A INFLUÊNCIA DA RELIGIOSIDADE NA REABILITAÇÃO DO DEPENDENTE QUÍMICO

Autores

  • Joaquim Rangel Lucio Penha Universidade Estadual do ceará
  • Cleide Correia de Oliveira
  • João Cruz Neto
  • Francisco Áurio Gomes Carmo

DOI:

https://doi.org/10.33053/biomotriz.v14i4.234

Palavras-chave:

Espiritualidade. Religião. Comunidade Terapêutica. Usuários de Drogas. Transtornos Relacionados ao Uso de Substâncias.

Resumo

A crença, religiosidade e a espiritualidade têm inspirado diferentes meios de atenção à saúde na reabilitação do dependente químico. O objetivo deste estudo foi avaliar a intervenção da religiosidade na reabilitação de usuários de substâncias psicoativas em Comunidades Terapêuticas do interior cearense. Tratou-se de estudo descritivo exploratório com abordagem qualitativa, com Análise de Conteúdo de Bardin e a coleta de dados realizada em duas Comunidades Terapêuticas do interior cearense, de agosto a dezembro de 2017. A amostra contou com 10 participantes com idade entre 23 e 46 anos. Diante das falas dos entrevistados foram construídas quatro categorias temáticas analisadas à luz da literatura pertinente. A religiosidade apresentou-se como um elemento influente no processo de recuperação da dependência química. O contato com os centros terapêuticos promoveu o acolhimento e estimulou a adoção de um novo estilo de vida baseado nas relações interpessoais e de autoajuda, promovendo o autoconhecimento e o enfrentamento da problemática. Destaca-se que a religiosidade/espiritualidade é ponto importante no tratamento do dependente químico, assim como o convívio social fortalece medidas de prevenção e seguridade para com o adoecimento.

Biografia do Autor

Joaquim Rangel Lucio Penha, Universidade Estadual do ceará

Graduação em Educação Física. Mestre em Saúde da Criança e do adolescente pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Membro do grupo de pesquisa em saúde e trabalho Cnpq. Possui registro profissional no CONFEF e CREF 5 (Conselho Federal e Regional de Educação Física). Atualmente é professor de Educação Física do quadro de funcionário efetivo da SME de Várzea Alegre - CE e da SME de Crato - CE. Pesquisa os níveis de aptidão física relacionada a doenças cardiometabólicas e osteomusculares em crianças e adolescentes.ORCID ID: https://orcid.org/ 0000-0003-0325-3495.

Cleide Correia de Oliveira

Possui Graduação em Enfermagem pela Universidade de Fortaleza-UNIFOR. Mestrado em Desenvolvimento Regional pela Universidade Regional do Cariri. Doutorado em Bioquimica Toxicológica pela Universidade Federal de Santa Maria RS. Professora Associada da Universidade Regional do Cariri das Disciplinas Saúde Mental. Líder do grupo de pesquisa saúde e trabalho Cnpq. Com experiência nas áreas de Enfermagem Assistencial, Centro Cirúrgico e Centro de Materiais, UTI. Administração Hospitalar e Sistemas de Saúde Pública e Privado. Atuando principalmente nos seguintes temas: Saúde mental. Coordenadora da Pós-graduação em Saúde Mental URCA e Enfermagem em Oncologia.

João Cruz Neto

Graduando do curso de enfermagem da Universidade Regional do Cariri - URCA

Francisco Áurio Gomes Carmo

Graduado em psicologia e pós graduando do curso de saúde mental da Universidade Regional do Cariri - URCA

Referências

ALMEIDA, Renata B. Fernandes de et al. O tratamento da dependência na perspectiva das pessoas que fazem uso de crack. Interface (Botucatu) [online]. vol.22, n.66, pp.745-756, 2018.

BALTHAZAR, Ellen Bedinhelo et al. Risk factors for substance use: perception of student leaders. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 71, n. 5, p. 2116-2122, 2018.

BETTARELLO, Viviana Colbacho et al. Qualidade de vida, espiritualidade, religião e crenças pessoais de dependentes químicos em tratamento. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 18. 2016.

BORGES, C. D.; JESUS, L. O. de; SCHNEIDER, D.R. Prevenção e promoção da saúde: revisão integrativa de pesquisas sobre drogas. Psicologia em pesquisa. Juiz de Fora , v. 12, n. 2, p. 5-13, jul. 2018.

BOLONHEIS-RAMOS, R. C. M.; BOARINI, M. L. Comunidades terapêuticas: novas perspectivas e propostas higienistas. História ciências e Saúde-Manguinhos, 22(4):1231-1248. 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução no 834 de 26 de abril de 2016. Redefine os procedimentos relativos à certificação das entidades beneficentes de assistência social na área de saúde. Diário Oficial da União nº 79, Brasília (DF), Seção 1:79. Acesso em: 18 out. 2017.

BRASIL, SENAD: Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas - Ministério da Justiça Mo- dulo: Comunidades Terapêuticas: Histórico e Regulamentações – eixo práticas. Brasília, 2017. Disponível em: <http://www.aberta.senad.gov.br/medias/original/201706/2017 0605- 134703-001.pdf> Acesso em: 15 out. 2017.

BRASIL. Ministério da Justiça. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas – SENAD. Detecção do uso e diagnóstico da dependência de substâncias psicoativas: módulo 3. 9. ed. Brasília, 2016. Acesso em: 21 out. 2017.

BRASIL. Ministério da Justiça. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas – SENAD.

Efeitos de substâncias psicoativas: módulo 2. 11. ed. Brasília, 2017. Acesso em: 21 out. 2017.

BRASIL. Ministério da Justiça. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas – SENAD. Fé na prevenção: prevenção do uso de drogas por instituições religiosas e movimentos afins. 3. ed. Brasília, 2014. Acesso em: 18 out. 2017.

BRASIL. Ministério da Justiça. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas – SENAD.

Modalidades de tratamento e encaminhamento: módulo 6. 9. ed. Brasília, 2016. Acesso em: 10 set. 2017.

BRASIL. Ministério da Justiça. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas – SENAD. Prevenção ao uso indevido de drogas: Capacitação para conselheiros e lideranças comunitária. 4. ed. Brasília, 2011. Acesso em: 18 set. 2017.

BRASIL. Ministério da Justiça. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas – SENAD. I Levantamento nacional sobre o uso de álcool, tabaco e outras drogas entre universitários das 27 capitais brasileiras. Brasília, 2010. Acesso em: 05 out. 2017.

CFP - Conselho Federal de Psicologia. Relatório da 4ª Inspeção Nacional de Direitos Humanos: locais de internação para usuários de drogas. Brasília, 2011. Disponível em:

<https://site.cfp.org.br/wpcontent/uploads/2012/03/2a_Edixo_relatorio_inspecao_VERSxO_F INAL.pdf.> Acesso em: 20 out. 2017.

CASTRO NETO, A. G.; SILVA, D. C. N.; FIGUEIROA, M. S. Main mental disorders in crack-cocaine users treated at psychosocial care centers for alcohol and drugs in the city of Recife, Brazil. Trends Psychiatry Psychother. Porto Alegre, v. 38, n. 4, p. 227-233, 2016.

CARVALHO, Leandro V. Barreto et al. Exposição ocupacional a substâncias químicas, fatores socioeconômicos e saúde do trabalhador: uma visão integrada. Saúde em Debate, v. 41, n. 2, p. 313-326, jun. 2017.

CHAIM, C.; BANDEIRA, K.; ANDRADE, A. Fisiopatologia da dependência química. Revista de Medicina, 94(4):256-262. 2015.

DAMACENA, Gabriela F. Carnot et al. A abordagem religiosa como recurso de tratamento da dependência química nas comunidades terapêuticas. Revista de Saúde Pública de Santa Catarina., v. 10, n. 1, p. 46-55. 2017.

DANIELI, Rafael Vinícius et al. Perfil sociodemográfico e comorbidades psiquiátricas em dependentes químicos acompanhados em comunidades terapêuticas. Jornal Brasileiro de psiquiatria. [online]. vol.66, n.3, pp.139-149. 2017.

LEFEVRE, F.; LEFEVRE, A.M.C. Discourse of the collective subject: social representations and communication interventions. : Social representations and communication interventions. Texto & contexto enfermagem, 23(2):502-507. 2014.

MACIEL, Silvana Carneiro et al. Cuidadoras de Dependentes Químicos: Um Estudo sobre a Sobrecarga Familiar. Psicologia. Teoria e Pesquisa. [online]. vol.34, e 34416. 2018.

OLIVEIRA, Ana Lívia C. Branco et al. Spirituality and religiosity in the context of drug abuse. Revista Rene (Online). (2):283-290. 2017.

PAIVA, Haroldo Neves et al. Associação do uso de drogas lícitas e ilícitas, sexo e condição socioeconômica entre adolescentes de 12 anos de idade. Cadernos Saúde Coletiva, v. 26, n. 2, p. 153-159, 2018.

PRATTA, E. M. M.; SANTOS, M. A. dos. O Processo Saúde-Doença e a Dependência Química: Interfaces e Evolução. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Vol. 25 n. 2, pp. 203-211. 2009.

RIBEIRO, F. M. L.; MINAYO, M. C. S. As comunidades terapêuticas religiosas na recuperação de dependentes de drogas: o caso de Manguinhos, RJ, Brasil. Interface (Botucatu – Online), 19(54):515-526. 2015.

SANCHES, L.R.; VECCHIA, M.D. Reabilitação Psicossocial e Reinserção Social De Usuários De Drogas: Revisão da Literatura. Psicol. Soc, 30(1):1-10. 2018.

SANTOS, Marcos V. Ferreira et al. Acolhimento em um serviço dependência química: com a palavra os usuários. Saúde e Transformação Social, 6(3):50-61. 2015.

SANTIAGO, J. A droga do toxicômano. Belo Horizonte, MG: Relicário Edições. (2017).

SEZORTE, F.O. F.; SILVA, J.V. Perfil dos usuários de substâncias psicoativas (spa) acolhidos na comunidade terapêutica religiosa shalom. Revista Valore, 4 426-438, 2019.

SCHIMITH, P.B.; MURTA, G.A.V.; QUEIROZ, S.S. A abordagem dos termos dependência química, toxicomania e drogadição no campo da Psicologia brasileira. Saúde e Transformação Social, 30(1):1-9. 2019.

SCHLEMPER JUNIOR, B.R. Bioética no acolhimento a dependentes de drogas psicoativas em comunidades terapêuticas. Revista Bioética, 269(1):47-57. 2018.

SILVA, Iuri F. Coutinho et al. Serviços de saúde ecomunidades terapêuticas: Há uma relação em prol do dependente químico? Rev. Saúde Pesq, 8(3):533-40. 2015.

SILVA, L.G.; CAVALHEIROS, P.R.V. Práticas empregadas no tratamento para dependentes de substâncias psicoativas em comunidades terapêuticas brasileiras: uma revisão sistemática da literatura entre 2005-2015. Caderno Brasileiro de Saúde Mental, 9(23):67-83. 2017.

SILVA, Priscilla P. Costa et al. Body practices in rehabilitation alcohol and drugs users: a lifestyle setting. Motricidade, 13(1):74-86. 2017

TARGINO, J. Comunidades terapêuticas religiosas: estudo de caso sobre uma comunidade pentecostal e uma comunidade católica carismática. Revista Café com Sociologia. V. 6, n. 2. p. 314-334,. 2017.

UNODC. Relatório Mundial Sobre Drogas 2018: crise de opioides, abuso de medicamentos sobprescrição; cocaína e ópio atingem níveis recordes. Disponível em: https://www.unodc.org/lpo-

brazil/pt/frontpage/2018/06/relatorio-mundial-drogas-2018.html Acesso: 01 junho de 2020.

ZERBETTO, Sonia Regina et al. Religiosity and spirituality: mechanisms of positive influence on the life and treatment of alcoholics: mechanisms of positive influence on the life and treatment of alcoholics. Escola Anna Nery, 21(1):1-8. 2017.

Downloads

Publicado

2021-01-14

Como Citar

Penha, J. R. L., de Oliveira, C. C., Neto, J. C., & Carmo, F. Áurio G. (2021). A INFLUÊNCIA DA RELIGIOSIDADE NA REABILITAÇÃO DO DEPENDENTE QUÍMICO. BIOMOTRIZ, 14(4), 114-127. https://doi.org/10.33053/biomotriz.v14i4.234

Edição

Seção

Artigos