UM PROTOCOLO DE OXIGENOTERAPIA EM UTI NEONATAL DE UM HOSPITAL PÚBLICO

Autores

  • Júlia de Cássia Oliveira Alcântara HUB

DOI:

https://doi.org/10.33053/biomotriz.v16i1.579

Palavras-chave:

Oxigenoterapia. Terapia Intensiva Neonatal. Neonatologia.

Resumo

Introdução: No período neonatal, os bebês podem necessitar de oxigenoterapia. Para uma assistência adequada e segura, são desenvolvidos protocolos baseado em evidências. O objetivo do estudo foi criar um protocolo de utilização de oxigenoterapia em uma UTI neonatal de um hospital público de Brasília. Metodologia: Foi realizada uma revisão nas bases de dados SciELO, BIREME, UpToDate e PubMed associando os seguintes termos: oxigenoterapia e terapia intensiva neonatal, nas línguas portuguesa, inglesa e espanhola. Após a leitura dos artigos selecionados, foi elaborado um protocolo de oxigenoterapia neonatal. Resultados: Um dos objetivos da oxigenoterapia em neonatos é manter a adequada oxigenação dos tecidos, monitorando a SpO2 alvo e controlando para evitar hipóxia e hiperóxia. A hipóxia pode causar, por exemplo, um aumento da mortalidade e prejuízo do desenvolvimento neurológico, já a hiperóxia pode gerar um risco aumentado de displasia broncopulmonar e retinopatia da prematuridade, dentre outras doenças.  As interfaces de oxigenoterapia neonatal são a cânula nasal, o Hood e o oxigênio livre em máscara facial. A escolha da interface depende de fatores como a idade gestacional, tolerância do bebê e FiO2 necessária. Considerações Finais: A equipe multidisciplinar é responsável pelo manejo e vigilância da oxigenoterapia, controlando a oferta de oxigênio de acordo com a SpO2 alvo individualizada do neonato.

Referências

ALONSO, A. S. et al. Epidemiología y factores de riesgo asociados a displasia

broncopulmonar en prematuros menores de 32 semanas de edad gestacional. Anales de

Pediatría, 2021. p. 1-10. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/

S1695403321001533. Acesso em: 01 dez. 2021.

ARAÚJO, A. T. C. et al. Fatores associados ao atraso do desenvolvimento motor de crianças

prematuras internadas em unidade de neonatologia. Revista Brasileira de Saúde Materno

Infantil, 2013. v. 13, n. 2, p. 119-128. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbsmi/a/

GCjQdW7LdGyDjV6gsRwCFZC/?lang=pt. Acesso em: 01 dez. 2021.

BRASIL, Ministério da Saúde. Atenção à saúde do recém-nascido guia para os

profissionais de saúde: problemas respiratórios, cardiocirculatórios, metabólicos,

neurológicos, ortopédicos e dermatológicos. Brasília, 2014. v. 3, ed. 2, p. 11-59. Disponível

em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_saude_recem_nascido_v3.pdf.

Acesso em: 20 out. 2021.

BRASIL, Ministério da Saúde. Portaria n° 930, de 2012. Define as diretrizes e objetivos para

a organização da atenção integral e humanizada ao recém-nascido grave ou potencialmente

grave e os critérios de classificação e habilitação de leitos de Unidade Neonatal no âmbito do

Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, 2012. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/

bvs/saudelegis/gm/2012/prt0930_10_05_2012.html. Acesso em: 20 out. 2021.

BRASIL, Ministério da Saúde. Banco de dados do Sistema Único de Saúde - DATASUS.

Informações de Saúde, Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos. Disponível em http://

tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinasc/cnv/nvuf.def. Acesso em: 01 dez. 2021.

CHEN, J. S. et al. Quantification of Early Neonatal Oxygen Exposure as a Risk Factor for

Retinopathy of Prematurity Requiring Treatment. Ophthalmology Science, 2021. v. 1, n. 4, p.

-8. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2666914521000683.

Acesso em: 01 dez. 2021.

CRUZ, V. O. O. et al. Monitorização da oferta do oxigênio suplementar em neonatos: desafios

e potências. Revista Rene, 2019. v. 20, p. 1-8. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/

bitstream/riufc/45808/1/2019_art_voocruz.pdf. Acesso em: 20 out. 2021.

CUMMINGS, J. J.; LAKSHMINRUSIMHA, S. Oxygen Saturation Targeting by Pulse

Oximetry (SpO2) in the Extremely Low Gestational Age Neonate (ELGAN): A Quixotic

Quest. Current Opinion in Pediatrics, 2017. v. 29, n. 2, p. 153-158. Disponível em: https://

www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5482503/. Acesso em: 01 dez. 2021.

FAUCI, V. L. et al. Humidifiers for oxygen therapy: what risk for reusable and disposable

devices?. Journal of Preventive Medicine and Hygiene, 2017. v. 58, n. 2, p. E161-E165.

Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5584085/. Acesso em: 20 out.

FIOCRUZ, Portal de Boas Práticas. Principais questões sobre Monitoramento do uso de

oxigênio na unidade neonatal. 2018. Disponível em: https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.

br/atencao-recem-nascido/principais-questoes-sobre-monitoramento-do-uso-de-oxigenio-naunidade-neonatal/. Acesso em: 01 out. 2021.

GONÇALVES, E. et al. Incidence and risk factors for retinopathy of prematurity in a

Brazilian reference service. Sao Paulo Medical Journal, 2014. v. 132, n. 2, p. 85-91.

Disponível em: https://www.scielo.br/j/spmj/a/pqkXZxYz9YHxMNpxmwkj5ZQ/?lang=en.

Acesso em: 01 dez. 2021.

HAKEEM, A. H. A. A. et al. Retinopathy of Prematurity: A Study of Prevalence and Risk

Factors. Middle East African Journal of Ophthalmology, 2012. v. 19, n. 3, p. 289-294.

Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3401797/. Acesso em: 20 out.

KAYTON, A. et al. A review of oxygen physiology and appropriate management of oxygen

levels in premature neonates. Advances in Neonatal Care, 2018. v. 18, n. 2, p. 98-104.

Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5895170/. Acesso em: 01 out.

LIMA, S. S. et al. Aspectos clínicos de recém-nascidos admitidos em Unidade de Terapia

Intensiva de hospital de referência da Região Norte do Brasil. ABCS Health Sciences, 2015.

v. 40, n. 2, p. 62-68. Disponível em: https://www.portalnepas.org.br/abcshs/article/view/732.

Acesso em 20 out. 2021.

MANJA, V. et al. Oxygen saturation target range for extremely preterm infants: a systematic

review and meta-analysis. JAMA Pediatrics, 2015. v. 169, n. 4, p. 332-340. Disponível em:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4388792/. Acesso em 01 out. 2021.

MANLEY, B. J. et al. Nasal High-Flow Therapy for Newborn Infants in Special Care

Nurseries. The New England Journal of Medicine, 2019. v. 380, n. 21, p. 2031-2040.

Disponível em: https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa1812077. Acesso em: 01 out.

MARTIN, R. Neonatal target oxygen levels for preterm infants. UpToDate, 2019.

MARTIN, R.; DEAKINS, K. M. Respiratory support, oxygen delivery, and oxygen

monitoring in the newborn. UpToDate, 2020.

MARTIN, R. J.; FANAROFF, A. A. The Preterm Lung and Airway: Past, Present, and Future.

Pediatrics & Neonatology, 2013. v. 54, n. 4, p. 228-234. Disponível em: https://www.

sciencedirect.com/science/article/pii/S1875957213000363. Acesso em: 01 dez. 2021.

McCLURE, C. et al. Alarms, oxygen saturations, and SpO2 averaging time in the NICU.

Journal of Neonatal-Perinatal Medicine, 2016. v. 9, n. 4, p. 357-362. Disponível em:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5684874/. Acesso em: 20 out. 2021.

MENDONÇA, B. C. A.; ALBUQUERQUE, W. C. S. Relacionar o escore de gravidade

SNAPPE II com a necessidade de assistência ventilatória mecânica e oxigenoterapia: um

estudo de coorte prospectivo. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Fisioterapia)-

Faculdade Pernambucana de Saúde, Recife, 2016.

MIKALSEN, I. B. et al. High flow nasal cannula in children: a literature review.

Scandinavian Journal of Trauma, Resuscitation and Emergency Medicine, 2016. v. 24,

n. 93, p. 1-12. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4942966/.

Acesso em: 20 out. 2021.

MOORE, T. A. et al. Lung Disease, Oxidative Stress, and Oxygen Requirements in Preterm

Infants. Biological Research For Nursing, 2016. v. 18, n. 3, p. 322-330. Disponível em:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5942488/. Acesso em: 20 out. 2021.

MORETON, R. B. R. et al. The effect of oxygen saturation targeting on retinal blood vessel

growth using retinal image data from the BOOST-II UK Trial. Eye, 2016. v. 30, n. 4, p. 577-

Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4834037/. Acesso em:

dez. 2021.

OKAMOTO, C. T. et al. Retinopatia da prematuridade: análise de uma tentativa de redução

de danos. Revista Brasileira de Oftalmologia, 2019. v. 78, n. 2, p. 117-121. Disponível em:

https://www.scielo.br/j/rbof/a/fPpxd7SygJDKRWzmVvPNn6S/?lang=pt. Acesso em: 01 dez.

OLIVEIRA, A. M. et al. Benefícios da inserção do fisioterapeuta sobre o perfil de

prematuros de baixo risco internados em unidade de terapia intensiva. Revista Fisioterapia

e Pesquisa, 2019. v. 26, n. 1, p. 51-57. Disponível em: https://www.scielo.br/j/fp/a/

ysMMX6w77Ck4nb56NJDTVKL/?lang=pt. Acesso em: 01 dez. 2021.

SALDANHA, J. et al. Recém-Nascido de Muito Baixo Peso numa Unidade de Cuidados

Intensivos Portuguesa Comparativamente ao Vermont Oxford Network: 15 Anos de Registo.

Acta Médica Portuguesa, 2019. v. 32, n. 11, p. 686-692. Disponível em: https://www.

actamedicaportuguesa.com/revista/index.php/amp/article/view/9130/5790. Acesso em: 01

dez. 2021.

SIVANANDAN, S. et al. Target Oxygen Saturation Among Preterm Neonates on

Supplemental Oxygen Therapy: A Quality Improvement Study. Indian Pediatrics, 2018. v.

, n. 9, p. 793-796. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30345988/. Acesso em:

out. 2021.

STARK, A. R.; EICHENWALD, E. C. Bronchopulmonary dysplasia: Management.

UpToDate, 2019.

TAVARES, A. K. et al. Compreensão do enfermeiro sobre o cuidado ao recém-nascido em

oxigenoterapia. Revista Online de Pesquisa, 2019. v. 11, n. 1, p. 31-39. Disponível em:

http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/6444/pdf. Acesso em:

dez. 2021.

TOMÉ, V. A. V. et al. Estudo da retinopatia da prematuridade em um hospital universitário.

Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, 2011. v. 74, n. 4, p. 279-82.

WALKER, P. J. B. et al. Using intermittent pulse oximetry to guide neonatal oxygen therapy

in a low-resource context. Archives of Disease in Childhood, 2020. v. 105, n. 3, p. 316-321.

Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7363784/. Acesso em: 01

dez. 2021.

WANG, J.; DONG, W. Oxidative stress and bronchopulmonary dysplasia. Gene, 2018.

v. 678, p. 177-183. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/

S037811191830893X. Acesso em: 01 dez. 2021.

WARAKOMSKA, M. et al, 2019. Evaluation of two SpO2 alarm strategies during automated

FiO2 control in the NICU: a randomized crossover study. BMC Pediatrics, 2019. v. 19,

n.142, p. 1-8. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6501373/.

Acesso em: 20 out. 2021.

WEN, Z. et al. Is humidified better than non-humidified low-flow oxygen therapy? A

systematic review and meta-analysis. Journal of Advanced Nursing, 2017. v. 73, n. 11, p.

-2533.

ZANTEN, H. A. et al. Improving manual oxygen titration in preterm infants by training and

guideline implementation. European Journal of Pediatrics, 2017. v. 176, n. 1, p. 99-107.

Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5219007/. Acesso em: 20 out.

Downloads

Publicado

2022-03-02

Como Citar

de Cássia Oliveira Alcântara, J. (2022). UM PROTOCOLO DE OXIGENOTERAPIA EM UTI NEONATAL DE UM HOSPITAL PÚBLICO. BIOMOTRIZ, 16(1), 1-11. https://doi.org/10.33053/biomotriz.v16i1.579

Edição

Seção

Artigos