NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA HABITUAL EM PARTICIPANTES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM SAÚDE: UM ESTUDO LONGITUDINAL

Autores

  • Fábio José Antônio da Silva Programa de Pós-graduação em Educação Física. Universidade Estadual de Londrina – UEL.
  • LUCIO MARQUES VIEIRA-SOUZA Programa de Pós-graduação em Educação Física. Universidade Federal de Sergipe – UFS.

DOI:

https://doi.org/10.33053/biomotriz.v15i1.524

Palavras-chave:

Nível de Atividade Física Habitual, Residência em Saúde, Serviços de Saúde

Resumo

O presente estudo tem como objetivo investigar o nível de atividade física habitual (NAFH) entre residentes em saúde de três programas oferecidos por uma Autarquia de Saúde de um município do Norte do Paraná. É um estudo de caráter longitudinal, quantitativo e desenvolvido junto a 25 profissionais residentes de seis categorias profissionais distintas em três momentos (2018/2019/2020). Para a avaliação quantitativa utilizou-se o questionário IPAQ, versão curta, como medida subjetiva e medidas de acelerometria, como medida objetiva. Dos resultados e classificação dos residentes, em termos de NAFH, cerca de 56% deles apresentavam no ano de 2018, o mínimo recomendado pela OMS, que é de 150 minutos semanais de atividade física de leve a moderada intensidade, no ano de 2019, 64% atendiam os requisitos mínimos e no término do período de residência (2020), cerca de 72% deles apresentavam atender o mínimo de atividade física semanal. Conclui-se que mesmo havendo um aumento exponencial do NAFH, pode-se verificar que houve um acréscimo de 1,53% do peso corporal entre os residentes o que talvez abra questionamentos para outras áreas como nível de estresse e qualidade nos hábitos alimentares entre eles.

Referências

ARAÚJO, T. A. M. et al. Multiprofessionality and interprofessionality in a hospital residence:

preceptors and residents’ view. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 21,

n. 62, p. 601-13, 2017.

DUVIVIER, B.M. et al. Minimal intensity physical activity (standing and walking) of longer

duration improves insulin action and plasma lipids more than shorter periods of moderate to

vigorous exercise (cycling) in sedentary subjects when energy expenditure is comparable.

PLoS One, San Francisco, v. 8, n. 2, e55542, 2013.

FRANCO, G.P. et al. Qualidade de vida e sintomas depressivos em residentes de enfermagem.

Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 13, n. 2, p.139-144, 2005.

ISMAR LIMA CAVALCANTI et al. Burnout and depression in residents of a Multiprofessional Program in Oncology: a longitudinal prospective study. REVISTA BRASILEIRA DE

EDUCAÇÃO MÉDICA. 42 (1) : 188-196; 2018.

JEFFERIS, B.J. et al. Objectively measured physical activity, sedentary behaviour and all-

-cause mortality in older men: does volume of activity matter more than pattern of accumulation? British Journal Sports Medicine, London, v. 53, p. 1013-1020, 2019.

KATZMARZYK, P.T. et al. 2018 PHYSICAL ACTIVITY GUIDELINES ADVISORY

COMMITTEE*. Sedentary Behavior and Health: Update from the 2018 Physical Activity

Guidelines Advisory Committee. Medicine Science Sports Exercise, Indianapolis, v. 51, n.

, p. 1227-1241, 2019.

LOURENÇÃO, L.G.; MOSCARDINI, A.C.; SOLER, Z.A.S.G. Saúde e qualidade de vida de

médicos residentes. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 56, n. 1, p. 81-

, 2010.

MOREIRA, A.P. et al. Avaliação da qualidade de vida, sono e síndrome de burnout dos residentes de um programa de residência multiprofissional em saúde. Medicina (Ribeirão Preto), Ribeirão Preto, v. 49, n. 5, p. 393-402, 2016.

RODRIGUES, T.F. Residências multiprofissionais em saúde: formação ou trabalho? Serviço

Social & Saúde, Campinas, v. 15, n.1, p. 71-82, 2016.

SASAKI J., et al. Orientações para utilização de acelerômetros no Brasil. Revista Brasileira

de Atividade Física e Saúde, v. 22, n. 2, p. 110-126, 2017.

SILVA, J.C.; et al. Perception of the residents about their performance in the multidisciplinary

residency program. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 28, n.2, p. 132-8, 2015.

SILVA, P. M. G. da; KRUG, M. M. Nível de atividade física, uso de medicamentos e comorbidades em pacientes diabéticos do tipo II. Biomotriz, Cruz Alta/RS, v. 14, n. 4, p. 04-09,

SOARES, R.S.A. et al. Vivências de Residentes Enfermeiros no Programa de Residência

Multiprofissional em Saúde. Saúde, Santa Maria, v. 43, n.1, p. 13-21, 2017.

Downloads

Publicado

2021-12-20

Como Citar

José Antônio da Silva, F. ., & VIEIRA-SOUZA, L. M. (2021). NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA HABITUAL EM PARTICIPANTES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM SAÚDE: UM ESTUDO LONGITUDINAL. BIOMOTRIZ, 15(1), 364-370. https://doi.org/10.33053/biomotriz.v15i1.524

Edição

Seção

Artigos