COMPARAÇÃO DOS NÍVEIS DE ANSIEDADE DE DUAS EQUIPES DE BASQUETEBOL: EXISTE EFEITO DA IDADE E DO MOMENTO DA COMPETIÇÃO?

Autores

  • Ivan Wallan Tertuliano Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo-SP
  • Higor dos Santos de Souza Centro Universitário Adventista de São Paulo
  • Bruna Alves Santana Centro Universitário Adventista de São Paulo
  • Rosana Lopes da Silva Garcia Centro Universitário Ítalo Brasileiro
  • José Maria Montiel Universidade São Judas Tadeu
  • Daniel Bartholomeu Centro Universitário Padre Anchieta

DOI:

https://doi.org/10.33053/biomotriz.v16i1.710

Palavras-chave:

Ansiedade, Ansiedade pré-competitiva, Basquetebol, Psicologia do Esporte

Resumo

O objetivo deste estudo foi verificar o efeito da idade (sub-13 versus sub-15) e do momento da competição (início da temporada versus final da temporada) nos níveis de ansiedade pré-competitiva de atletas de basquetebol. Participaram do estudo, de forma voluntária, 26 atletas federados do sexo masculino de duas categorias: sub-13 (13 atletas) e sub-15 (13 atletas). Os atletas responderam o Competitive State Anxiety Inventory - 2R (CSAI[1]2R) antes da primeira partida da temporada e antes da partida da final da temporada. Os resultados revelaram a inexistência de diferenças entre os grupos para todas as variáveis (ansiedade somática, ansiedade cognitiva e autoconfiança), comparando[1]os no início e no final da temporada. Também foi verificado que os atletas, independente do grupo ou do momento da coleta, apresentam escores elevados de autoconfiança, comparados ao de ansiedade somática e cognitiva. Pode-se concluir que não houve efeito da idade e do momento competitivo para este estudo, pois não houve diferença entre os grupos para nenhuma variável e/ou momento competitivo, e que durante a temporada os dois grupos apresentaram alto escore de autoconfiança e baixo escore de ansiedade (cognitiva e somática), ou seja, pode-se dizer que a autoconfiança atuou como reguladora da ansiedade, como previsto pela teoria multidimensional da ansiedade.

Biografia do Autor

Ivan Wallan Tertuliano, Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo-SP

Doutor. Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo, Brasil.

Higor dos Santos de Souza, Centro Universitário Adventista de São Paulo

Graduado. Centro Universitário Adventista de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Bruna Alves Santana, Centro Universitário Adventista de São Paulo

Graduada. Centro Universitário Adventista de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Rosana Lopes da Silva Garcia, Centro Universitário Ítalo Brasileiro

Mestre. Centro Universitário Ítalo Brasileiro, São Paulo, Brasil.

José Maria Montiel, Universidade São Judas Tadeu

Doutor. Universidade São Judas Tadeu, São Paulo, Brasil.

Daniel Bartholomeu, Centro Universitário Padre Anchieta

Doutor. Centro Universitário Padre Anchieta, Jundiaí, Brasil.

Referências

ALEJO, A. A. et al. Does pre-competitive anxiety interfere in the performance of boxing athletes in brazil? A pilot study. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 139–142, 2020. https://doi.org/10.1590/1517-869220202602218943

ARRUDA, A. F. S. et al. Salivary steroid response and competitive anxiety in elite basketball players: Effect of opponent level. Physiology & behavior, London, v. 177, n. 1, p. 291–296, 2017. https://doi.org/10.1016/j.physbeh.2017.05.017

BERNARDT, A. M.; SEHNEM, S. B. Ansiedade Pré-Competitiva e autoconfiança em modalidade de esporte coletivo. Pesquisa em Psicologia: anais eletrônicos, Joaçaba, p. 37–44, 2017. Disponível em: <https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/pp_ae/article/view/15580>

BIAGGIO, A. M. B.; NATALÍCIO, L.; SPIELBERGER, C. D. Desenvolvimento da forma experimental em português do Inventário de Ansiedade Traço-Estado (IDATE) de Spielberger. Arquivos Brasileiros de Psicologia Aplicada, Rio de Janeiro, v. 29, n. 3, p. 31–44, 1977. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/abpa/article/viewFile/17827/16571>

BOAS, M. S. V. et al. Análise do nível de ansiedade de jovens atletas da Modalidade de Futsal. Conexões, Campinas, v. 10, n. 3, p. 77–86, 2012. https://doi.org/10.20396/conex.v10i3.8637648

BRANDÃO GOMES, T. V. et al. Efeitos do posicionamento e quantidade de prática mental na aprendizagem do arremesso do dardo de salão. Motriz, Rio Claro, v. 18, n. 2, p. 273–279, 2012. https://doi.org/10.1590/S1980-65742012000200007

COELHO, E. M.; VASCONCELOS-RAPOSO, J.; MAHL, A. C. Confirmatory factorial analysis of the Brazilian version of the Competitive State Anxiety Inventory-2 (CSAI-2). The Spanish journal of psychology, Madrid, v. 13, n. 1, p. 453–60, 2010. https://doi.org/10.1017/S1138741600004005

CORRÊA, W. H. Basquete sobre rodas: análise da ansiedade pré-competitiva. Revista da Sobama, Marília, v. 17, n. 2, p. 31–36, 2016. https://doi.org/10.36311/2674-8681.2016.v17n2.05.p31

COWDEN, R. G.; FULLER, D. K.; ANSHEL, M. H. Psychological Predictors of Mental Toughness in Elite Tennis: An Exploratory Study in Learned Resourcefulness and Competitive Trait Anxiety. Perceptual and Motor Skills, Norfolk, v. 119, n. 3, p. 661–678, 2014. https://doi.org/10.2466/30.PMS.119c27z0

COX, R. H.; MARTENS, M. P.; RUSSELL, W. D. Measuring Anxiety in Athletics: The Revised Competitive State Anxiety Inventory–2. Journal of Sport and Exercise Psychology, New Milford, v. 25, n. 4, p. 519–533, 2003. https://doi.org/10.1123/jsep.25.4.519

FERNANDES, M. G. et al. Fatores influenciadores da autoconfiança robusta em atletas amadores brasileiros. Psicologia Argumento, Curitiba, v. 39, n. 104, p. 261–276, 2021. https://doi.org/10.7213/psicolargum.39.104.AO06

FERNANDES, M. G. et al. Factors influencing competitive anxiety in Brazilian athletes. Brazilian Journal of Kinanthropometry and Human Performance, Florianópolis, v. 15, n. 6, p. 705–715, 2013a. https://doi.org/10.5007/1980-0037.2013v15n6p705

FERNANDES, M. G. et al. Efeitos da experiência nas dimensões de intensidade, direção e frequência da ansiedade e autoconfiança competitiva: Um estudo em atletas de desportos individuais e coletivos. Motricidade, Ribeira de Pena, v. 10, n. 2, p. 81–89, 2014. https://doi.org/10.6063/motricidade.10(2).2930

FERNANDES, M. G. et al. The CSAI-2: An Examination of the Instrument’s Factorial Validity and Reliability of the Intensity, Direction and Frequency Dimensions with Brazilian Athletes. Journal of Applied Sport Psychology, London, v. 25, n. 4, p. 377–391, 2013b. https://doi.org/10.1080/10413200.2012.744780

FERNANDES, M. G.; VASCONCELOS-RAPOSO, J.; FERNANDES, H. M. Propriedades Psicométricas do CSAI-2 em Atletas Brasileiros. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 25, n. 4, p. 679–687, 2012. https://doi.org/10.1590/S0102-79722012000400007

FERREIRA, S. C. et al. Comparison of pre-competitive anxiety between futsal players of sub-16 and sub-19 category. Research, Society and Development, Vargem Grande Paulista, v. 10, n. 7, p. e5510716189, 2021. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i7.16189

FIELD, A. Descobrindo a estatística usando o SPSS. São Paulo: Bookman, 2009.

FORTES, L. S. et al. Influence of Competitive-Anxiety on Heart Rate Variability in Swimmers. Journal of Sports Science and Medicine, Bursa Turkey, v. 16, n. 4, p. 498–504, 2017. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/320307421_Influence_of_Competitive-Anxiety_on_Heart_Rate_Variability_in_Swimmers>

FREIRE, G. L. M. et al. Ansiedade em atletas de Jiu-Jitsu: diferenças de acordo com idade e nível competitivo. Research, Society and Development, Vargem Grande Paulista, v. 9, n. 8, p. e743986488, 2020. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i8.6488

GOMES, A. R.; MACHADO, A. A. Liderança, coesão e satisfação em equipas de voleibol portuguesas: Indicações da investigação e implicações práticas. In: BRANDÃO, R. M. F.; MACHADO, A. A. (Eds.). O Voleibol e a psicologia do esporte. São Paulo: Atheneu, 2010. p. 187–218.

GREEN, S. B.; SALKIND, N. J.; AKEY, T. M. Using SPSS for windows: analyzing and understanding data. 2. ed. New Jersey: Prentice Hall, 2000.

GUERRERO, K. B.; FERNANDES, P. T. Ansiedade no basquetebol universitário feminino. Motricidade, Ribeira de Pena, v. 17, p. 1–19, 2021. https://doi.org/10.6063/motricidade.21074

HAGAN, J. E.; POLLMANN, D.; SCHACK, T. Interaction between gender and skill on competitive state anxiety using the time-to-event paradigm: What roles do intensity, direction, and frequency dimensions play? Frontiers in Psychology, Lausanne, v. 8, p. 1–13, 2017. https://doi.org/10.3389/fpsyg.2017.00692

HOPKINS, W. G. A scale of magnitudes for effect statistics. 2002. Disponível em: <http://www.sportsci.org/resource/stats/index.html>. Acesso em: 12 set. 2017.

JONES, G.; SWAIN, A. Intensity and direction dimensions of competitive state anxiety and relationships with competitiveness. Perceptual and motor skills, Norfolk, v. 74, n. 2, p. 467–472, 1992. https://doi.org/10.2466/pms.1992.74.2.467

MACHADO, A. A. Psicologia do esporte: da educação física escolar ao esporte de alto nível. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

MARENUCCI, N. R. et al. Ansiedade pré-competitiva, coesão de grupo e resiliência em atletas de Futsal feminino. Revista Brasileira de Futsal e Futebol, São Paulo, v. 12, n. 48, p. 195–201, 2020. Disponível em: <http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/916>. Acesso em: 5 jan. 2021.

MARTENS, R.; VEALEY, K. S.; BURTON, A. Competitive anxiety in sports. Champaign: Human Kinetics, 1990.

MESQUITA, I. et al. A intervenção pedagógica sobre o conteúdo do treinador de futebol. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 23, n. 1, p. 25–38, 2009. https://doi.org/10.1590/S1807-55092009000100003

MILAVIC, B.; JURKO, D.; GRGANTOV, Z. Relations of competitive state anxiety and efficacy of young volleyball players. Collegium antropologicum, Zagreb, v. 37, n. 2, p. 83–92, 2013. https://doi.org/https://hrcak.srce.hr/102461

NASCIMENTO JUNIOR, J. R. A. et al. Análise das relações entre ansiedade estado e coesão de atletas de handebol. Revista Psicologia: Teoria e Prática, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 89–102, 2016. https://doi.org/10.15348/1980-6906/psicologia.v18n2p89-102

NOGUEIRA, F. C. A. Crença de auto eficácia e ansiedade em atletas de Voleibol. 2016. 115p. Tese (Doutorado em Psicologia) - Instituto de ciências humanas, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2016.

PAES, M. J. et al. Frequência, intensidade e direção da ansiedade e sua relação com a coesão grupal em uma equipe de voleibol infanto-juvenil masculina. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte, Brasília, v. 6, n. 3, p. 46–56, 2016. https://doi.org/10.31501/rbpe.v6i3.7276

PALUDO, A. C. et al. Relação entre ansiedade competitiva, autoconfiança e desempenho esportivo: uma revisão ampla da literatura. Psicologia Argumento, Curitiba, v. 34, n. 85, p. 156–169, 2016. https://doi.org/10.7213/psicol.argum.34.085.AO06

PONS, J. et al. The Mediating Role of Coping between Competitive Anxiety and Sport Commitment in Adolescent Athletes. The Spanish journal of psychology, Madrid, v. 21, p. E7, 2018. https://doi.org/10.1017/sjp.2018.8

SAMULSKI, D. M. Psicologia do Esporte: conceitos e novas perspectivas. 2. ed. Barueri: Manole, 2009.

SANTANA, B. A. et al. Níveis de ansiedade de atletas no início e no final de um campeonato de basquetebol. Conexões: Educação Física, Esporte e Saúde, Campinas, v. 18, n. e020004, p. 1–18, 2020. https://doi.org/10.20396/conex.v18i0.8657806

SANTOS, Í. et al. Ansiedade pré-competitiva em atletas de diferentes esportes: um estudo de revisão. Revista Mundi Saúde e Biológicas, Curitiba, v. 4, n. 2, p. 1–26, 2019. https://doi.org/10.21575/25254766msb2019vol4n2916

SILVA, C. K. F. B. et al. Impacto de la ansiedad competitiva en la variabilidad de la frecuencia cardíaca y el rendimiento de los nadadores jóvenes. Revista Peruana de Ciencias de la Actividad Física y del Deporte, Arequipa, v. 8, n. 4, p. 1234–1245, 2021. Disponível em: <https://rpcafd.com/index.php/rpcafd/article/view/167>

SWAIN, A. B. J.; JONES, G. Intensity and frequency dimensions of competitive state anxiety. Journal of Sport Sciences, London, v. 11, n. 6, p. 533–542, 1993. https://doi.org/10.1080/02640419308730024

TEIXEIRA, K. C.; NUNES, C. H. S. S.; CRUZ, R. M. Estudos psicométricos de instrumentos de ansiedade no contexto esportivo: uma revisão sistemática. Revista Avaliação Psicológica, Itatiba, v. 15, n. 3, p. 362–370, 2016. https://doi.org/10.15689/ap.2016.1503.09

TERTULIANO, I. W. et al. Os efeitos da idade e do sexo no nível de ansiedade de nadadores de águas abertas. Conexões: Educação Física, Esporte e Saúde, Campinas, v. 17, n. e019021, p. 1–19, 2019. https://doi.org/10.20396/conex.v17i0.8655148

TERTULIANO, I. W.; MACHADO, A. A. Psicologia do Esporte no Brasil: conceituação e o estado da arte. Pensar a Prática, Goiânia, v. 22, n. 53382, p. 1–9, 2019. https://doi.org/10.5216/rpp.v22.53382

THOMAS, J. R.; NELSON, J. K.; SILVERMAN, S. J. Métodos de Pesquisa em Atividade Física. 6. ed. Porto Alegre: ArtMed, 2012.

VIEIRA, L. F. et al. Análise da síndrome de “burnout” e das estratégias de “coping” em atletas brasileiros de vôlei de praia. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 27, n. 2, p. 269–276, 2013. https://doi.org/10.1590/S1807-55092013005000012

VIEIRA, L. F. et al. Autoeficácia e nível de ansiedade em atletas jovens do atletismo paranaense. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, Florianópolis, v. 13, n. 3, p. 183–188, 2011. https://doi.org/10.5007/1980-0037.2011v13n3p183

WEINBERG, R. S.; GOULD, D. Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício. 6. ed. Porto Alegre: ArtMed, 2017.

Downloads

Publicado

2022-05-17

Como Citar

Wallan Tertuliano, I., dos Santos de Souza, H., Alves Santana, B., Lopes da Silva Garcia, R., Maria Montiel, J., & Bartholomeu, D. (2022). COMPARAÇÃO DOS NÍVEIS DE ANSIEDADE DE DUAS EQUIPES DE BASQUETEBOL: EXISTE EFEITO DA IDADE E DO MOMENTO DA COMPETIÇÃO?. BIOMOTRIZ, 16(1), 140-154. https://doi.org/10.33053/biomotriz.v16i1.710

Edição

Seção

Artigos