MARCADORES DE COESÃO DE GRUPO NA GINÁSTICA ARTÍSTICA: EXISTEM DIFERENÇAS ENTRE RAPAZES E MOÇAS?

Autores

  • Ivan Tertuliano Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo-SP
  • José Maria Montiel Universidade São Judas Tadeu, Instituto de Psicologia
  • Vivian de Oliveira Centro Universitário IESB, Brasília, DF.
  • Douglas Versuti Arantes Alvarenga Centro Universitário Adventista de São Paulo, São Paulo, Brasil.
  • Bruna Alves Santana Centro Universitário Adventista de São Paulo, São Paulo, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.33053/biomotriz.v15i1.532

Palavras-chave:

Coesão de grupo, Ginástica artística, Psicologia do esporte, Ginastas

Resumo

O presente estudo teve o objetivo de investigar a influência do gênero nos níveis de coesão de grupo de atletas de esportes individuais. A amostra do estudo foi composta por conveniência, com a participação de 19 atletas de ginástica artística (esporte individual), com média de idade de 12,74 ± 1,33 anos, todos de uma mesma equipe, divididos em dois grupos: homens e mulheres. Os ginastas responderam ao Questionário de Ambiente de Grupo – QEG. Os resultados de comparação entre homens e mulheres demonstraram que os ginastas apresentaram maiores escores para duas dimensões do instrumento: integração no grupo-tarefa (GI-T) e atração individual para o grupo-social (AI-S), quando comparados às mulheres. Nas análises intragrupo, homens apresentaram elevados escores para três dimensões (GI-T, AI-T - atração individual no grupo-tarefa - e AI-S), ou seja, as dimensões relacionadas à tarefa tiveram maior influência na coesão. Em relação as mulheres, não foram verificadas diferenças significantes entre as dimensões, com todas dimensões influenciando os níveis de coesão. Pode-se concluir que os homens apresentaram maior coesão em duas dimensões do QEG (GI-T e AI-S), quando comparados às mulheres, mas que ambos os grupos apresentaram bons índices de coesão de grupo, pois os escores de todas dimensões foram superiores a cinco.

Biografia do Autor

Ivan Tertuliano, Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo-SP

Doutor. Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo-SP

José Maria Montiel, Universidade São Judas Tadeu, Instituto de Psicologia

Doutor. Universidade São Judas Tadeu, Instituto de Psicologia. 

Vivian de Oliveira, Centro Universitário IESB, Brasília, DF.

Mestra. Centro Universitário IESB, Brasília, DF.

Douglas Versuti Arantes Alvarenga , Centro Universitário Adventista de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Graduado. Centro Universitário Adventista de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Bruna Alves Santana, Centro Universitário Adventista de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Graduada. Centro Universitário Adventista de São Paulo, São Paulo, Brasil. 

Referências

ASAMOAH, B.; GROBBELAAR, H. W. Team cohesion and performance during a university

soccer championship: Two sides of the coin. South African Journal for Research in Sport,

Physical Education and Recreation, Cidade do Cabo, v. 39, n. 1, p. 17–31, 2017. https://doi.

/10.1016/j.aca.2011.06.022

BENSON, A. J. et al. A prospective multilevel examination of the relationship between cohesion and team performance in elite youth sport. Psychology of Sport and Exercise, Atlanta,

v. 27, p. 39–46, 2016. https://doi.org/10.1016/j.psychsport.2016.07.009

CARON, J. G. et al. Paralympic Athlete Leaders’ Perceptions of Leadership and Cohesion.

Journal of Sport Behavior, Mobile, v. 39, n. 3, p. 219–238, 2016. Disponível em:

www.semanticscholar.org/paper/Paralympic-Athlete-Leaders’-Perceptions-of-and-Caron-Bloo

m/9b950b9fb1c4d286bea3020190f85c6c313b0294#references>

CARRON, A. V. Cohesiveness in sport groups: interpretations and considerations. Journal

of Sport and Exercise Psychology, Birmingham, v. 4, n. 2, p. 123–138, 1982. https://doi.

org/10.1123/jsp.4.2.123

CARRON, A. V.; BRAWLEY, L. R.; WIDMEYER, W. N. The measurement of cohesiveness

in sport groups. Advances in sport and exercise psychology measurement, Morgantown, v.

, n. 7, p. 213–226, 1998. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/2924223/>

CARRON, A. V. et al. Cohesion and Performance in Sport: A Meta Analysis. Journal of

Sport and Exercise Psychology, London, v. 24, n. 2, p. 168–188, 2002. Disponível em:

<http://journals.humankinetics.com/doi/10.1123/jsep.24.2.168>

CARRON, A. V.; HAUSENBLAS, H. A.; EYS, M. A. Group Dynamics in Sport. 3. ed.

Morgantown: Fitness Information Technology, 2005.

CARRON, A. V.; WIDMEYER, W. N.; BRAWLEY, L. The Development of an Instrument to

Assess Cohesion in Sport Teams: The Group Environment Questionnaire. Journal of Sport

Psychology, London, v. 7, n. 3, p. 244–266, 1985. https://doi.org/10.1123/jsp.7.3.244

CARUZZO, N. M. et al. Motivação para a prática de atividades esportivas em escolares da

região noroeste do Paraná. Corpoconsciência, Cuiabá, v. 21, n. 3, p. 46–57, 2017. Disponível

em: <http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/5683>

CRONIN, L. D. et al. Transformational leadership and task cohesion in sport: The mediating

role of inside sacrifice. Journal of Sport and Exercise Psychology, London, v. 37, n. 1, p.

–36, 2015. https://doi.org/10.1123/jsep.2014-0116

EYS, M. A. et al. Coach-initiated motivational climate and cohesion in youth sport. Research

Quarterly for Exercise and Sport, London, v. 84, n. 3, p. 373–383, 2013. https://doi.org/10.

/02701367.2013.814909

FESTINGER, L.; SCHACTER, S.; BACK, K. Social processes in informal groups. Stanford: Stanford University Press, 1950.

FIELD, A. Descobrindo a estatística usando o SPSS. São Paulo: Bookman, 2009.

FIORESE, L. et al. Associação entre motivação e coesão de grupo no futebol profissional: o

relacionamento treinador-atleta é um fator determinante? Revista de Psicología del Deporte,

Barcelona, v. 27, n. suppl 1, p. 51–57, 2017. Disponível em: <https://ddd.uab.cat/pub/revpsidep/revpsidep_a2018v27n4/revpsidep_a2018v27n4p51.pdf>

GOMES, A. R.; MACHADO, A. A. Liderança, coesão e satisfação em equipas de voleibol

portuguesas: Indicações da investigação e implicações práticas. In: BRANDÃO, R. M. F.;

MACHADO, A. A. (Eds.). O Voleibol e a psicologia do esporte. São Paulo: Atheneu, 2010.

p. 187–218.

GOMES, A. R.; PEREIRA, A. P.; PINHEIRO, A. R. Liderança, coesão e satisfação em equipas desportivas: um estudo com atletas Portugueses de futebol e futsal. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 21, n. 3, p. 482–491, 2008. https://doi.org/10.1590/S0102-

GONZALEZ, F. J. Sistema de classificação de esportes com base nos critérios: cooperação,

interação com o adversário, ambiente, desempenho comparado e objetivos táticos da ação.

Lecturas: Educación Física y Deportes, Buenos Aires, v. 10, n. 71, p. 1–5, 2004. Disponível

em: <https://www.efdeportes.com/efd71/esportes.htm>. Acesso em: 13 ago. 2020.

GREEN, S. B.; SALKIND, N. J.; AKEY, T. M. Using SPSS for windows: analyzing and

understanding data. 2. ed. New Jersey: Prentice Hall, 2000.

HOPKINS, W. G. A scale of magnitudes for effect statistics. 2002. Disponível em:

www.sportsci.org/resource/stats/index.html>. Acesso em: 12 set. 2017.

LEITE, M. A. F. J. et al. Nível de coesão grupal e satisfação de atletas de rugby. Coleção

Pesquisa em Educação Física, Várzea Paulista, v. 14, n. 3, p. 125–132, 2015. Disponível em:

<https://www.researchgate.net/publication/277878890_Nivel_de_coesao_grupal_e_satisfacao_de_atletas_de_rugby>

MORÃO, K. G. et al. Estudo exploratório da Coesão em atletas juniores de futebol.

Educación Física y Ciencia, Buenos Aires, v. 21, n. 2, p. e082, 2019. https://doi.org/10.24215/23142561e082

NASCIMENTO JUNIOR, J. R. A.; BALBIM, G. M.; VIEIRA, L. F. Coesão de grupo em

equipes adultas de voleibol do estado do Paraná. Revista Psicologia: Teoria e Prática, São

Paulo, v. 15, n. 1, p. 105–115, 2013. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872013000100009>

NASCIMENTO JUNIOR, J. R. A. et al. Análise das relações entre ansiedade estado e coesão

de atletas de handebol. Revista Psicologia: Teoria e Prática, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 89–102,

a. https://doi.org/10.15348/1980-6906/psicologia.v18n2p89-102

NASCIMENTO JUNIOR, J. R. A. et al. Propriedades psicométricas do questionário de

ambiente de grupo (GEQ) para o contexto do futebol e futsal de alto rendimento. Revista da

Educação Física da UEM, Maringá, v. 27, n. 1, p. 2742, 2016b. https://doi.org/10.4025/jphyseduc.v27i1.274

NASCIMENTO JUNIOR, J. R. A.; VIEIRA, L. F. Liderança do técnico e coesão de grupo:

um estudo com equipes profissionais de futsal. Revista Brasileira de Ciência e Movimento,

Brasília, v. 20, n. 2, p. 84–90, 2012. https://doi.org/10.18511/rbcm.v20i2.3067

______. Coesão de grupo e liderança do treinador em função do nível competitivo das equipes: Um estudo no contexto do futsal paranaense. Revista Brasileira de Cineantropometria

e Desempenho Humano, Florianópolis, v. 15, n. 1, p. 89–102, 2013. https://doi.org/10.5007/

-0037.2013v15n1p89

NASCIMENTO JUNIOR, J. R. A. et al. Validação do Questionário de Ambiente de Grupo

(GEQ) para a língua portuguesa. Motriz, Rio Claro, v. 18, n. 4, p. 770–782, 2012. https://doi.

org/10.1590/S1980-65742012000400015

NASCIMENTO JUNIOR, J. R. A. et al. Nível de satisfação do atleta e coesão de grupo em

equipes de futsal adulto. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, Florianópolis, v. 13, n. 2, p. 138–144, 2011. https://doi.org/10.5007/1980-0037.2011v13n2p138

PAES, M. J. et al. Frequência, intensidade e direção da ansiedade e sua relação com a coesão

grupal em uma equipe de voleibol infanto-juvenil masculina. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte, Brasília, v. 6, n. 3, p. 46–56, 2016. https://doi.org/10.31501/rbpe.v6i3.7276

PARLEBAS, P. J. Juego deporte y sociedad: Léxico de praxiología motriz. Barcelona: Paidotribo, 2001.

RIBEIRO, C. C. Qualidade da relação treinador-atleta em contextos desportivos: Relações com fatores de grupo e diferenças em função do sexo. 2016. 31p. Dissertação (Mestrado

em Psicologia aplicada) - Escola de Psicologia, Universidade do Minho, Braga, 2016.

SILVA, P. M. T. J. Relação entre a coesão de grupo e a ansiedade pré-competitiva. 2015.

p. Dissertação (Mestrado em Psicologia do desporto e exercício) - Instituto Politécnico de

Santarém, Escola Superior de Desporto de Rio Maior, Rio Maior, 2015.

SILVEIRA, F. J. T.; OLIVEIRA, L. P. A coesão de grupo realacionada à satisfação das necessidades básicas no esporte em karatecas. Revista Cesumar, Maringá, v. 22, n. 1, p. 7–17,

https://doi.org/10.17765/1516-2664.2017v22n1p7-17

TAGHIZADEH, F.; SHOJAIE, M. Comparing Emotional Intelligence and Team Cohesion of

Elite and Amateur Table Tennis Players. Advances in Applied Science Research, London, v.

, n. 6, p. 3633–3639, 2012. Disponível em: <https://www.imedpub.com/articles/comparing-

-emotional-intelligence-and-team-cohesion-of-elite-and-amateurtable-tennis-players.pdf>

TENENBAUM, G.; EKLUND, R. C. (EDS.). Handbook of Sport Psychology. 3. ed. Chichester: John Wily & Sons, 2007.

TERTULIANO, I. W. et al. Coesão de grupo em categorias de base do futebol. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, v. 27, n. 2, p. 37–47, 2019. https://doi.org/10.18511/

rbcm.v27i2.9319

TERTULIANO, I. W.; MACHADO, A. A. Psicologia do Esporte no Brasil: conceituação

e o estado da arte. Pensar a Prática, Goiânia, v. 22, n. 53382, p. 1–9, 2019. https://doi.

org/10.5216/rpp.v22.53382

VIEIRA, L. F.; NASCIMENTO JUNIOR, J. R. A.; VIEIRA, J. L. L. O estado da arte da pesquisa em Psicologia do Esporte no Brasil. Revista de Psicología del Deporte, Barcelona, v.

, n. 2, p. 501–507, 2013. https://doi.org/10.1590/S0102-37722010000500004

WEINBERG, R. S.; GOULD, D. Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício. 6.

ed. Porto Alegre: ArtMed, 2017.

XAVIER, G. H. C. et al. Coesão de grupo no Basquetebol: olhares nas categorias de base.

Arquivos de Ciências da Saúde da UNIPAR, Umuarama, v. 24, n. 1, p. 53–59, 2020. https://

doi.org/10.25110/arqsaude.v24i1.2020.7487

Downloads

Publicado

2021-11-03

Como Citar

Tertuliano, I., Montiel, J. M., de Oliveira, V., Alvarenga , D. V. A. ., & Santana, B. A. (2021). MARCADORES DE COESÃO DE GRUPO NA GINÁSTICA ARTÍSTICA: EXISTEM DIFERENÇAS ENTRE RAPAZES E MOÇAS?. BIOMOTRIZ, 15(1), 333-345. https://doi.org/10.33053/biomotriz.v15i1.532

Edição

Seção

Artigos