ANÁLISE DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PRECOCE E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Autores

  • Antenor Alves Cabral Filho SEDF
  • Joice Stella de Melo Rocha Professora da Educação Básica, Técnica e Tecnológica (EBTT) IFMG- Campus Arcos

DOI:

https://doi.org/10.33053/biomotriz.v15i1.479

Palavras-chave:

Atendimento Educacional Especializado, Educação Precoce, Orientação Pedagógica, Tecnologia Assistiva.

Resumo

O estudo objetivou verificar as orientações pedagógicas para o Atendimento Educacional Especializado – AEE voltadas para o atendimento na modalidade de Educação Precoce, formuladas nos últimos 20 anos (2000 a 2020) e sugerir a inclusão e/ou adoção da Comunicação Aumentativa Alternativa (CAA) já na Educação Precoce para os alunos com TEA, TGD, em uma futura Orientação Pedagógica (OP), com o intuito de melhorar ainda mais a inserção das crianças com deficiência não verbais, na Educação Infantil. O método utilizado foi o de pesquisa documental, com o levantamento das Orientações Pedagógicas da Secretaria de Educação do Distrito Federal (SEDF), para a Educação Precoce, no período dos últimos 20 anos (2000 a 2020). Ficou evidenciado que o Programa de Educação Precoce do Distrito Federal se consolidou e se tornou referência a nível nacional e foi premiado a nível internacional e que suas diretrizes de orientação para desenvolvimento de seu trabalho se alicerçam em duas Orientações Pedagógicas no recorte estabelecido de 20 anos (2000 a 2020). Foi possível notar que a segunda OP, a de 2010 pouco traz no quesito de contribuir para novas práticas pedagógicas no programa e que se subentende que a OP de 2006 ainda norteia todo o funcionamento do programa.

Biografia do Autor

Joice Stella de Melo Rocha, Professora da Educação Básica, Técnica e Tecnológica (EBTT) IFMG- Campus Arcos

Professora da Educação Básica, Técnica e Tecnológica (EBTT) IFMG- Campus Arcos

Referências

Apostila PECS. Disponível em: http://www.universoautista.com.br/pcs.pdf. Acesso em: 05 set. 2020.

BEZ, M. R. Comunicação aumentativa e alternativa para sujeitos com Transtornos Globais do Desenvolvimento na promoção da expressão e intencionalidade por meio de ações mediadoras, 2010. Dissetrtação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

BRAIT, L. F. R. et al. A relação professor/aluno no processo de ensino e aprendizagem. Revista Itinerarius Reflectionis, v. 6, n. 1, 2010.

BRALIC, S.; HABUBSLER, I.; LIRA, I. Estimulacion Temprana. Santiago do Chile: Alfa-Beta, 1979.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei n. 9696/98, de 01 de setembro de 1998. Estabelece a regulamentação do Profissional de Educação Física. Brasília, 1998.

BRASIL. Lei n.13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 26 jun. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura/INEP. O censo escolar brasileiro. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura/INEP. O censo escolar brasileiro. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2017.

BONDY, A.; FROST, L. PECS: the picture exchange communication system. Cherry Hill, NJ: Pyramid Educational Consultants Inc., 1994.

CABRAL FILHO, A. A. Conhecimento e o grau de formação dos professores licenciados em Educação Física sobre a saúde do escolar, 2014. 36 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Educação Física) - Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2014.

CABRAL FILHO, A. A. O tempo de formação dos professores de Educação Física e o conhecimento sobre a saúde do aluno, 2015. 38 f. TCC (Bacharelado em Educação Física) - Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2015.

CABRAL FILHO, A. A. Conceito dos professores de atendimento educacional especializado atuantes no Ensino Médio sobre a inclusão escolar, 2019. 38 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Pós-Graduação Latu Sensu em Educação Física) - Universidade de Brasília, Brasília, 2019.

CAMPOS, D. de L. Educação precoce: perspectivas legais e práticas pedagógicas, 2014.

CARVALHO GOMES, R. C.; NUNES, D. R. P. Interações comunicativas entre uma professora e um aluno com autismo na escola comum: uma proposta de intervenção. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 40, n. 1, p. 143-161, jan./mar. 2014.

Cresce o número de estudantes com necessidades especiais. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2019-01/cresce-o-numero-de-estudantes-com-necessidades-especiais. Acesso em: 29 jul. 2020.

EVARISTO, F. L. Formação de aplicadores e interlocutores na utilização do PECS-Adaptado para crianças/adolescentes com autismo, 2016. 148 f. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Programa de Pós-graduação em Educação Especial. Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2016.

FEDERAL, DISTRITO. Lei n. 5.499, de 14 de julho de 2015. Diário Oficial do Distrito Federal. Aprova o Plano Distrital de Educação–PDE e dá outras providências. Brasília: DF, 2015.

FEDERAL, DISTRITO. Diário Oficial. CEP, v. 168, p. 29, 2018.

FEDERAL, DISTRITO. Orientação Pedagógica Atendimento Educacional Especializado À Criança de 0 a 3 Anos–Precoce. Brasília: DF, 2005.

FEDERAL, DISTRITO. Orientação Pedagógica do Ensino Especial. Brasília: DF, 2010.

FEDERAL, DISTRITO. Regimento Escolar da Rede Pública de Ensino do Distrito Federal. Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal. Brasília: DF, 2015.

FEDERAL, DISTRITO. Educação Precose do Distrito Federal. Projeto de Orientação e Apoio à Pais de Crianças do Programa de Estimulação Precose da Secretaria do Estado de Educação do Distrito Federal. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2017/25303_13253.pdf. Acesso em: 27 jun. 2020.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOMES, C. G. S.; MENDES, E. G. Escolarização inclusiva de alunos com autismo na rede municipal de ensino de Belo Horizonte. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 16, n. 3, p. 375-396, 2010.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

MACEDO, M. E. L. PECS: Instrumento de comunicação e interacção social para a inclusão da criança com perturbações do espectro do autismo, 2011. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação - Educação Especial: Domínio Cognitivo e Motor) - Universidade Lúsofona de Humanidades e Tecnologia, Lisboa, 2011.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Plano Nacional de Enfrentamento à Microcefalia - Diretrizes de Estimulação Precose, Crianças de zero a 3 Anos com Atraso no Desenvolvimento Neuropsicomotor Decorrente de Microcefalia. Brasília: DF, 2016.

MONTEIRO, A. P. H.; MANZINI, E. J. Mudanças nas concepções do professor do Ensino Fundamental em relação à inclusão após a entrada de alunos com deficiência em sua classe. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 14, n. 1, p. 35-52, 2008.

NETO, V. L. A importância da formação continuada do professor de educação precoce, 2011.

SILVEIRA, F. F.; NEVES, M. M. B. J. Inclusão escolar de crianças com deficiência múltipla: concepções de pais e professores. Psicologia: teoria e pesquisa, v. 22, n. 1, p. 79-88, 2006.

UNESCO, Ministry of Education and Science. Final Report on the World Conference on Special Needs Education: access and quality. Salamanca: Spain, 1994. p. 7-10.

WALTER, C. C. de F. A Adaptação do Sistema PECS de Comunicação para o Brasil: uma Comunicação Alternativa para pessoas com Autismo Infantil. In: MARQUESINE , M. C. et. al. (Org.). Perspectivas Multidisciplinares em Educação Especial. Londrina: Ed. UEL, 1998. p. 277-280.

______. Os efeitos da adaptação do PECS associada ao curriculum funcional natural em pessoas com autismo infantil, 2000. 184 f. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) - Universidade Federal de São Carlos. São Carlos. 2000.

WALTER, C. C. de F.; NUNES, L. R. O. P.: TOGASHI, C. M. Quero conversar com você: comunicação alternativa para alunos com autismo no contexto escolar. In: NUNES, L. R.O.

P.; PELOSI, M. B.; WALTER, C. C. F. de (Org.). Compartilhando experiências: ampliando a comunicação alternativa. Marília: ABPEE, 2011. 194p.

Downloads

Publicado

2021-10-15

Como Citar

Alves Cabral Filho, A., & Stella de Melo Rocha, J. (2021). ANÁLISE DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PRECOCE E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA . BIOMOTRIZ, 15(1), 317-332. https://doi.org/10.33053/biomotriz.v15i1.479

Edição

Seção

Artigos