MESAS, A. E. Frequency and factors associated with Falls in adults aged 55 years or more. Rev. saúde pública. v. 51, n. 37, 2017.

SOUSA F. F.; PEREIRA L. V; CARDOSO, R.; HORTENSE, P. Escala Multidimensional de Avaliação de Dor (EMADOR). Rev. Latino-Am, Enfermagem. v. 18, n. 1, p. 9, jan-fev 2010.

SOUSA, L. H. L.; BRANDÃO, J. C. S.; CARDOSO, A. K.; CARDOSO, F. B. L. C. Queda em idosos e fatores de risco associados. Rev. Aten. Saúde. v. 15, n. 54, p. 55-60, 2017.

VIEIRA, L. S.; GOMES, A. P.; BIERHALS, I. O.; ANTUNIS, S. F.; RIBEIRO, C.G.; MIRANDA, V. I. A.; LUTZ, B. H.; SILVA, T. G. B.; LIMA, N. P.; BERTOLDI, A. D.; TOMASI, E. Quedas em idosos no sul do Brasil: prevalência e determinantes. Rev. saúde publica. v. 52, n. 22, 2018.

WITTE, W.; STEIN, C. History, Definitions and Contemporary Viewpoins. In:Kopf A; Pa-tel N.B. Guide to pain Management in Low-Resource Settings. Seattle, InternationaL Association for the Study of Pain (IASP), p. 3-8, 2010.

ZHANG, L.; ZENG, Y.; WENG, C.; YAN, J.; FANG, Y. Epidemiologi calchara cteristics and factors influencing falls among elderly adults inlong-term care facilities in Xiamen, China. Medicine. v. 98, n. 8, p. e14375, 2019.

Downloads

Publicado

2021-01-14

Como Citar

de Araújo, M., Abreu Souza, M. S. H. ., Chaves Freitas, T. ., & Almeida Sá Cavaleiro, L. . (2021). DOR CRÔNICA E QUEDAS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. BIOMOTRIZ, 14(4), 147-156. https://doi.org/10.33053/biomotriz.v14i4.229

Edição

Seção

Artigos