ANÁLISE DO PERFIL CRONOBIOLÓGICO, HÁBITOS DE SONO E HORÁRIOS DE TREINOS DE ATLETAS DE KARATÊ

Autores

  • Matheus Rodrigues UNESPAR-Paranavaí
  • Jaqueline Dias
  • Carlos Alexandre Molena Fernandes

DOI:

https://doi.org/10.33053/biomotriz.v16i1.600

Palavras-chave:

Artes marciais, Relógios biológicos, Sono, Desempenho físico

Resumo

A associação entre o perfil cronobiológico, a qualidade de sono e os horários dos treinos podem se constituir em fatores determinantes para o desempenho esportivo de atletas das diversas categorias esportivas. O objetivo do presente estudo foi analisar o perfil cronobiológico, hábitos de sono e horários de treinos de atletas de karatê, tratando-se de um estudo descritivo, transversal. A amostra foi constituída por 40 atletas de karatê de dois municípios da região noroeste do Paraná. Foram utilizados dois instrumentos de coleta de dados, o questionário de matutinidade – vespertinidade versão de autoavaliação e o questionário de autoavaliação da qualidade e hábitos de sono e rotina de treinos. A coleta de dados ocorreu no período de junho a agosto de 2020 por meio da plataforma Google forms. Através das análises dos resultados concluímos que houve uma predominância de 47,5% dos atletas que se enquadravam no cronotipo intermediário e a percepção da qualidade do sono foi positiva para 85% dos atletas, sendo que 65% deles tem em média sete a oito horas de sono, que para 77,5% é mais profundo e reparador nos dias de treinos. O conhecimento do cronotipo e a qualidade do sono estão ligados diretamente, já que ambos são pilares para se ter um desempenho esportivo mais elevado. Concluímos que os atletas foram classificados predominantemente com cronotipo intermediário e matutino, possuem bons hábitos de sono em relação às horas e a qualidade do sono, especialmente nos dias de treino em que o repouso parece mais restaurador.  

Referências

AFONSO, L. dos S. Cronotipagem de surfistas profissionais brasileiros. Revista da

Universidade Ibirapuera, v. 1, n. 1, p. 63, 2011. Disponível em: http://www.revistaunib.com.

br/vol1/capa.pdf#page=63.

ALMEIDA, I. B. Y. de. Qualidade do sono em mulheres praticantes de exercício físico.

Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Disponível em: http://riut.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/24198/1/CT_COEFI_2019_1_19.pdf.

BERNARDO, V. M. et al. Atividade física e qualidade de sono em policiais militares. Revista

Brasileira de Ciências do Esporte, v. 40, n. 2, p. 131-137, 2018. Disponível em: https://

www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0101328916302128.

BLEYER, F. T. de S. et al. Sono e treinamento em atletas de elite do Estado de Santa Catarina,

Brasil. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 29, n. 2, p. 207-216, 2015.

Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbefe/a/RJb6RVTDdtkCQKYtWjhBG4n/?lang=pt.

BORGES, Y. S. S. de O. et al. Relação entre atividade física e sono: um estudo transversal.

Anais do Seminário Científico do UNIFACIG, n. 4, 2019. Disponível em: file:///C:/Users/

Marcos/Downloads/933-3616-1-PB%20(4).pdf.

CHAPUT, J.-P.; DUTIL, C.; SAMPASA, H. K. Sleeping hours: what is the ideal number and

how does age impact this?. Nature and science of sleep, v. 10, p. 421, 2018. Disponível em:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6267703/.

CLAUDINO, J. G. et al. Which parameters to use for sleep quality monitoring in team sport

athletes? A systematic review and meta-analysis. BMJ open sport & exercise medicine,

v. 5, n. 1, 2019. Disponível em: https://bmjopensem.bmj.com/content/bmjosem/5/1/

bmjsem-2018-000475.full.pdf.

CONSENSUS C. P. et al. Recommended amount of sleep for a healthy adult: a joint

consensus statement of the American Academy of Sleep Medicine and Sleep Research

Society. Journal of Clinical Sleep Medicine, v. 11, n. 6, p. 591-592, 2015. Disponível em:

https://academic.oup.com/sleep/article/38/6/843/2416939.

CRUZ, I.; FRANCO, B.; ESTEVES, A. M. Qualidade do sono, cronotipo e desempenho

em corredores de rua. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 23, n. 6,

p. 483-487, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-

&script=sci_arttext&tlng=pt.

ESTEVES, A. M. et al. Avaliação da qualidade de vida e do sono de atletas

paralímpicos brasileiros. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 21, n.

, p. 53-56, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-

&script=sci_arttext.

FAIRBROTHER, K. et al. Effects of exercise timing on sleep architecture and nocturnal

blood pressure in prehypertensives. Vascular health and risk management, v. 10, p. 691,

Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4270305/.

HALSON, S. L.; JULIFF, L. E. Sleep, sport, and the brain. In: Progress in brain research,

v. 234, p. 13-31, 2017. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Shona_Halson/

publication/318502007_Sleep_sport_and_the_brain/links/5d3f69ada6fdcc370a6bbb21/Sleepsport-and-the-brain.pdf.

HENST, R. H. P. et al. A chronotype comparison of South African and Dutch marathon

runners: The role of scheduled race start times and effects on performance. Chronobiology

international, v. 32, n. 6, p. 858-868, 2015. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/

abs/10.3109/07420528.2015.1048870.

JÚNIOR, L. S.; VIEIRA, F. M. M.; DA SILVA NETO, L. V. Caracterização da sonolência

e qualidade do sono em gêmeos faixas pretas de jiu-jitsu: estudo de caso. Conexões, v. 18,

p. e020036-e020036, 2020.. Disponível em: file:///C:/Users/Marcos/Downloads/8658017-

Texto%20do%20artigo-79279-3-10-20200917%20(1).pdf.

LASTELLA, M. et al. The chronotype of elite athletes. Journal of human kinetics, v. 54, n.

, p. 219-225, 2016. Disponível em: https://content.sciendo.com/view/journals/hukin/54/1/

article-p219.xml.

LAZAI, E. et al. A influência do exercício aeróbico de intensidade moderada na qualidade

do sono: uma revisão narrativa. Caderno de Educação Física e Esporte, v. 18, n. 3, p. 1-9,

Disponível em: file:///C:/Users/Marcos/Downloads/19836-95660-1-PB%20(1).pdf.

LIMA, D. J. de. Karatê-Do como um mecanismo de contenção da agressividade

dos estudantes. 2018. Disponível em: https://repositorio.pucgoias.edu.br/jspui/

bitstream/123456789/2708/1/Monografia_Victor_RAG.pdf

LOPES, B. B. et al. Caracterização do cronotipo de praticantes amadores de corrida de

rua. 2018. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/31618/1/Breno%20

Barreto%20Lopes.pdf.

MEDEIROS, A. de A.; SANTOS, A. da C. Avaliação da qualidade do sono, sonolência diurna,

insônia e cronotipo em atletas de basquete. 2017. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/

jspui/bitstream/123456789/12189/1/AAM22122017.pdf.

PEREIRA, É. F. et al. Sono e adolescência: quantas horas os adolescentes precisam dormir?.

Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v. 64, n. 1, p. 40-44, 2015. Disponível em: https://www.

scielo.br/pdf/jbpsiq/v64n1/0047-2085-jbpsiq-64-1-0040.pdf.

PIRES, J. SAOS em REM e NREM: queixas individuais subjetivas. 2016. Tese de Doutorado.

Instituto Politécnico de Lisboa, Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa.

Disponível em: https://repositorio.ipl.pt/bitstream/10400.21/12106/1/SAOS%20em%20

REM%20e%20NREM_queixas%20individuais%20subjetivas.pdf.

RAE, D. E.; STEPHENSON, K. J.; RODEN, L. C. Factors to consider when assessing diurnal

variation in sports performance: the influence of chronotype and habitual training time-ofday. European Journal of Applied Physiology, v. 115, n. 6, p. 1339-1349, 2015. Disponível

em: https://d1wqtxts1xzle7.cloudfront.net/40540205/Factors_to_consider_when_assessing_

diurn20151201-29774-y6ogos.pdf.

RIBEIRO, M. S. do C. Qualidade do sono em atletas canoístas de alta competição:

a influência do processo de treino, competições e mudanças de ambiente. 2018. Tese

de Doutorado. Disponível em: https://recipp.ipp.pt/bitstream/10400.22/13669/1/DM_

MafaldaRibeiro.pdf.

RODRIGUES, D. F. et al. Sleep quality and psychobiological aspects of Brazilian Paralympic

athletes in the London 2012 pre-Paralympics period. Motriz: Revista de Educação Física,

v. 21, n. 2, p. 168-176, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/motriz/v21n2/1415-

-motriz-21-02-00168.pdf.

ROPKE, L. M. et al. Efeito da atividade física na qualidade do sono e qualidade de vida:

revisão sistematizada. Archives of Health Investigation, v. 6, n. 12, 2018. Disponível em:

https://archhealthinvestigation.emnuvens.com.br/ArcHI/article/view/2258/pdf.

ROSSI, A. et al. The effect of chronotype on psychophysiological responses during aerobic

self-paced exercises. Perceptual and Motor Skills, v. 121, n. 3, p. 840-855, 2015. Disponível

em: https://www.researchgate.net/profile/Jacopo_Vitale/publication/287483406_The_Effect_

of_Chronotype_on_Psychophysiological_Responses_during_Aerobic_Self-Paced_Exercises/

links/56d4428a08ae1f46f7cad238/The-Effect-of-Chronotype-on-PsychophysiologicalResponses-during-Aerobic-Self-Paced-Exercises.pdf

SAGHIR, Z. et al. The Amygdala, Sleep Debt, Sleep Deprivation, and the Emotion of Anger:

A Possible Connection?. Cureus, v. 10, n. 7, 2018. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.

gov/pmc/articles/PMC6122651/.

SANTA CRUZ, R. A. R. Caracterização do padrão de sono de jovens atletas de futsal. RBFFRevista Brasileira de Futsal e Futebol, v. 10, n. 38, p. 359-364, 2018. Disponível em:

file:///C:/Users/Marcos/Downloads/605-Texto%20do%20artigo-2701-1-10-20181021.pdf.

SANTOS, C. M. dos. Percepção da qualidade de sono de uma equipe de atletismo

do município de Criciúma-SC. 2015. Disponível em: http://repositorio.unesc.net/

bitstream/1/3097/1/Caren%20Matos%20dos%20Santos.pdf.

SANTOS, J. A. dos. et al. Produção científica na língua portuguesa sobre o sono em atletas.

Diálogos Interdisciplinares, v. 8, n. 8, p. 74-85, 2019. Disponível em: file:///C:/Users/

Marcos/Downloads/802-Texto%20do%20artigo-2611-1-10-20191211%20(1).pdf.

SAVIKJ, M. et al. Afternoon exercise is more efficacious than morning exercise at

improving blood glucose levels in individuals with type 2 diabetes: a randomised crossover

trial. Diabetologia, v. 62, n. 2, p. 233-237, 2019. Disponível em: file:///C:/Users/Marcos/

Downloads/Savikj2019_Article_AfternoonExerciseIsMoreEfficac.pdf

SILVA, A. L. G. da. Síndrome de Burnout, qualidade do sono e nível de atividade física em

professores universitários. 2019. Trabalho de Conclusão de Curso. Brasil. Disponível em:

https://www.repository.ufrpe.br/bitstream/123456789/758/1/tcc_aurealeticiagomesdasilva.pdf

SILVA, E. de F. O. da. Avaliação da qualidade e duração do sono em atletas

corredores de rua recreacionais. 2017. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/

bitstream/123456789/12191/1/EFOS21022018.pdf.

SILVA, M.-R. G; PAIVA, T. Poor precompetitive sleep habits, nutrients’ deficiencies,

inappropriate body composition and athletic performance in elite gymnasts. European

Journal of Sport Science, v. 16, n. 6, p. 726-735, 2016. Disponível em: https://eg.uc.pt/

bitstream/10316/45875/1/cias2016_64.pdf.

TERMAN, M. et al. Questionário matutino-vespertino. International Journal of

Chronobiology, v. 4, p. 97-100, 1976. Disponível em: https://cet.org/wp-content/

uploads/2018/01/MEQ-SA-PT.pdf.

VITALE, J. A. et al. Chronotype and response to training during the polar night: a pilot study.

International Journal of Circumpolar Health, v. 76, n. 1, p. 1320919, 2017. Disponível

em: https://www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1080/22423982.2017.1320919.

VITALE, K. C. et al. Sleep hygiene for optimizing recovery in athletes: review and

recommendations. International Journal of Sports Medicine, v. 40, n. 8, p. 535, 2019.

Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6988893/.

WORLD KARATE FEDERATION, 2017. Disponível em: https://www.wkf.net/.

YAMANAKA, Y. et al. Morning and evening physical exercise differentially regulate

the autonomic nervous system during nocturnal sleep in humans. American Journal

of Physiology-Regulatory, Integrative and Comparative Physiology, v. 309, n. 9, p.

R1112-R1121, 2015. Disponível em: https://journals.physiology.org/doi/pdf/10.1152/

ajpregu.00127.2015.

Downloads

Publicado

2022-03-16

Como Citar

Rodrigues, M., Dias, J., & Alexandre Molena Fernandes, C. (2022). ANÁLISE DO PERFIL CRONOBIOLÓGICO, HÁBITOS DE SONO E HORÁRIOS DE TREINOS DE ATLETAS DE KARATÊ. BIOMOTRIZ, 16(1), 57-69. https://doi.org/10.33053/biomotriz.v16i1.600

Edição

Seção

Artigos