EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS EM UMA PERSPECTIVA INCLUSIVA: CONSTRUINDO MODELOS DIDÁTICOS TÁTEIS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33053/cataventos.v13i1.401

Palavras-chave:

Ensino de Ciências, Educação Inclusiva, Formação de Professores, Extensão Universitária

Resumo

O artigo apresenta projeto de extensão que visou desenvolver habilidades e competências dos estudantes de licenciatura para a realização de atividades práticas no ensino das ciências naturais, em uma perspectiva inclusiva de educação. Foram realizadas três oficinas, com 25 estudantes de licenciatura e 25 estudantes da educação básica, que articularam momentos reflexivos, formativos e atividades práticas. Os registros da bolsista em diário de campo evidenciam que houve engajamento dos participantes na tarefa grupal, a construção de modelos didáticos táteis para o ensino de histologia, e a ampliação dos conhecimentos específicos dos participantes sobre o conteúdo em tela. Além disso, a dinâmica colaborativa da atividade favoreceu a construção de significados compartilhados sobre a dimensão inclusiva da educação, em relação à docência e a vida social. Conclui-se que a perspectiva inclusiva no ensino de ciências contribui para o desenvolvimento integral do educando.

Biografia do Autor

Shirley de Lima Ferreira Arantes, UEMG

Doutora em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social pelo Programa EICOS do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio deJaneiro (UFRJ). Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) com ênfase em Psicologia Social. Graduada em Formação dePsicólogo pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ). Professora adjunta de Psicologia da Educação na Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG/Unidade Ibirité). Desenvolve projetos de pesquisa e extensão focados nos temas da iniciação científica; educação científica; inclusão social; educação básica;educação superior; disposições sociais; condições sócio-educacionais; formação de professores e autismo. 

Ana Luiza Dias Faria, Universidade do Estado de Minas Gerais

Bolsista do Programa de Apoio à Extensão (PAEX/UEMG). Graduada em Licenciatura em Ciências Biológicas pela UEMG/Unidade Ibirité. 

Referências

ALVES, Solange Maria; TEO, Carla Rosane Paz Arruda. O Ativo das Metodologias Ativas: contribuições da Teoria Histórico-Cultural para os processos de ensinar e aprender na educação superior. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 36, n. e229610, p. 1-19, 2020.

ANDRADE, M. L. F.; MASSABNI, V. G. O desenvolvimento de atividades práticas na escola: um desafio para os professores de ciências. Ciência & Educação, Bauru, v. 17, n. 4, p. 835-854, 2011.

ARANTES, Shirley de Lima Ferreira; MARTINS, Ismailton Ferreira. Concepções de professores de ciências biológicas sobre as aulas práticas. Actio: Docência em Ciências, Curitiba, v. 5, n. 3, 2020.

BARTZIK, Franciele; ZANDER, Leila Daniele. A importância das aulas práticas de ciências no Ensino Fundamental. @rquivo Brasileiro de Educação, Belo Horizonte, v. 4, n. 8, p. 31-38, 2016.

BEREZUK, Paulo Augusto; INADA, Paulo. Avaliação dos laboratórios de ciências e biologia das escolas públicas e particulares de Maringá, Estado do Paraná. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, Maringá, v. 32, n. 2, p. 207-215, 2010.

BRASIL, INEP. Notas estatísticas: censo escolar 2018. Brasília, jan. 2019. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/notas_estatisticas/2018/notas_estatisticas_censo_escolar_2018.pdf. Acesso em: 10 mar. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva, 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 22 mar. 2019.

CARVALHO, Ana Maria Pessoa de. Piaget e o Ensino de Ciências. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, v. 9, n. 1/2, p. 55-77, 1983.

FÓRUM DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRAS. Plano Nacional de Extensão Universitária. Encontro de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas do Brasil. Manaus, 2012.

KEESE, Natália Gonçalves; SILVA, Tamiris Colossal; SILVA, Jéssica Alves da; ALMEIDA, Ana Beatriz Albino de. Ensino de histologia humana para deficientes visuais através de material de apoio tridimensional. Anais do 2º Congresso Nacional de Educação, Poços de Caldas, p.1-4, jun. 2018.

LA TAILLE, Yves de; OLIVEIRA, Martha Khol de; DANTAS, Heloisa. Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus, 1992.

MENDES, E. G. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 11, n. 33, p. 387-405, 2006.

MOURA, J.; DEUS, M. S. M.; GONÇALVES, N. M. N.; PERON, A. O ensino de biologia, com enfoque a genética, das escolas públicas no Brasil – breve relato e reflexão. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 34, n. 2, p. 167-174, jul./dez. 2013.

OLIVEIRA, M. I. B.; SILVA, M. I.; ABREU, I. H.; PEREIRA, V. C. A. S.; SILVA, G. S.; MAGALHÃES, M. S. Uma proposta didática para iniciar o ensino de histologia na educação básica. Revista Ciência em Extensão, São Paulo, v. 12, n. 4, p. 71-82, 2016.

OLIVEIRA, Mayara Lustosa; ANTUNES, Adriana Maria; ROCHA, Thiago Lopes; TEIXEIRA, Simone Maria. Educação inclusiva e a formação de professores de ciências - o papel das universidades federais na capacitação dos futuros educadores. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v. 13, n. 3, p. 99-117, 2011.

PEDRANCINI, V. D.; CORAZZA-NUNES, M. J.; GALUCH, M. T. B.; MOREIRA, A. O. R.; RIBEIRO, A. C. Ensino e aprendizagem de biologia no ensino médio e apropriação do saber científico e biotecnológico. Revista Electrónica Enseñanza de las Ciencias, Espanha, v. 6, n. 2, p. 299-309, 2007.

PEREIRA, Cláudia Alves Rabelo; GUIMARAES, Selva. A Educação Especial na formação de professores: um estudo sobre Cursos de Licenciatura em Pedagogia. Revista Brasileira de Educação Especial, Bauru, v. 25, n. 4, p. 571-586, 2019.

PUTZKE, Jair; POSSATI, Carine Furlan; CONRAD, Bruno Cardoso; PUTZKE, Marisa Terezinha Lopes. Microscópio alternativo para produção em série para trabalhos práticos com estudantes do ensino fundamental. REMOAS: Revista Monografias Ambientais, Santa Maria, v. 19, ed. esp., e8, p. 1-13, 2020.

RODRIGUES, I. B; ANGELUCCI, C. B. Estado da arte da produção sobre escolarização de crianças diagnosticadas com TEA. Psicologia Escolar e Educacional, Maringá, v. 22, n. 3, p. 545-555, 2018.

SANTOS, J. H.; JACINTO, H. M.; SILVA, T. D.; PEIXOTO, S. P. L. Pensar educação inclusiva em uma perspectiva freiriana. Caderno de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - UNIT, Alagoas, v. 4, n. 2, p. 129-140, 2017.

SCARPA, Daniela Lopes; CAMPOS, Natália Ferreira. Potencialidades do ensino de Biologia por Investigação. Estudos Avançados, São Paulo, v. 32, n. 94, p.25-41, 2018.

SILVA, Larissa Vendramini; BEGO, Amanda Moura. Levantamento Bibliográfico sobre Educação Especial e Ensino de Ciências no Brasil. Revista Brasileira de Educação Especial, Bauru, v. 24, n. 3, p. 343-358, 2018.

VIVEIRO, Alessandra Aparecida; BEGO, Amanda Moura. (Orgs.) O ensino de Ciências no contexto da Educação Inclusiva: diferentes matizes de um mesmo desafio. Jundiaí: Paco Editorial, 2015.

Downloads

Publicado

2021-07-30

Como Citar

Arantes, S. de L. F., & Faria, A. L. D. . (2021). EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS EM UMA PERSPECTIVA INCLUSIVA: CONSTRUINDO MODELOS DIDÁTICOS TÁTEIS . CATAVENTOS - Revista De Extensão Da Universidade De Cruz Alta, 13(1), 20 - 30. https://doi.org/10.33053/cataventos.v13i1.401

Edição

Seção

Artigos