INFLUÊNCIA DE PREDITORES MOTIVACIONAIS NA ADESÃO E ADERÊNCIA A PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS

Autores

  • Francine Costa UNESC
  • Bruna Manoel UNESC

DOI:

https://doi.org/10.33053/biomotriz.v14i4.248

Palavras-chave:

Teoria da Autodeterminação, exercício físico, atividade física, aderência

Resumo

Descrever os preditores motivacionais positivos e negativos que influenciam na adesão e aderência à prática de exercícios físicos com base na Teoria da Autodeterminação. Critérios de inclusão e exclusão de artigos, inclusão: (1) estudos entre 01 de janeiro de 1995 e 31 de dezembro de 2019, (2) artigos com influência de um ou mais preditores motivacionais na aderência a prática de exercícios físicos em curto ou longo prazo, (3) estudos de campo,(4) artigos em língua inglesa, espanhol e portuguesa. Exclusão: (1) artigos de revisão bibliográficas, monografias, dissertações, teses, artigos de opinião de especialistas e/ou pontos de vista, resumos,capítulos de livro, (2) artigos de validação de instrumentos, (3) artigos que abordassem a aderência ao desporto com a amostra de atletas, (4) artigos que não deixasse claro quais o preditores foram significativos para a aderência a prática do exercício físico, (5) artigos que abordassem os preditores motivacionais da TAD sem o contexto da aderência ao exercício físico e vice versa, (6) os artigos em duplicidade nas bases revisadas, (7) artigos que não mencionavam período de duração. Estudo de revisão sistemática nas bases PubMed, Sciencedirect, Doaj e Google acadêmico. Em geral a determinação como preditores positivos foram: Motivação intrínseca (20-90,47%) e regulação identificada (08- 38,09%). Houve estudos com mais de um preditor. Em três estudos foi determinada a regulação integrada, 14,28%, dois em longo prazo e um em curto prazo. Conclui-se que a motivação intrínseca e a regulação identificada foram os preditores de maior influência positiva para a aderência à prática de exercícios físicos.

Biografia do Autor

Bruna Manoel, UNESC

Bacharel em Educação Física

Referências

BALBINOTTI, M. A.; CAPOZZOLIC, J. Motivação à prática regular de atividade física: um estudo exploratório compraticantes em academiasdeginástica. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 22, n. 1, p. 63-80, 2008.

DECIE, L.; RYAN, R, M. Self Determination Theory: A Macro theory of Human Motivation, Development, an Health. Canadian Psychology, v. 49, n. 3, p. 182– 185, 2008.

DUNCAN, L. et al. Exercise motivation: a cross section alanalys is examining its relation ships with frequency,int ensity,andduration of exercise. Journal: International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity, v. 7, n. 1, p. 2-9, 2008.

EDMUNDS, J. et al. Adherence and well beingin over weight and obese patients referred to an exercise on prescripti on scheme:Aself-determination theory perspective. Psychology of Sport and Exercise, v. 8, n. 5, p. 722-740, 2007.

FORTIERM, S. et al. A self determination process model of physial activity adoption in the context of a randomized controlled trial. Psychology of Sport and Exercise, v. 8, p. 5, p.741-57, 2007.

GONÇALVEZ, M. P.; ALCHIERIJ, C. Motivação à prática de atividades físicas: um estudo com praticantes não atletas. PsicoUSF, v. 15, n. 1, p. 125-134, 2010.

GOUVEIA, M. J. Tendências da investigação na psicologia do desporto, exercício e atividade física. Análise Psicológica, v. 1, p. 5-14, 2001.

MAZOG, Z. et al. Motivação de idosos para a aderência a programa de exercícios físicos. Psicologia para América Latina, v. 1, n. 18, 2009.

MILNEH, M. et al. Impact the combine dresistance and aerobic exercise program on motivational variable sinbreast cancer survivor:a randomized controlled trial. Annals Behavioral Medicine, v. 36, n. 2, p.158-166, 2008.

MOUTÃO, J. M. R. P. Motivação para a prática de exercício físico: estudos dos motivos para a prática de actividades de fitness em ginasios. Universidade de Trás-Os-Montes e Alto Douro. (dissertação de mestrado em psicologia do desporto e do exercício),VilaReal, Portugal 167 p. 2005.

RAHMANR, J. et al. Change sinne ed satisfaction and motivation orientation as predictors of psychological and behavioral out comes in exercise referral. Psychol Health, v. 26, n. 11, p. 1521-39, 2011.

RODGERS, W, M. et al. Becoming a regular exerciser:Examining change in behavioral regulation samong exercise initiates. Psychology of Sport and exercise, v. 11, n. 5, p. 378-386, 2010.

RYAN, R. M.; DECI, E. L. Intrinsic and Extrinsic Motivations: Classic Definitions and New Directions. Contemporary Educational Psychology, v. 1, n. 25, p. 54–67, 2000.

SILVAM, N. et al. Exercise autonomo us motivation predicts 3- years weight lossin women. Medicine Science Sports Exercise, v. 43, n. 4, p.728-737, 2011.

SILVAM, N. et al. Helping over weight women become more active: Need support and motivational regulations for different forms of physical activity. Psychology of Sport and Exercise, v. 1, n. 11, p.591- 601, 2010.

SABA, F. Aderência: A prática do exercício físico em academias. SãoPaulo: Manole, 2001.

SILVAM, N. et al. Using self determination theory to promote physical activity and weight control:a randomized controlled trial in women. Journal Behavioral Medicine, v. 33, n. 2, p.110-22, 2009.

VERLOIGNEM, B. et al. Self- Determined motivation to wards physical activity in adolescent streated for obesity:an observational study. Journal: International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity, v. 8, n. 1, p. 97-101, 2011.

WILSONP, M.; RODGERS, W. M. There lation ship between perceived autonomy support,exercise regulation sand behavioral intention sin women. Psychology of Sport and Exercise, v. 5, n. 3, p.229-42, 2004.

Downloads

Publicado

2021-01-14

Como Citar

Costa, F., & Manoel, B. (2021). INFLUÊNCIA DE PREDITORES MOTIVACIONAIS NA ADESÃO E ADERÊNCIA A PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS. BIOMOTRIZ, 14(4), 89-101. https://doi.org/10.33053/biomotriz.v14i4.248

Edição

Seção

Artigos