NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA, USO DE MEDICAMENTOS E COMORBIDADES EM PACIENTES DIABÉTICOS DO TIPO II

Autores

  • Patrícia Maiara Goulart da Silva UNIJUÍ
  • Moane Marchesan Krug UNIJUÍ

DOI:

https://doi.org/10.33053/biomotriz.v14i4.328

Resumo


O Diabetes Mellitus do tipo II é uma doença crônica e de ordem metabólica, possui ação silenciosa e pode provocar complicações graves, gerando altos custos à saúde pública para seu manejo. Em contrapartida, a prática de atividade física é vista como uma estratégia fundamental e eficaz no processo terapêutico de diabéticos do tipo II. Com base nisso, o presente estudo teve como objetivo verificar a associação entre o nível de atividade física e o uso de procedimentos e medicamentos financiados pelo Sistema Único de Saúde - SUS em pacientes com Diabetes Mellitus do tipo II, usuários de uma Estratégia de Saúde da Família - ESF. Para tanto, foi realizada uma pesquisa de abordagem quantitativa, do tipo descritiva. A amostra foi composta por 34 indivíduos, 58,8% do sexo feminino e 42,2% do sexo masculino, na faixa etária entre 61 e 70 anos, todos portadores de Diabetes Mellitus do tipo II e usuários da ESF Assis Brasil, localizada na cidade de Ijuí/RS. Foram utilizados dois instrumentos para a coleta de dados, um deles com questões sociodemográficas e específicas do diabetes, e a versão curta do Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) para avaliar o nível de atividade física da população. Os resultados mostraram que os sujeitos considerados ativos apresentaram menor número de doenças (p=0,017), quando comparados aos sujeitos inativos. Ainda, a maior parte da amostra (n= 25) adquire os fármacos para o tratamento do DM II e comorbidades pela Farmácia Popular do SUS. Foi possível concluir que o nível de atividade física reduz o número de comorbidades e o uso de medicamentos financiados pelo SUS em diabéticos do tipo II, usuários de uma Estratégia de Saúde da Família da cidade de Ijuí.

Referências

ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE DIABETES. Padrões de atendimento médico em diabetes. Diabetes Care, v. 42, n. 1, p. 1-193, janeiro, 2019.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. A vigilância, o controle e a prevenção das doenças crônicas não transmissíveis. DCNT no contexto do Sistema Único de saúde brasileiro – Situação e desafios atuais. Brasília, DF: OPAS, p. 80, 2005.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Brasília, DF, p. 276, 2019.

DEL DUCA, Giovâni F.; RIBEIRO, Edinéia A. G. Atividade Física e Diabetes. In: DEL DUCA, Giovâni F.; NAHAS, Markus V. (Org.). Atividade Física e doenças crônicas: Evidências e Recomendações para um estilo de vida ativo. 5 ed. Londrina: Midiograf, 2010, p. 65-77.

FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE DIABETES. Atlas de Diabetes da IDF, 9ª edn. Bruxelas, Bélgica: 2019. Disponível em: <https://www.diabetesatlas.org>. Acesso em 03 abril 2020.

GARCIA, Carina; FISHER, Maiara Q.; POLL, Fabiana A. Estado nutricional e comorbidades associadas ao diabetes mellitus tipo 2 no idoso. Estudos interdisciplinares sobre envelhecimento. Porto Alegre, v. 21, n. 1, p. 205-216, 2016.

LAGO, Cledir et al. Relação do nível de atividade física habitual e consumo de medicamentos em usuários do Sistema Único de Saúde. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, v. 21, n. 4, p. 371-378, 2016. Disponível em: <https://www.rbafs.org.br/RBAFS/article/view/6718/pdf>. Acesso em: 09 jun. 2020.

NAHAS, Markus V. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. 5 ed. Londrina: Midiograf, 2010.

NETO, Eduardo S. Atividade Física para Diabéticos. Rio de Janeiro: Sprint, 2000.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Atividade física. 2018. Disponível em: <https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5692:oms-lanca-plano-de-acao-global-sobre-atividade-fisica-para-reduzir-comportamento-sedentario-e-promover-a-saude&Itemid=839>. Acesso em: 14 jun 2020.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Determinantes Sociais e Riscos para a Saúde, Doenças Crônicas não transmissíveis e Saúde Mental. 2018. Disponível em: <https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5692:oms-lanca-plano-de-acao-global-sobre-atividade-fisica-para-reduzir-comportamento-sedentario-e-promover-a-saude&Itemid=839>. Acesso em: 12 maio 2020.

SANTOS, Mauricio; MATSUDO, Victor K. R. Atividade Física e uso de medicamentos. Revista Diagnóstico e Tratamento, v. 23, n. 4, p. 152-159, 2018. Disponível em: < http://docs.bvsalud.org/biblioref/2019/04/987490/rdt_v23n4_152-159.pdf>. Acesso em: 05 jun. 2020.

VILELA, Andreia M. M. Programa de exercício físico regular de 32 semanas, para uma prevenção primária e secundária da diabetes mellitus do tipo 2. 2016. 64 f. Dissertação (Mestrado), Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança, Bragança, SP, 2016.

ZAGO, Anderson. Exercício físico e o processo saúde-doença no envelhecimento. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, vol. 13, n. 1, p. 153-158, 2010.

Downloads

Publicado

2021-01-14

Como Citar

Maiara Goulart da Silva, P., & Marchesan Krug, M. (2021). NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA, USO DE MEDICAMENTOS E COMORBIDADES EM PACIENTES DIABÉTICOS DO TIPO II. BIOMOTRIZ, 14(4), 04-09. https://doi.org/10.33053/biomotriz.v14i4.328

Edição

Seção

Doenças Crônicas e Atividades Físicas