USO DE METODOLOGIAS ATIVAS ENTRE OS ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM PARA A PRÁXIS DE SAÚDE MENTAL

Autores

  • Helvis Eduardo Oliveira da Silva Universiadade Regional do Cariri - URCA
  • Talita Oliveira Figuerêdo Morais Universidade Regional do Cariri – URCA
  • Isabella Simões Babachinas Universidade Regional do Cariri - URCA
  • Cleide Correia de Oliveira Universidade Regional do Cariri - URCA
  • Joaquim Rangel Lucio Penha Universidade Estadual do ceará

DOI:

https://doi.org/10.33053/biomotriz.v14i4.259

Palavras-chave:

Metodologias ativas. Saúde Mental. Tecnologias em Saúde.

Resumo

O estudo tem como objetivo relatar a experiência dos discentes de enfermagem em relação ao uso das metodologias ativas de ensino na graduação como ferramenta à prática no processo de cuidar em saúde mental. Trata-se de um estudo descrito com abordagem mista, do tipo relato de experiência, enfatizando aspectos das metodologias ativas desta vivência com os discentes da disciplina de Processo de Cuidar em Saúde Mental do Curso de Enfermagem. A vivência ocorreu no período entre novembro a dezembro de 2019 e fevereiro de 2020, com 31 alunos matriculados e frequentando a disciplina. Os resultados mostram que os 31 alunos consideram as aulas excelente, 20 (64,5%) e 10 (32,3%) ótimo e 1 (3,2%), bom. Além disso, pode-se verificar que os 100% afirmaram que as metodologias ativas contribuem para o seu aprendizado. O filme apresentou-se com a maior preferência por 24 alunos (77,4%), seguida pelo circuito 61,2% (19), construção de cartazes 58% (18), reportagens 48,3% (15 alunos), estudo de caso 48,3% (15), varal de ideias 41,9% (13), linha do tempo 32,2% (10 alunos), nuvens de palavras 32,2% (10 alunos), hemeroteca 29% (9), a tempestade cerebral 16,1% (5) e o auto retrato 16,1% (5). Das falas, surgiram duas categorias: um: percepção do discente sobre as metodologias ativas na disciplina; dois: vivência das metodologias ativas no processo de cuidar em saúde mental. Conclui-se, então, que a utilização dessas metodologias favorece a autonomia do educando no processo de construção de seu conhecimento, despertando a curiosidade, estimulando tomadas de decisões coletivas e individuais.

Biografia do Autor

Helvis Eduardo Oliveira da Silva, Universiadade Regional do Cariri - URCA

Graduando do curso de enfermagem na Universidade Regional do Cariri - URCA. Monitor da disciplina Processo de cuidar em enfermagem e saúde mental. Membro da LiSAME. https://orcid.org/0000-0001-5152- 5024

 

Talita Oliveira Figuerêdo Morais, Universidade Regional do Cariri – URCA

Graduanda do curso de enfermagem na Universidade Regional do Cariri - URCA. Monitor da disciplina Processo de cuidar em enfermagem e saúde mental. Membro da Liga de ensino pesquisa e extensao, LiSAME. https://orcid.org/0000-0002-6583-3121

Isabella Simões Babachinas, Universidade Regional do Cariri - URCA

Graduada em enfermagem. Pós graduada em saude mental pela Universidade Regional do Cariri - URCA.  https://orcid.org/0000-0002-1973-7964

Cleide Correia de Oliveira, Universidade Regional do Cariri - URCA

Graduada em Enfermagem. Doutorado em Bioquímica Toxicológica pela Universidade Federal de Santa Maria. Líder do grupo de pesquisa saúde e trabalho Cnpq. Professora Associada da Universidade Regional do Cariri das Disciplinas Saúde Mental. Crato, Ceará, Brasil. ORCID ID: https://orcid.org/.0000-0001-8135-449x

Joaquim Rangel Lucio Penha, Universidade Estadual do ceará

Graduado em Educação Física. Pós graduado em Educação Física Escolar. Mestre em Saúde da Criança e Adolescente. Membro do grupo de pesquisa em saúde e trabalho Cnpq. Professor efetivo nas SMEs das Cidade de Crato e Várzea Alegre, Ceará, Brasil. Pesquisa os níveis de aptidão física relacionada a doenças cardiometabólicas e osteomusculares em crianças e adolescentes. ORCID ID: https://orcid.org/ 0000-0003-0325-3495.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70. 2011.

BRASIL. Conselho Nacional De Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES 3/2001. Diário Oficial da União, Brasília, 9 de Novembro de 2001. Seção 1, p. 37.

BRASIL, Lei de Diretrizes e Bases da Educação nº 9.394/96. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

CARVALHO, José Ricardo. Andragogia: Saberes docentes na educação de adultos.

Revista Diálogos Acadêmicos, Fortaleza, v. 5, n. 2, jul./dez. 2016.

COHEN, M. (18 de abril de 2017). Alunos no centro do conhecimento. Disponível em :https://revistaeducacao.com.br/2017/04/18/foco-no-aluno/

COLARES, K.T.P.; OLIVEIRA, W.de. Metodologias ativas na formação profissional em saúde: uma revisão. Revista Sustinere, [S.l.], v. 6, n. 2, p. 300 - 320, jan. 2019.

DAHER, Alessandra Ferreira Beker. Aluno e professor: Protagonistas do processo de aprendizagem. 2017. Disponivel em http://www.campogrande.ms.gov.br/semed/wp-content/uploads/sites/5/2017/03/817alunoeprofessor.pdf.

FABBRO, Márcia Regina Cangiani et al. Estratégias ativas de ensino e aprendizagem: percepções de estudantes de enfermagem. REME – Revista Mineira de Enfermagem, v. 22: e-1138, 2018.

FERNANDES, M. A et al. Metodologias ativas como instrumento para a capacitação em saúde mental. Revista de Enfermagem, Recife, PE, v. 12, n.12, p. 3172-3180, dez. 2018.

FREITAS, Cilene Maria et al. Uso de metodologias ativas de aprendizagem para a educação na saúde: análise da produção científica. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 13, supl. 2, p. 117-130, 2015.

LACERDA, F.C.B.; SANTOS, L.M. Integralidade na formação do ensino superior: metodologias ativas de aprendizagem. Revista de Pesquisa Interdisciplinar. Campinas; Sorocaba, SP, v. 23, n. 3, p. 611-627, nov. 2018.

MASETTO, M.T. (Org.). Docência na universidade. (Ebook.) Campinas SP: Papirus, 2014.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (BR). Resolução CNE/CES Nº 3, de 7 de novembro de 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Enfermagem. Brasília (DF): Diário Oficial da União; 2001.

MORAES, Andréa Kochhann Machado de et al. A importância de filmes em sala de aula e o guia do GEFOPI: uma proposta didático-metodológica mediante a extensão universitária e pesquisa. III congresso de ensino, pesquisa e extensão da UEG, 2016.

SANTOS, Wendel Souza. Andragogia e a educação de idosos, jovens e adultos. Revista discente da UNIABEU. Volume 4 Números 1.2016.

SOUZA, E.F.D.; SILVA, A.G.; SILVA, A.I.L.F. Active methodologies for graduation in nursing: focus on the health care of older adults. Revista Brasileira de Enfermagem, Presidente Prudente-SP, v. 2, n.71, p.80-976.2018.

Downloads

Publicado

2021-01-14

Como Citar

Silva, H. E. O. da ., Morais, T. O. F. . . ., Babachinas, I. S. ., de Oliveira, C. C., & Penha, J. R. L. (2021). USO DE METODOLOGIAS ATIVAS ENTRE OS ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM PARA A PRÁXIS DE SAÚDE MENTAL. BIOMOTRIZ, 14(4), 76-88. https://doi.org/10.33053/biomotriz.v14i4.259

Edição

Seção

Artigos