DECOLONIALIDADE NO FUTEBOL FEMININO

Autores

  • Daniel Barbosa dos Santos Lima Unigranrio
  • Glhevysson dos Santos Barros Barros Universidade Unigranrio

DOI:

https://doi.org/10.33053/biomotriz.v16i1.715

Palavras-chave:

Futebol. Futebol Feminino. Gênero. Colonialidade. Decolonialidade.

Resumo

O Futebol, esporte conhecido mundialmente encanta milhões de brasileiras (os). A seleção feminina participou oito vezes na Copa América de Futebol, o qual ganhou sete. Nem sempre a trajetória foi marcada por sucesso. Nos seus primórdios, a participação masculina foi integral e a prática feminina foi proibida, sendo aceita definitivamente na década de 80. Diante disso, o objetivo do manuscrito é abordar de maneira breve a chegada do futebol ao Brasil e a caminhada das mulheres neste esporte no início do século XIX. A pesquisa será ancorada nos estudos de cunho bibliográfico, tendo referencias autores como Ramón Grosfoguel, Gayatri Chakravorty Spivak e María Lugones. Vimos no estudo que a passagem deste público por este desporto foi turbulenta e cercada com muitos preconceitos de ordem corporal, de gênero e um forte patriarcalismo. Outro ponto a se destacar é a imposição do eurocentrismo (Países no Norte) frente aos costumes dos povos latinos (Países do Sul). Neste sentido, os costumes, modos de viver e o gênero que poderia praticar o Futebol e até o seu modo de jogar deveriam seguir o modelo Europeu, ou seja, a colonialidade estava sendo imposta. Ressalta-se que os estudos decoloniais são meios para desmascarar e apresentar a perversidade da estrutura que foi imposta pela colonialidade. Por fim, conclui-se que a decolonialidade robustece os cidadãos para afastar todas as formas de discriminação, preconceitos e de forma a construir uma sociedade melhor e igualitária.

Biografia do Autor

Daniel Barbosa dos Santos Lima, Unigranrio

Mestrando em Humanidades, Culturas e Artes pela Universidade do Grande Rio, UNIGRANRIO, Brasil, Pós Graduação em Educação Física Escolar pela Universidade Gama Filho (2011) e Pós Graduação em Libras- Ênfase na Educação Bilíngue para Surdos pela Faculdade Internacional Signorelli (2016). Possui graduação em Educação Física pelo Centro Universitário da Cidade (2010) e graduação em Educação Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013). Atualmente é professor da Prefeitura Municipal de Seropédica. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Educação Física Escolar, atuando principalmente nos seguintes temas: planejamento, educação física, aptidão física, dança e escolares.

Referências

BALLESTRIN, L. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 11, p. 89-117, maio/ago. 2013.

BALZANO, O. N.; MUNSBERG, J. A. S.; SILVAI, G. F. Futebol como ferramenta e estratégia descolonial: contribuições “outras”. Ciência e tecnologia para a redução das desigualdades. Canoas/RS, 2018.

BALZANO, O. N.; MUNSBERG, J. A. S.; SILVAI, G. F.: O pensamento decolonial como alternativa ao “racismo às avessas” no futebol.Ceará, Revista de Investigación y Pedagogia Praxias & Saber, v. 11, n. 27, 2020.

BALZANO, O. N. O ensino do futebol na perspectiva decolonial: desgastando a produção de sujeitos “pés de obra”- da formação na educação superior aos clubes esportivos. 2020. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade La Salle – UNISALLE, Canoas, 2020.

CUNHA, T. O. M. Decolonialidade e futebol: o reconhecimento da identidade na formação do atleta. 2018. Dissertação (Mestrado em Direito) - Faculdade de Direito e Ciências do Estado, Universidade Federal de Minas Gerais, Minas Gerais, 2018.

DUSSEL, E. Anti-meditaciones cartesianas: sobre el origen del anti-discurso filosófico de la modernidad. Tabula Rasa, n. 9, p. 153-197, 2008.

FRANZINI, F. Futebol é “coisa para macho”? Pequeno esboço para uma história das mulheres no país do futebol. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 25, n. 50, p. 315-328, 2005.

GROSFOGUEL, R. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Revista Sociedade e Estado – EUA, v. 31, n.1, p. 25-49, jan./abr. 2016.

GOELLNER, S. V. Mulheres e futebol no Brasil: entre sombras e visibilidades. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 143-51, abr./jun. 2005.

LUGONES, M. Rumo a um feminismo descolonial. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.22, n. 3, set./dez. 2014. Artigo originalmente publicado na revista Hypatia, v. 25, n. 4, 2010.

LUGONES, M. Debate colonialidade do gênero e feminismos descoloniais. Rev. Estud. Fem., v. 22, n. 3, dez. 2014.

MELO, V. A.; ALVITO, M. Futebol por todo o mundo: diálogos com o cinema. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

MIGNOLO, W. El pensamiento decolonial: desprendimiento y apertura. Un manifiesto. En: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Orgs.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Siglo del Hombre Editores, Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos, Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007. p. 25-46.

MOURÃO, L. Representação social da mulher brasileira nas atividades físicodesportivas: da segregação à democratização. Movimento, Porto Alegre, n. 13, p. 05-18, 2000.

PEREIRA, F. S. M.; MURADAS, D. Decolonialidade do saber e direito do trabalho brasileiro: sujeições interseccionais contemporâneas. Revista Direito e Práxis, [S.l.], abr. 2018.

PIZARRO, J. O. Decolonialidade e futebol: a quebra da lógica periferia-centro. In: CONGRESSO URUGUAIO DE CIÊNCIA POLÍTICA, 5., 2014, Montevideo. Anais, Montevideo: Asociación Uruguaya de Ciencia Política, 2014.

QUIJANO, A. “Modernity, Identity, and Utopia in Latin America”. In: BEVERLEY, J.; ARONNA, M.; OVIEDO, J. (Ed.). The postmodernism debate in Latin America. Durham: Duke University Press, 1995. p. 201-216.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005.

SPIVAK, G. C. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

RABAKA, R. Against epistemic apartheid: W. E. B Du Bois and the disciplinary decadence of sociology. United Kingdon: Lexington Books, 2010.

TEIXEIRA, F. L. S.; CAMINHA, I. O. Preconceito no futebol feminino brasileiro: uma revisão sistemática. Revista Movimento, Porto Alegre, v. 19, n. 01, p. 265-287, jan./mar. 2013.

VERAS, J. G. Direitos humanos e futebol feminino: a (in)visibilidade das mulheres nas quatro linhas. 2019. Monografia (Curso de Graduação em Direito) – Faculdade de Direito, Universidade de Brasília, Brasília, 2019.

Downloads

Publicado

2022-04-19

Como Citar

Lima, D. B. dos S. ., & Barros, G. dos S. B. (2022). DECOLONIALIDADE NO FUTEBOL FEMININO. BIOMOTRIZ, 16(1), 107-118. https://doi.org/10.33053/biomotriz.v16i1.715

Edição

Seção

Artigos