AS INFLUÊNCIAS DOS DASHBOARDS NAS EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO LISTADAS PELA REVISTA FORBES

Autores

  • Arlete Cherobini Orth UNILASALLE/LUCAS
  • Presline Blum da Silva UNEMAT - Universidade do estado do Mato Grosso.
  • António Cardoso Universidade Fernando Pessoa-UFP- Portugal
  • Jusceliany Rodrigues Leonel Correa UNEMAT - Universidade do Estado do Mato Grosso.

DOI:

https://doi.org/10.33053/gedecon.v8i2.242

Palavras-chave:

Dashboard. Agronegócio. Tecnologia Disruptiva.

Resumo

Diante da carência por estudos específicos voltados para o dashboard em empresas do agronegócio, esta pesquisa direciona-se a analisar as influências dos dashboards na discussão dos negócios nas 50 (cinquenta) melhores empresas do agronegócio listadas pela revista Forbes no ano de 2018. Sendo assim, esta pesquisa teve como objetivo investigar as influências quando se utiliza o dashboard na discussão dos negócios em empresas do agronegócio listadas pela revista Forbes. Os procedimentos metodológicos que nortearam o estudo abarcam a elaboração de questionário, processo de coleta, análise e descrição dos dados, buscando-se atender os objetivos da pesquisa. Como forma de obter informações complementares da pesquisa, implementou-se um modelo quantitativo cujo design é exploratório-descritivo, e, utilizando o levantamento/survey como método de coleta de dados, foram aplicados questionários em 432 colaboradores das 50 (cinquenta) melhores empresas do agronegócio listadas pela revista Forbes. Para analisar os questionários, foram utilizadas as análises estatísticas descritiva, diferença de médias, fatorial, regressão linear e análise de hipóteses, considerando os valores médios para as variáveis independentes e dependente. Ademais, foram geradas informações que auxiliaram a identificar e analisar as variáveis que condicionam o funcionamento adequado do processo em estudo. A pesquisa respondeu todos os objetivos propostos, considerando os resultados positivos e significativos, considerando que das variáveis elencadas na pesquisa, as variáveis planejamento estratégico, facilidade de informação e transparência administrativa apresentam maior influência quando se utiliza o dashboard sendo possível assim conhecer de forma mais aprofundada as influências dos dashboards nas empresas do agronegócio.

Biografia do Autor

Presline Blum da Silva, UNEMAT - Universidade do estado do Mato Grosso.

Mestrado em Ciências Empresariais.

António Cardoso , Universidade Fernando Pessoa-UFP- Portugal

Doutor em Engenharia Têxtil: Gestão e Design(U.Minho)

Jusceliany Rodrigues Leonel Correa, UNEMAT - Universidade do Estado do Mato Grosso.

Mestre em Ciências Contábeis

Referências

Alexander, M. & Walkenback, J. (2013). Excel Dashboards & Reports. Indiana: Wiley Publishing, Inc.

Andra, S. (2006). Action Oriented Metrics for IT Influences Management. Cutter IT Jounal, 19(4). pp. 17-21. Recuperado em 11 de janeiro de 2018 em http://www.cutter.com/content-and-analysis/journals- andreports/cutter-it-journal/sample/itj0604d.html.

Appolinario, F. (2016). Metodologia cientifica. Editora de conteúdo: Sirlene M. Sales. São Paulo, SP: Cengage.

Arbex, L.F. S. (2013). Visualização dos dados estatísticos da UERJ proposta de dashboards baseados no trabalho de Jacques Bertin. Recuperado em 04 de janeiro de 2019 em http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UERJ_8bd85fae950d9d6a7304cc6b00a4ead1.

Auckland, L. B. & Lexington. (2017). Grandes empresas do agronegócio se reinventam com startups. Revista Exame. Recuperado em 09 de setembro de 2018 em https://exame.abril.com.br/revista- exame/colheita-de-ideias/.

Azevedo, D. L. A. & Rosa, L. C. (2003). Engenharia de produção no agronegócio brasileiro como fator de excelência na capacitação de recursos humanos. Produção On-line- Revista Científica Eletrônica de Engenharia de Produção. ISSN 1676 - 1901 / 3(3). Recuperado em 22 de setembro de 2018 em https://producaoonline.org.br/rpo/article/view/565/610.

Bernardo, J. V. (2018). A Máquina que move o Brasil. Revista Forbes, 58(6), pp. 47-155.

Buainain, A.M.; Alves, E. Silveira, J. M . & Navarro, Z. (2014). O mundo rural no Brasil do século 21. A formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília, Embrapa/Instituto de Economia da Unicamp. pp. 1-1182. Recuperado em 11 de novembro de 2018 em https://www3.eco.unicamp.br/nea/images/arquivos/O_MUNDO_RURAL_2014.pdf.

Caldeira, J. (2010). Dashboards: Comunicar eficazmente a informação de gestão, edições Almedina SA, Coimbra.

Callado, A. A. C., Callado, A. L. C., & Almeida, M. A. (2018). Indicadores de Influências não financeiros no agronegócio: um estudo exploratório. Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural (SOBER), 44º Congresso, Fortaleza, Ceará. Recuperado em 05 de maio de 2018 em http://www.sober.org.br/palestra/5/608.pdf.

Devellis, R. F. (1991). Scale Development. London: Sage.

Eckerson, W. W. (2006). Influences Dashboards: Measuring, Monitoring, and Managing Your Business. Business (2nd ed.). John Wiley & Sons, Inc. Recuperado em 12 de outubro de 2018 em https://doi.org/10.2514/6.2008-3494.

Few, S. (2006). Information Dashboard Design. The Effective Visual Communication of Data. O’Reilly.

Gujarati, D. N. & Porter, D. C. (2011). Econometria básica. 5. ed. Porto Alegre: AMGH.

Hair, Jr. J. F.; Babin, B. Money, A. H. & Samouel, P. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman.

Hair, Jr. J. F; Black, W. C; Babin, B. J; Anderson, R. E e Tatham, R. L. (2006). Multivariate Data Analysis. 6. Edição. Upper Saddle River, NJ: Pearson Prentice Hall.

Hair, Jr. J. F; Black, W. C; abin, B. J., Anderson, R. E E & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. 6. ed. Porto Alegre, Bookman.

Hair, Jr. J. F; Black, W. C; Babin, B. J; Anderson, R. E e Tatham, R. L. (2006). Multivariate Data Analysis. 6. Edição. Upper Saddle River, NJ: Pearson Prentice Hall.

Iglésias, W. (2007). O empresariado do agronegócio no Brasil: ação coletiva e formas de atuação política as batalhas do açúcar e do algodão na OMC. Recuperado em 06 de novembro de 2018 em http://www.scielo.br/pdf/rsocp/n28/a06n28.pdf.

Ikechukwu, F. A., Edwinah, A., & Monday, E. O. (2012). Use of Dashboard - A Vital Modrator of Sales Force Competence Management and Marketing Influences Relationship. Information and Knowledge Management, 2(5), 30 40.

Inácio, H. J. (2017). Inteligência de negócio para empresas de pequeno porte: o caso renovare. Recuperado em 23 de novembro de 2018 em http://tede.unioeste.br/bitstream/tede/3122/2/Hermes_J_Inacio_2017.pdf.

Kaushik, A. (2010). "Web Analytics 2.0". Indianapolis, Indiana: Wiley Publishing Inc.

Levine, D. M. Stephan, D. F. & Szabat, K. A. (2016). Estatística – teoria e aplicações usando o Microsoft® Excel em português- tradução e revisão técnica Teresa Cristina Padilha de Souza. - 7. ed. - [Reimpr.]. - Rio de Janeiro: LTC.

Petilio, A., Pereira, M., Perão, G. & Tamae, R. Y. (2007). Um breve estudo da viabilidade de aplicação de técnicas de agricultura de precisão. Revista Científica Eletrônica de Agronomia. 11(6).

Pinto, F. (2007). Balanced Scorecard, alinhar mudança, estratégia e influences nos serviços públicos. Lisboa, Edições Sílabo.

Resnick, A. (2006). Getting on the Same Page: Dashboard Development from Planning to Implementation. Cutter IT Journal, 19(4), 6-13.

Redivo, A. R.; Três, C. & Ferreira, G. A. (2012). A tecnologia da informação aplicada ao Agronegócio: Um estudo sobre o “Sistema Agrogestor” nas fazendas do Município de Sinop/MT. Contabilidade & Amazônia, 1 (1), pp. 43-52.

Sallam, R. Howson, C. Idoine, C. J., Oestreich, T. W., Richardson, J. L. & Tapadinhas, J. (2015). Magic Quadrant for business intelligence and Analytics Platforms, Retrieved from. Recuperado em 23 de setembro de 2018 em http://www.gartner.com/technology/reprints.do?id=1- ACLP1P&ct=150220&st=sb.

Turban, E., Ramesh, S, J, E. & King A. D. (20019). Business intelligence: Um enfoque gerencial para a inteligência do negócio. Porto Alegre: Bookman.

Velcu-Laitinen, O. M. & Yigitbasioglu, O. (2012). The use of Dashboards in Influences Management: Evidence from Sales Managers. The International Journal of Digital Accounting Research, 12, 39–58. https://doi.org/10.4192/1577- .

Wooldridge, J. M. (2001). Econometric analysis of cross section and panel data. Cambridge, MA: MIT Press.

Downloads

Publicado

2021-06-02

Como Citar

Cherobini Orth, A., Blum da Silva, P. ., Cardoso , A. ., & Rodrigues Leonel Correa, J. . (2021). AS INFLUÊNCIAS DOS DASHBOARDS NAS EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO LISTADAS PELA REVISTA FORBES. Revista GEDECON - Gestão E Desenvolvimento Em Contexto, 8(2), 87-106. https://doi.org/10.33053/gedecon.v8i2.242

Edição

Seção

Artigos - Gestão Organizacional