ANÁLISE DOS MEDICAMENTOS ANTI-HIPERTENSIVOS DISPENSADOS PELO PROGRAMA FARMÁCIA POPULAR EM UMA FARMÁCIA COMUNITÁRIA ENTRE 2015 E 2019

Autores

  • Taynan Larissa Diehl Maycá Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul
  • Vanessa Adelina Casali Bandeira Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí)

DOI:

https://doi.org/10.33053/biomotriz.v15i1.474

Palavras-chave:

Acesso a medicamentos essências e tecnologias em saúde, Hipertensão, Uso de Medicamentos, Serviços Comunitários de Farmácia.

Resumo

O Programa Farmácia Popular do Brasil (PFPB) criado em 2004 e posteriormente ampliado para as farmácias privadas, oferta medicamentos gratuitos para as principais doenças crônicas e garante acesso ao tratamento a milhares de brasileiros. O presente estudo tem como objetivo avaliar a dispensação de anti-hipertensivos por meio do PFPB, em uma farmácia comunitária no município de Ijuí entre 2015 a 2019. Estudo transversal, descritivo e quantitativo, com dados coletados pelo acesso aos relatórios mensais dos anti-hipertensivos dispensados de forma gratuita pelo PFPB em uma farmácia comunitária de Ijuí-RS. A análise foi realizada pela quantidade mensal, em caixas de 30 comprimidos, de anti-hipertensivos dispensados entre 2015 a 2019. Verificou-se no período analisado a dispensação de 31.283 caixas de antidepressivos, totalizando 938.490 comprimidos. Em média foram dispensados no período 521 caixas/mês, com aumento nos últimos três anos. O enalapril foi o anti-hipertensivo mais dispensado (42,5%), seguido por hidroclorotiazida 19,9% e losartana 17,4%. O valor repassado pelo governo para a farmácia em estudo para o pagamento dos anti-hipertensivos dispensados foi de R$ 151.153,80 com média de R$30.230,76±4.263,68 por ano. As variações na dispensação avaliando cada mês do ano, verificou-se média de 2.606,9±201,4 caixas por mês, com menor número de dispensação em fevereiro (2.190) caixas e outubro com a maior de (2.868) caixas. Evidencia-se com o presente estudo que que houve um aumento na dispensação de anti-hipertensivos ao longo dos anos, e o PFPB tem se tornado cada vez mais conhecido pela população, devido ao fácil acesso aos medicamentos.

Biografia do Autor

Taynan Larissa Diehl Maycá, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Farmacêutica pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí)

Vanessa Adelina Casali Bandeira, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí)

Farmacêutica mestre, docente da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí)

Referências

ALMEIDA, A. T. C. et al. Impacto do Programa Farmácia Popular do Brasil sobre a saúde de

pacientes crônicos. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 53, n.20, jan., 2019. Disponível

em: https://www.scielo.br/pdf/rsp/v53/pt_1518-8787-rsp-53-20.pdf. Acesso em: 3 mai. 2020.

BRASIL, Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Programa Farmácia Popular do Brasil. Brasília: Ministério da saúde, 2016a. Disponível em: https://www.conass.org.

br/wp-content/uploads/2017/01/2-b.pdf. Acesso em: 31 mai. 2020

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Farmácia Popular. Brasília: Ministério da Saúde,

Disponível em: https://antigo.saude.gov.br/acoes-e-programas/farmacia-popular/sobre-

-o-programa. Acesso em: 4 abr. 2021.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Lista de Medicamentos Disponibilizados pelo “Aqui

Tem Farmácia Popular”. Brasília: Ministério da Saúde, 2019. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/janeiro/07/Lista-Medicamentos.pdf. Acesso em: 31

mai. 2020.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. MANUAL DE ORIENTAÇÕES ÀS FARMÁCIAS

E DROGARIAS CREDENCIADAS NO “AQUI TEM FARMÁCIA POPULAR”. Brasília: Ministério da Saúde, 2016b Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/

pdf/2016/fevereiro/04/manual-orientacao-port111.pdf. Acesso em: 8 mai. 2020.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. PORTARIA Nº 111, DE 28 DE JANEIRO DE 2016.

Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2016/prt0111_28_01_2016.

html. Acesso em: 5 mai. 2020.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. PORTARIA Nº 739, DE 27 DE MARÇO DE 2018.

Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2018/prt0739_28_03_2018.html.

Acesso em: 4 mai. 2020.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Sobre o Programa Farmácia Popular. Brasília: Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/acesso-a-informacao/

acoes-e-programas/farmacia-popular. Acesso em: 8 mai. 2020.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. PORTARIA Nº 971, DE 15 DE MAIO DE 2012. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0971_15_05_2012.html.

Acesso em: 4 mai. 2020.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de

Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2019: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas

sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças

crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2019. Brasília: Ministério da Saúde, 2020. 137.:il.

CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. RESOLUÇÃO Nº 585 DE 29 DE AGOSTO DE

Disponível em: http://www.cff.org.br/userfiles/file/resolucoes/585.pdf. Acesso em: 26

jun. 2020.

COSTA, K. S. et al. Obtenção de medicamentos para hipertensão e diabetes no Programa Farmácia Popular do Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Epidemiologia e

Serviços de Saúde, Brasília, v. 25, n. 1, p. 33-44, jun., 2016. Disponível em: http://scielo.iec.

gov.br/pdf/ess/v25n1/v25n1a04.pdf. Acesso em: 16 jun. 2020.

ELER, J. F. D. C. et al. Medicamentos anti-hipertensivos dispensados em uma unidade básica

de saúde no município de Ipatinga – MG. Única Cadernos Acadêmicos, Minas Gerais, v. 3,

n. 2, p. 1-13, dez, 2005. Disponível em: http://co.unicaen.com.br:89/periodicos/index.php/

UNICA/article/view/37. Acesso em: 15 jun. 2020.

INSTITUTO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E QUALIDADE - ICTQ. Lei 13.021 Sobre A

Farmácia Como Estabelecimento De Saúde, Comentada. São Paulo: ICTQ, 2014. Disponível em: https://www.ictq.com.br/varejo-farmaceutico/931lei-13-021-sobre-a-farmacia-como-

-estabelecimento-de-saudecomentada#:~:text=Com%20base%20no%20disposto%20na,servi%C3%A7os%20de%20sa% C3%BAde%2C%20como%20mencionado. Acesso em: 17 jun.

INSTITUTO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E QUALIDADE - ICTQ. O Programa Farmácia Popular E O Farmacêutico. São Paulo: ICTQ, 2018. Disponível em: https://www.ictq.

com.br/varejo-farmaceutico/822-o-programa-farmaciapopular-e-o-farmaceutico. Acesso em:

jun. 2020.

KATZUNG, B. G., MASTERS, A. V., TREVOR, A. J. Farmacologia básica e clínica. 12ª ed.

Porto Alegre: AMGH, 2014.

LEITÃO, V. B. G. et al. Prevalência de uso e fontes de obtenção de medicamentos anti-hipertensivos no Brasil: análise do inquérito telefônico VIGITEL. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 23, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbepid/v23/

-5497-rbepid-23-e200028.pdf. Acesso em: 15 jun. 2020.

LOBO, L. A. C. et al. Tendência temporal da prevalência de hipertensão arterial sistêmica no

Brasil: MAR/2017. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 33, n. 6, 2017. Disponível

em: https://www.scielo.br/pdf/csp/v33n6/1678-4464-csp-33-06-e00035316.pdf. Acesso em:

mai. 2020.

MALAQUIAS, M. V. B. et al. 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Rio de Janeiro, v. 107, n. 3, supl. 3, p. 1-83, 2016. Disponível em:

http://publicacoes.cardiol.br/2014/diretrizes/2016/05_HIPERTENSAO_ARTERIAL.pdf.

Acesso em: 28 jun. 2020.

MATTOSA, L. et al. Assistência farmacêutica na atenção básica e Programa Farmácia Popular: a visão de gestores de esferas subnacionais do Sistema Único de Saúde. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 287-98, jan-mar, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/

sausoc/v28n1/1984-0470-sausoc-28-01-287.pdf. Acesso em: 27 jun. 2020.

NOBRE, F. et al. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Rio de Janeiro, v.95, n. 1, supl. 1, p. 1-51, 2010. Disponível em: http://publicacoes.

cardiol.br/consenso/2010/Diretriz_hipertensao_associados.pdf. Acesso em: 15 jun. 2020.

NOBRE, F. et al. Associações fixas de drogas anti-hipertensivas: vantagens e desvantagens

na prática clínica. Revista Brasileira de Hipertensão, São Paulo, v. 10, n. 4, p. 270-276, set.,

Disponível em: http://departamentos.cardiol.br/dha/revista/104/associacaofixasdedrogas.pdf. Acesso em: 12 jun 2020.

OLIVEIRA, M. A. et al. Acesso a medicamentos para doenças crônicas no Brasil: uma abordagem multidimensional. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 50, supl. 2, mar, 2016.

Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S003489102016000300303&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 3 mai. 2020.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global status report on noncommunicable diseases

Geneva: WHO, 2010. Disponível em: https://www.who.int/nmh/publications/ncd_report2010/en/. Acesso em: 31 mai. 2020.

Downloads

Publicado

2021-07-29

Como Citar

Larissa Diehl Maycá, T. ., & Adelina Casali Bandeira, V. (2021). ANÁLISE DOS MEDICAMENTOS ANTI-HIPERTENSIVOS DISPENSADOS PELO PROGRAMA FARMÁCIA POPULAR EM UMA FARMÁCIA COMUNITÁRIA ENTRE 2015 E 2019. BIOMOTRIZ, 15(1), 194-204. https://doi.org/10.33053/biomotriz.v15i1.474

Edição

Seção

Artigos