A VIOLÊNCIA E O PRECONCEITO CONTRA O IDOSO: QUESTÕES SOCIOHISTÓRICAS

Autores

  • Carine Nascimento da Silva Universidade de Cruz Alta
  • Camila Kuhn Vieira Universidade de Cruz Alta
  • Tiago Anderson Brutti Universidade de Cruz Alta
  • Vaneza Cauduro Peranzoni Universidade de Cruz Alta

DOI:

https://doi.org/10.33053/biomotriz.v14i4.232

Resumo

Atualmente em destaque, o processo de envelhecimento vem sendo muito debatido, principalmente as questões sociais e de saúde, pois essa transição causa diversas modificações nos aspectos de saúde dos idosos, o que pode levar a uma dependência da família e serviços de saúde, algo que pode gerar preconceito e, muitas vezes, à violência. Portanto, este trabalho teve por objetivo contextualizar os danos gerados pelo preconceito e violência contra o idoso, através de uma revisão bibliográfica. Realizou-se, então, uma busca nas bases de dados do Google Acadêmico, EBSCO, Scielo e periódico CAPES, entre os meses de outubro de 2019 a janeiro de 2020, conforme os critérios da temática. Constatou-se pela pesquisa feita que há violência e preconceito contra o idoso, o que gera um grande desafio para o setor da saúde e social, pois acarreta em danos biopsicossocial, destacando-se que a violência mais prevalente entre idosos são à mudança entre gerações, dificuldades financeiras, relações intrafamiliares e o preconceito contra a mulher, caracterizado pelo machismo imposto na antiguidade. Sendo assim, é de extrema importância novas alternativas de políticas públicas voltadas contra a violência ocorrida às pessoas em processo de envelhecimento, necessitando, também, haver mais estudos aprofundados sobre a temática.

Biografia do Autor

Carine Nascimento da Silva, Universidade de Cruz Alta

Mestranda do
Programa de Pósgraduação em
Práticas
Socioculturais e
Desenvolvimento
Social da
Universidade de Cruz
Alta (UNICRUZ).
Bolsista CAPES.
Graduação em
Fisioterapia pela
UNICRUZ. "O presente trabalho foi realizado com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Brasil (CAPES) - Código de Financiamento 001

Camila Kuhn Vieira, Universidade de Cruz Alta

Mestranda do
Programa de Pósgraduação em
Práticas
Socioculturais e Desenvolvimento
Social da
Universidade de Cruz
Alta (UNICRUZ).
Bolsista CAPES.
Graduação em
Enfermagem pela
UNICRUZ.

Tiago Anderson Brutti, Universidade de Cruz Alta

Doutor em Educação
nas Ciências
(UNIJUÍ)
(Pós-Doutorado pela
UNIOESTE).
Graduado em Direito.
Docente do mestrado
Praticas
socioculturais e
Desenvolvimento
Social da
Universidade de Cruz

Vaneza Cauduro Peranzoni , Universidade de Cruz Alta

Pós doutora em
Educação
(UFSM). Graduada
em Educação especial
(UFSM). Docente do
mestrado Praticas
socioculturais e
Desenvolvimento
Social da
Universidade de Cruz Alta

Referências

AZEVEDO, M. S. A. O envelhecimento ativo e a qualidade de vida: uma revisão integrativa. Dissertação de mestrado (Mestrado em Enfermagem Comunitária). Escola Superior De Enfermagem do Porto, Porto, 2015. Disponivel em: https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/10776/1/marta%2020%20de%20abril%20-%20tese%20final%20-%20pdf.pdf. Acesso em: 17. Jan.2020.

BAUER. M. E. Imunossenescência: envelhecimento do sistema imune. EDIPUCRS, 8 de jul. de 2019.

FERREIRA, A. A. O Brasil e o preconceito: uma análise teórica e crítica da Lei nº 7.716/89 frente à realidade brasileira. São Paulo. 2015.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5 ed. São Paulo: atlas, 2010.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de pesquisa social. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios. Síntese de Indicadores, 2018.

LIMA, E. R. A participação de pessoas idosas no mercado de trabalho do setor de turismo do Distrito Federal: possibilidades e limites. Dissertação de mestrado. Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil. 2014.

KRUG, E. G. et al. World report in violence and health. Geneva: World Health Organization. 2002. Disponível em http://www.who.int/violence_injury_prevention/violence/world_report/full_en.pdf. Acesso em: 15 jan 2020.

NARVAZ, M. G.; KOLLER, S. H. Mulheres vítimas de violência doméstica: Compreendendo subjetividades assujeitadas. Revista Psico, v. 37, n. 1. p.7-13. Porto Alegres, 2006.

NOGUEIRA, C. F.; FREITAS, M. C. DE; ALMEIDA, P. C. DE. Violence against elderly in State: a documental analysis. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, vol.14, n.3, p. 543-554. 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S1809-98232011000300014.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE. Folha informativa: envelhecimento e saúde. Brasil. 2018.

PAPALIA, D. E.; OLDS, S.W.; FELDMAN, R. D. Desenvolvimento humano. Ed. 8°. Porto Alegre, RS: Artmed. 2006.

PEREIRA, C. Políticas de Cuidados na Velhice. Revista Kairós-Gerontologia, p. 33- 40, São Paulo, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.23925/2176-901X.2019v22i1p33-40.

SANTOS, A. J. et al. Prevalência da Violência contra as Pessoas Idosas: uma revisão crítica da literatura. Rev. Sociologia, Problemas e Práticas. p. 53-77, 2013. Disponivel em: http://journals.openedition.org/spp/1192.Acesso em: 20.jan.2020.

SILVA, S. G.. Preconceito e Discriminação: as Bases da Violência Contra a Mulher. Rev. Psicologia Ciência e Profissão, v. 30, n. 3, p. 556-571, 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-98932010000300009.

SOUZA, R. F. D.; MATIAS, H. A.; BRÊTAS, A. C. P. Reflexões sobre envelhecimento e trabalho. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, n. 6, p. 2835-2843.2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000600021.

VERAS, R. P.; OLIVEIRA, M. Envelhecer no Brasil: a construção de um modelo de cuidado. Ciência e Saúde Coletiva, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php. Acesso em: 24 jan .2020.

VERAS, R. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações: revisão. Revista de Saúde Pública, v. 43, n. 3, p. 548-554, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102009005000025.

World Health Organization (WHO). A global response to elder abuse and neglect: building primary health care capacity to deal with the problem worldwide: main report.2008.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global consultation on violence and health.Violence: a public health priority. Geneva: WHO; 1996.

YAN, E.; CHAN, K.-L.; TIWARI, A. A systematic review of prevalence and risk factors for elder abuse. Trauma, Violence, & Abuse, p. 199-219, 2014. DOI:10.1177/152483801455503.

Downloads

Publicado

2021-01-14

Como Citar

Nascimento da Silva, C., Kuhn Vieira, C., Anderson Brutti, T., & Cauduro Peranzoni , V. (2021). A VIOLÊNCIA E O PRECONCEITO CONTRA O IDOSO: QUESTÕES SOCIOHISTÓRICAS. BIOMOTRIZ, 14(4), 140-146. https://doi.org/10.33053/biomotriz.v14i4.232

Edição

Seção

Artigos