PRÁTICAS EXTENSIONISTAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA OFICINA SOBRE FUNÇÃO POLINOMIAL DO SEGUNDO GRAU

Autores

  • Luís Gabriel Favaretto Matté Universidade de Passo Fundo
  • Indianara Scarpari de Melo Universidade de Passo Fundo
  • Vanessa Dilda Universidade Federal de Rondonópolis

DOI:

https://doi.org/10.33053/cataventos.v13i1.436

Palavras-chave:

Extensão universitária, Ensino de Matemática, Função polinomial do segundo grau.

Resumo

É necessário que o ensino de Matemática seja mais atrativo, profícuo e inovador. Para isso, ações de extensão universitária, associadas a práticas metodológicas diferenciadas, podem contribuir significativamente no processo de ensino e aprendizagem dos estudantes. Neste artigo, apresenta-se o relato de uma experiência vivenciada por extensionistas do curso de Licenciatura em Matemática, da Universidade de Passo Fundo (UPF), que fazem parte do Projeto de Extensão Formação Continuada de Professores de Matemática (PFCPMat), durante o planejamento e aplicação de uma oficina sobre função polinomial do segundo grau, a qual foi realizada com estudantes do primeiro ano do Ensino Médio de uma escola pública do município de Passo Fundo, Rio Grande do Sul. Para o desenvolvimento dessa ação, foram utilizadas duas Tendências em Educação Matemática: o jogo e a tecnologia.  Durante a atividade, os estudantes se envolveram e puderam ressignificar conceitos relacionados à função polinomial do segundo grau, sanando dúvidas existentes. Considera-se, então, que foi possível contribuir para a formação profissional dos futuros professores de Matemática, bem como auxiliar na aprendizagem dos estudantes da Educação Básica.

 

Referências

ALVES, E. M. S. A ludicidade e o ensino da Matemática. Campinas: Papirus, 2001.

BORBA, M. C.; PENTEADO, M. G. Informática e educação matemática. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC, 1998.

______. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília: MEC, 1999.

______. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica,

CARAÇA, B. J. Conceitos Fundamentais da Matemática. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora, 1951.

COSTA, W. N. G.; PAMPLONA, A. S. A mobilização de saberes e de práticas de professores de matemática por meio da pesquisa e da extensão. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 10., 2010, Salvador. Anais do X ENEM: Educação Matemática, cultura e diversidade. Salvador: SBEM, 2010.

D’AMBRÓSIO, U. Educação matemática: da teoria à prática. 4 ed. São Paulo: Papirus, 1996.

FORPROEX (Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras). Avaliação Nacional da Extensão Universitária. Brasília, MEC/SESu; Paraná, UFPR; Ilhéus, UESC, 2001. Disponível em: <https://www.ufmg.br/proex/renex/images/documentos/

Avaliacao-Extensao.pdf >. Acesso em: 12 jan. 2021.

______. Indissociabilidade ensino – pesquisa – extensão e a flexibilidade curricular: uma visão da extensão: Porto Alegre: UFRGS; Brasília: MEC/SESu, 2006, 100 p. Disponível em: <http://www.uemg.br/downloads/indissociabilidade_ensino_pesquisa_extensao.pdf>. Acesso em: 17 jan. 2021.

GRANDO, R. C. O conhecimento matemático e o uso de jogos na sala de aula. 239 p. Tese (Doutorado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade de Campinas, Campinas, 2000.

GROENWALD, C. L. O., SILVA, C. K.; MORA, C. D. Perspectivas em Educação Matemática. Acta Scientiae, Canoas, v. 6, n. 1, p. 37-55, 2004.

LARA, I. C. M. Jogando com a Matemática do 6º ao 9º ano. São Paulo: Rêspel, 2011.

LOPES, M. M. Contribuições do software GeoGebra no ensino e aprendizagem de trigonometria. In: XIII Conferência Interamericana de Educação Matemática, 13, 2011, Recife/PE. Anais… Recife/PE: [s. n.], 2011. pp. 1-12.

MACEDO, L. Os jogos e sua importância na escola. Caderno de Pesquisa. São Paulo, n. 93, p. 5-10, 1995.

MAZUR, S. M. As diferentes tendências em educação matemática e o seu significado para o estudo dessa ciência. 2012. 42 f. Monografia (Especialização em Educação). Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Medianeira, 2012.

MORAN, J. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. In: BACICH, L.; MORAN, J. (Org.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018. pp. 9-12.

ORTIZ, J. P. Aproximação teórica à realidade do jogo. In: MÚRCIA, J.A.M. (e col.). Aprendizagem através do jogo. Porto Alegre: Editora Artmed, 2005.

PINTO, A. H. A Base Nacional Comum Curricular e o Ensino de Matemática: flexibilização ou engessamento do currículo escolar. Bolema, Rio Claro, v. 31, n. 59, p. 1045-1060, dez. 2017.

POLYA, G. A arte de resolver problemas. Rio de Janeiro: Interciência, 1978.

PONTE, J. P.; BRANCO, N.; MATOS, A. Álgebra no ensino básico. Lisboa: DGIDC, 2009.

VAN DE WALLE, J. A. Matemática no Ensino Fundamental: formação de professores e aplicação em sala de aula. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. 584 p.

Downloads

Publicado

2021-07-30

Como Citar

Favaretto Matté, L. G., Scarpari de Melo, I., & Dilda, V. . (2021). PRÁTICAS EXTENSIONISTAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA OFICINA SOBRE FUNÇÃO POLINOMIAL DO SEGUNDO GRAU. CATAVENTOS - Revista De Extensão Da Universidade De Cruz Alta, 13(1), 31 - 47. https://doi.org/10.33053/cataventos.v13i1.436

Edição

Seção

Artigos