EXERCÍCIOS, ATIVIDADES FÍSICAS E SUAS INFLUÊNCIAS NA CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSOS CENTENÁRIOS DE CHAPECÓ

Autores

  • Manoeli Jost Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Mariluce Poerschke Vieira Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Damiana Lima Costa Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Priscila Rodrigues Gil UDESC
  • Giovana Zarpellon Mazo Universidade do Estado de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.33053/biomotriz.v16i1.732

Palavras-chave:

Centenários, Capacidade Funcional, Atividade Física

Resumo

A população vem aumentando progressivamente a sua longevidade, de modo que se percebe o envelhecimento da própria população idosa, em que muitos indivíduos estão ultrapassando a expectativa de vida e chegando ao centenário. É fato que o aumento da longevidade demonstra avanços positivos na saúde populacional, entretanto, também desencadeia novas indagações e necessidades, sobretudo quanto à manutenção da capacidade funcional com o passar dos anos. O presente estudo teve como objetivo analisar a prática de atividades físicas, exercícios físicos e suas influências na capacidade funcional de idosos centenários moradores de Chapecó. Caracteriza-se como um estudo transversal e descritivo, quantitativo e qualitativo, sendo participantes do estudo 6 centenários da comunidade. Para a coleta de dados utilizou-se o Protocolo de Avaliação Multidimensional do Idoso Centenário, elaborado pelo Laboratório de Gerontologia da Universidade do Estado de Santa Catarina. A análise dos dados foi realizada por meio de estatística descritiva, tomando como medida os blocos do referido protocolo. Os resultados indicam que os centenários chapecoenses em sua maioria não atingem níveis recomendados de atividade física e são heterogêneos em suas funções de vida diária. Evidenciou-se que apenas os idosos que ainda realizam exercícios ou atividades físicas (n=2) são semi ou totalmente independentes. Compreende-se que as atividades físicas e exercícios físicos realizados durante a velhice são de fundamental importância para a manutenção da capacidade funcional. Acredita-se que o visível sedentarismo desta população ocorra em parte pela falta de suporte social e implantação de políticas públicas que permitam o envelhecimento ativo.

Referências

AGUIAR, Leticia Alves et al. Relação entre o nível de Atividade Física e Velocidade de Marcha em Idosos Centenários. Revista Kinesis, Santa Maria, v. 32, n. 2, p. 04-18, jul.-dez. 2014.

ALVES José Eustáquio Diniz. Envelhecimento populacional no Brasil e no mundo. Revista Longeviver, São Paulo, v. 1, n. 3, p. 05-09, 2019.

ALVES, Luciana Correia; LEITE, Iúri da Costa; MACHADO, Carla Jorge. Conceituando e mensurando a incapacidade funcional da população idosa: uma revisão de literatura. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, p. 1199-1207, 2008.

BENEDETTI Márcia Zanon .Estilo de vida de idosos centenários de Florianópolis, SC. Dissertação (Mestrado em Ciências do Movimento Humano) - Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

BRANDÃO, Daniela et al. Regional differences in morbidity profiles and health care use in the oldest old: Findings from two Centenarian Studies in Portugal. Archives of gerontology and geriatrics, Amsterdam, v. 82, p. 139-146, 2019.

DA SILVA BIOLCHI, Claudia et al. A capacidade funcional de um grupo de idosos centenários. Revista Kairós: Gerontologia, São Paulo, v. 16, n. 2, p. 213-226, 2013.

FERREIRA, José Vicente Corrêa. Os muito idosos no município de São Paulo. Tese (Doutorado em Saúde Pública)- Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

FIEDLER, Mariarosa Mendes; PERES, Karen Glazer. Capacidade funcional e fatores associados em idosos do Sul do Brasil: um estudo de base populacional. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 2, p. 409-415, 2008.

GIL, Antonio Carlos et al. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

LAGER. Laboratório de Gerontologia. Idosos Centenários. Protocolos. Protocolo de Avaliação Multidimensional do Idoso Centenário: 2011. Florianópolis: LAGER, 2015. Disponível em: < www.cefid.udesc.br/arquivos/id.../2017/protocolo_geral_cuidador.pdf>. Acesso em: 13 Mar. 2021.

LINO, Valéria Teresa Saraiva et al. Adaptação transcultural da escala de independência em atividades da vida diária (Escala de Katz). Cadernos de saude publica, Rio de Janeiro, v. 24, n.1, p. 103-112, 2008.

LONGARAI Rita. Hábitos pregressos de atividade física em centenários de Porto Alegre. Dissertação (Mestrado em Gerontologia Biomédica) - Programa de Pós Graduação em Biomedicina, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MAZO, Giovana Zarpellon; LOPES, Marize Amorim; BENEDETTI, Tânia Bertoldo. Educação física e o idoso: concepção gerontológica. Porto Alegre: Sulina, v. 2, 2001.

MORESI, Eduardo. Metodologia da pesquisa. Programa de pós-graduação stricto sensu em gestão do conhecimento e tecnologia da informação. Brasília: UCB, 2003. Disponível em: < http://www.inf.ufes.br/~falbo/files/MetodologiaPesquisa-Moresi2003.pdf>. Acesso em: 13 maio. 2021.

NAHAS, Markus Vinicius. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. 3 ed. Londrina: Midiograf, 2013.

PITANGA, Francisco José Gondim. Epidemiologia da atividade física, do exercício físico e da saúde. 3 ed. São Paulo: Editora Phorte, 2010.

SHEPHARD, Roy J. Envelhecimento, atividade física e saúde. In: Envelhecimento, atividade física e saúde. 2003. p. 496-496.

STREIT, I. A. Idosos centenários: nível de atividade física e hábitos de lazer. 2013. 82 f. Dissertação (Mestrado em Ciências do Movimento Humano) - Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2013

STRIEDER, Roque. Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa. Joaçaba: Ed. Unoesc, 2009.

WANG, Shuangmiao et al. Contemporary Chinese centenarians: Health profiles, social support and relationships in Suixi County. Archives of gerontology and geriatrics, Amsterdam, v. 86, p. 1-7, 2020.

Downloads

Publicado

2022-04-19

Como Citar

Jost, M., Poerschke Vieira, M., Lima Costa, D., Rodrigues Gil, P., & Zarpellon Mazo, G. (2022). EXERCÍCIOS, ATIVIDADES FÍSICAS E SUAS INFLUÊNCIAS NA CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSOS CENTENÁRIOS DE CHAPECÓ. BIOMOTRIZ, 16(1), 119-128. https://doi.org/10.33053/biomotriz.v16i1.732

Edição

Seção

Artigos