PERFIL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS PARTICIPANTES DE PROJETO DE EXTENSÃO E BENEFÍCIOS AOS ENVOLVIDOS

Autores

  • Mylena Stefany Silva dos Anjos
  • Nathalia Arnoldi Silveira
  • Petersen Fava
  • Simone Pilger
  • Viviane Cecília Kessler Nunes Deuschle
  • Dinara Hansen Costa Universidade de Cruz Alta

DOI:

https://doi.org/10.33053/cataventos.v12i2.305

Resumo

Este estudo teve por objetivo descrever o perfil dos idosos envolvidos no projeto de Extensão “Ações Interdisciplinares voltadas aos Idosos Institucionalizados e Cuidadores” bem como as atividades realizadas, destacando os benefícios para a formação acadêmica e qualidade de vida dos idosos. Trata-se de um estudo com abordagem quali-quantitativa, por meio do levantamento de dados das fichas de avaliação/evolução da Fisioterapia e prontuários dos idosos, além da descrição das atividades desenvolvidas, no período entre setembro de 2016 a outubro de 2017, em uma ILPI localizada no noroeste do estado do Rio Grande do Sul. Os idosos foram divididos em dois grupos: dependentes e independentes. Em idosos dependentes (acamados) o objetivo das intervenções foi diminuir atrofias musculares, rigidez muscular e imobilidade no leito. Com os idosos independentes ou parcialmente dependentes foram realizados atendimentos em grupo. As atividades tinham o objetivo de manutenção e ganho de amplitude de movimento e mobilidade articular, melhora da deambulação, equilíbrio, motricidade, estímulo da memória e coordenação motora. Houve predomínio do sexo feminino e as patologias mais recorrentes foram hipertensão arterial sistêmica, depressão e problemas cardiovasculares. As ações realizadas a partir do projeto de extensão proporcionaram aos idosos diferentes atividades que promoveram a saúde, a qualidade de vida e mudanças no estilo de vida, além de aproximar os acadêmicos da realidade social, viabilizando o acesso à comunidade, a socialização e trocas de experiências.

Referências

ARAÚJO, A. P. S.; BERTOLINI, S. M. M. G.; JUNIOR, J. M. Alterações morfofisiológicas decorrentes do processo de envelhecimento do sistema musculoesquelético e suas consequências para o organismo humano. Revista Perspectivas online: Ciências Biológicas e da saúde, v.12, n.4, p.22-23, 2014.

ARAÚJO, A. M.; NETO, T. B. S.; BÓS, A. J. G. Diferenças no perfil de pessoas idosas institucionalizadas, em lista de espera e que não desejam institucionalização. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v.19, n.1, p.105-118, 2016.

BARROS, T. V. P. et al. Capacidade funcional de idosos institucionalizados: revisão integrativa. ABCS Health Sciences, v.41, n.3, p.176-180, 2016.

CAVALCANTI, A. D. Envelhecimento e institucionalização: uma revisão bibliográfica à luz da promoção da saúde. Revista Kairós Gerontologia, v.16, n.4, p.159-174, 2013.

COSTA, A. C. S. M.; SANTOS, N. S.; MORAES P. C. M. Amplitude de movimento e sua interferência na capacidade funcional de pacientes com sequelas de queimaduras. Revista Brasileira de Queimaduras, v.15, n.4, p.261-266, 2016.

DEL DUCA, G. F. et al. Indicadores da institucionalização de idosos: estudo de casos e controles. Revista de Saúde Pública, v.46, n.1, p.147-53, 2012.

DOMICIANO, B. R. et al. Função cognitiva de idosas residentes em instituições de longa permanência: efeitos de um programa de fisioterapia. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v.19, n.1, p.57-70, 2016.

DUARTE, El. C.; BARRETO, S. M. Transição demográfica e epidemiológica: a Epidemiologia e Serviços de Saúde revisita e atualiza o tema. Revista Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v.21, n.4, p.529-532, 2012.

FERREIRA, L. L. et al. Perfil sócio demográfico de idosos institucionalizados com e sem doença de Alzheimer. Journal of the Health Sciences Institute. v.32, n.3, p.290-293, 2014.

FERREIRA, K. C. M. A. et al. Monitoramento de indicadores de saúde em Instituições de Longa Permanência para Idosos. Vigilância Sanitária em Debate, v.4, n.3, p.57-62, 2016.

FREITAS, T. R. M. de et al. Hospitalização e mortalidade em idosos institucionalizados. Revista Família, Ciclos de Vida e Saúde no Contexto Social (online), v.6, Supl.1, p.291-297, 2018.

GOMES, A. R. L. et al. A influência da fisioterapia, com exercícios de equilíbrio, na prevenção de quedas em idosos. Revista Fisisenectus, v.4, n.1, p.4-11, 2016.

GONÇALVES, L.T.H.; et al. Convívio e cuidado familiar na quarta idade: qualidade de vida de idosos e seus cuidadores. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v.16, n.2, p. 315-325, 2013.

GUIMARÃES, A. C et al . Atividades grupais com idosos institucionalizados: exercícios físicos funcionais e lúdicos em ação transdisciplinar. Pesquisa e Práticas Psicossociais, v.11, n.2, p.443-452, 2016.

GÜTHS, J. F. S. et al. Perfil sociodemográfico, aspectos familiares, percepção de saúde, capacidade funcional e depressão em idosos institucionalizados no Litoral Norte do Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v.20, n.2, p.175-185, 2017.

LINI, E. V.; PORTELLA M. R.; DORING, M. Fatores associados à institucionalização de idosos: estudo caso-controle. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v.19, n.6, p. 1004-1014, 2016.

MENEZES, J. N. R. et al. Atividades fisioterapêuticas em grupos para idosos institucionalizados: a percepção do idoso. FisiSenectus, v.5, n.2, p.47-53, 2017.

MIRANDA, G. M. D.; MENDES, A. C. G.; SILVA, A. L. A. da. Desafios das políticas públicas no cenário de transição demográfica e mudanças sociais no Brasil. Interface Comunicação, Saúde, Educação, v.21, n.61, p.309-320, 2017.

NETO, J. B. F. A Transição do Modelo Assistencial. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v.19, n.4, p.565-566, 2016.

PETRY, A.L. N. C. et al. Influência da atividade física em grupo na qualidade de vida e variáveis cardiorrespiratórias em idosos institucionalizados. FisiSenectus, v.4, n.1, p.22-31, 2016.

PINHEIRO, N. C. G. et al. Desigualdade no perfil dos idosos institucionalizados na cidade de Natal, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v.21, n.11, p.3399-3405, 2016.

PIUVEZAM, G. et al. Mortalidade em idosos por doenças cardiovasculares: análise comparativa de dois quinquênios. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v.105, n.4, p.371-380, 2015.

SALCHER, E. B. G.; PORTELLA, M. R.; SCORTEGAGNA, H. de M. Cenários de instituições de longa permanência para idosos: retratos da realidade vivenciada por equipe multiprofissional. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v.18, n.2, p.259- 272, 2015.

SILVA, C. F. S.; DIAS, C. M. R. B. Violência Contra Idosos na Família: Motivações, Sentimentos e Necessidades do Agressor. Revista Psicologia: ciência e profissão, v.36, n.3, p.637-652, 2016.

SZYDLOSKI, T.P. et al. Marcha e equilíbrio em idosos institucionalizados: avaliação pré- e pós- exercícios físicos. Revista Kairós Gerontologia, v.18, n.2, p.327-338, 2015.

TOMICKI, C. et al. Efeito de um programa de exercícios físicos no equilíbrio e risco de quedas em idosos institucionalizados: ensaio clínico randomizado. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v.19, n.3, p.473-482, 2016.

Downloads

Publicado

2021-01-15

Como Citar

Anjos, M. S. S. dos ., Silveira, N. A. ., Fava, P. ., Pilger, S. ., Deuschle, V. C. K. N., & Costa, D. H. . (2021). PERFIL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS PARTICIPANTES DE PROJETO DE EXTENSÃO E BENEFÍCIOS AOS ENVOLVIDOS. CATAVENTOS - Revista De Extensão Da Universidade De Cruz Alta, 12(2), 27-35. https://doi.org/10.33053/cataventos.v12i2.305

Edição

Seção

Artigos