A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS E ESTUDANTES DE CONTABILIDADE DO MATO GROSSO NO USO DO DASHBOARD

Autores

  • Arlete Cherobini Orth UNILASALLE/LUCAS
  • Brenda Triches de Oliveira Universidade do Estado de Mato Grosso, Brasil.
  • Jusceliany   Rodrigues Leonel Correa Universidade do Estado de Mato Grosso, Brasil.
  • Presline Blum da Silva  Universidade do Estado de Mato Grosso, Brasil.
  • Laércio Juarez Melz Universidade do Estado de Mato Grosso, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.33053/gedecon.v8i2.244

Palavras-chave:

Dashboard. Tecnologia. Tomada de decisão.

Resumo

Nos últimos anos, o uso da tecnologia se expandiu por todas as esferas, profissões e setores de mercado. Diante disso, o estudo objetiva verificar as percepções dos estudantes e profissionais de contabilidade do Estado do Mato Grosso para a utilização do dashboard. Para tal, de junho a agosto de 2019, aplicou-se um questionário a 183 sujeitos, entre contadores, técnicos e estudantes de Contabilidade, sendo que a amostra válida é composta por 49 respondentes. Foram utilizados modelos de autores como embasamento para a identificação dos fatores que levam os profissionais a usar o dashboard. A pesquisa é classificada como estudo descritivo e aplicada, com abordagem qualitativa para análise dos dados coletados, os quais são provenientes de fonte primária. Por meio de estatística descritiva, verificou-se que os profissionais concordam que a utilização do dashboard traz benefícios, que vão desde o controle e monitoramento até a tomada de decisão para traçar metas estratégicas, resultando, principalmente, no desempenho organizacional, obtido a partir do aprimoramento do gerenciamento das informações. Dessa forma, é possível afirmar que, diante da maior presença da tecnologia na área contábil, os profissionais estão buscando ferramentas que tragam, além da facilidade, um diferencial competitivo no mercado empresarial.

Biografia do Autor

Brenda Triches de Oliveira, Universidade do Estado de Mato Grosso, Brasil.

 

Discente do curso de Ciências Contábeis - UNEMAT - NOVA MUTUM - MT

Jusceliany   Rodrigues Leonel Correa, Universidade do Estado de Mato Grosso, Brasil.

Mestre em Ciências Contábeis.

 

Presline Blum da Silva , Universidade do Estado de Mato Grosso, Brasil.

 

Mestre em Ciências Empresariais.

Laércio Juarez Melz, Universidade do Estado de Mato Grosso, Brasil.

Doutor em Administração.

Referências

Albertin, A. L.; Albertin, R. M. de M. (2012). Dimensões do uso de tecnologia da informação: um instrumento de diagnóstico e análise. Revista de Administração Pública- RAP, v. 46, n. 1, p. 125-151, 2012. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034- 76122012000100007&script=sci_abstract&tlng=pt.

Araújo, T. D. B. (2015). Exploração de dados para soluções de retalho em Business Intelligence. Dissertação (Mestrado Integrado em Engenharia de Gestão e Sistemas de Informação) – Escola de Engenharia, Universidade do Minho, Minho. PQDT Aberto. http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/40306/1/Dissertacao_TiagoAraujo_A60 298_MIEGSI.pdf.

Barbieri, C. (2011). BI2 - Business Intelligence: modelagem & qualidade. Rio de Janeiro: Elsevier.

Barros, R. M. P. da C. (2015). Dashboarding: projeto e implementação de painéis analíticos. Dissertação (Mestrado Integrado em Engenharia Informática) – Escola de Engenharia, Universidade do Minho, Minho. PQDT Aberto. http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/27858/1/eeum_di_dissertacao_pg19833. pdf..

Beal, A. (2012). Gestão estratégica da informação: como transformar a informação e a tecnologia da informação em fatores de crescimento e de alto desempenho nas organizações. São Paulo: Atlas.

Bezerra, A. A., Siebra, S. A. Implantação e uso de Business Intelligence: um relato de experiência no grupo provider. Revista Gestão Organizacional, v. 13, n. esp., p. 233-243, 2015. http://www.revista.ufpe.br/gestaoorg.

Bezerra, A. A., & Siebra, S. A.. (2014). Business Intelligence: uma perspectiva de soluções aplicadas no contexto da gestão da informação. Encontro de Estudos sobre Tecnologia, Ciência e Gestão da Informação, v. 5.

Bianchi, M.; Backes, R. G.; Giongo, J. A. (2006). Participação da controladoria no processo de gestão organizacional. Contexto, v. 6, n. 10, p. 69-92.

Caldeira, J. (2010). Dashboards: comunicar eficazmente a informação de gestão. Coimbra: Edições Almedina.

Caldeira, J. (2014). Monitorização da performance organizacional. Coimbra: Actual.

Correa, J.R.L.; Nossa, V. (2019). Fatores que influenciam a utilização de sistemas de monitoramento E-Government no Brasil. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade (REPeC), v. 13, n. 3.

Cotrin, A. M.; Santos, A. L. dos; Zotte Júnior, L. (2012). A evolução da contabilidade e o mercado de trabalho para o contabilista. Revista Conteúdo, v. 2, n. 1, p. 44-63.

Eckerson, W. W. (2010). Performance dashboards: measuring, monitoring, and managing your business. John Wiley & Sons. PQDT Aberto. https://doi.org/10.2514/6.2008-3494.

Elena, C. (2011). Business intelligence. Journal of Knowledge Management, Economics and Information Technology, v. 1, n. 2. http://www.scientificpapers.org/wp-content/files/1102_Business_intelligence.pdf.

Few, S. (2006). Information dashboard design. Sebastopol, CA, USA: O’Reilly.

Gutierrez, V. C. P.; Wohnrath, E. P. (2007) O impacto da implantação de novas tecnologias de informação nas organizações. In: Congresso Brasileiro de Custos, 14., 2007, João Pessoa. Anais... São Leopoldo: Associação Brasileira de Custos. PQDT Aberto. https://anaiscbc.emnuvens.com.br/anais/article/view/1517.

Kimball, R.; Ross, M. (2002). The data warehouse toolkit: guia completo para modelagem dimensional. Rio de Janeiro: Campus.

Laudon, K. C.; Laudon, J. P. (2017). Management information systems: managing the digital firm. [S. I.]: Pearson

Maia, M. P. F. (2013). A tecnologia da informação como fator de sobrevivência e vantagem competitiva. Revista Eletrônica Machado Sobrinho, n. 7, p. 1-10. http://www.machadosobrinho.com.br/revista_online/publicacao/artigos/Artigo01REMS7.pdf

Malik, S. (2005). Enterprise dashboards: design and best practices for IT. [S. I.]: John Wiley & Sons.

Marinheiro, A. J. B. (2013). Análise e implementação de open source Business Intelligence. Dissertação (Mestrado em Informática e Sistemas) – Instituto Superior de Engenharia, Instituto Politécnico de Coimbra, Coimbra. PQDT Aberto https://comum.rcaap.pt/handle/10400.26/13433.

Marion, J. C. (2009). Contabilidade empresarial. 15. ed. Atlasa.

Miranda, C. de S. (2017).Planilhas eletrônicas no contexto do profissional contábil: perspectivas de profissionais na área contábil financeiras. Recuperado em 11 de setembro de 2019, de https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4386035/course/section/2101410/Planilhas%20elet r%C3%B4nicas%20no%20contexto%20do%20profissional%20cont%C3%A1bil%20%E2%8 0%93.pdf.

Moreira, M. B. Medeiros, C. A. de. (2018). Princípios básicos de análise do comportamento. Porto Alegre: Artmed.

Piedade, Maria Beatriz . (2011). Business Intelligence no suporte ao conceito e à prática de Student Relationship Management em instituições de ensino superior. PQDT Aberto. https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/20461/1/TeseDout_MariaBeatrizPiedad e_23Abr2012.pdf.

Pimenta, A. M. S.; Quaresma, R. F. C. (2016). A segurança dos sistemas de informação e o comportamento dos usuários. Journal of Information Systems and Technology Management, v. 13, n. 3, p. 533-552: www.scielo.br/pdf/jistm/v13n3/1807-1775-jistm-13-03-0533.pdf.

Plachta, C. A. (2013). Tecnologia no suporte à gestão da informação e aos processos de negócios inteligentes. In: Starec, C.; Gomes, E.; Bezerra, J. (Orgs.). Gestão da informação, inovação e inteligência competitiva: como transformar a informação em vantagem competitiva nas organizações. São Paulo: Saraiva, p. 91-118.

Rocha, S. C. da C.(2016). Indicadores de gestão num sistema de Business Intelligence: o caso de estudo da Glintt Healthcare Solutions. Dissertação (Mestrado em Sistema de Informação de Gestão) – Instituto Superior de Contabilidade e Administração, Instituto Politécnico de Coimbra, Coimbra PQDT Aberto https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/18008/1/S%c3%b3nia_Rocha.pdf.

Santos, I. C.; Rodriguez, Y. Rodriguez; Martius, V. (2008). Evolução do modelo de gestão. In: Congresso Nacional de Excelência em Gestão, 4., 2008, Niterói.

Santos, M. Y. Ramos, I. (2006). Business Intelligence: tecnologias da informação na gestão de conhecimento. Lisboa: FCA.

Selegatto, D. A. Generoso, F. H.Zeneratto, L.A, Silva, R.D.C. (2005). Business Intelligence. Trabalho (Disciplina Tópicos em Engenharia de Computação) – Faculdade de Engenharia de Computação, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas. PQDT Aberto. http://www.cesarkallas.net/arquivos/faculdade/monografias/Bussiness_Intelligence.pdf.

Serrano, A.; Jardim, N. U. N. O. (2007). Disaster recovery: um paradigma na gestão do conhecimento. Lisboa: FCA.

Silva, A. Vantagens e desvantagens das tecnologias de informação e comunicação. 2012. Disponível em: <http://www.notapositiva.com/old/pt/trbestbs/geografia/11_vant_desv_tecn_inf_comun_d.htm>. Acesso em: 14 jul. 2019.

Silva, P. B. da. Influências dos dashboards nas empresas do agronegócio listadas pela revista Forbes. Dissertação (Mestrado em Ciências Empresariais) – Universidade Fernando Pessoa, Porto, 2019. Disponível em: <https://bdigital.ufp.pt/handle/10284/7751>. Acesso em: 21 maio 2019.

Turban, E., Sharda, R., Aronson, J. E. & King D. (2009). Business intelligence: um enfoque gerencial para a inteligência do negócio. Porto Alegre: Bookman.

Vieira, Maria Inês Paraíso. (2017). Monitorização do desempenho através de dashboards. Dissertação (Mestrado em Auditoria Empresarial e Pública) – Instituto Superior de Contabilidade e Administração, Instituto Politécnico de Coimbra, Coimbra, 2017. PQDT Aberto. https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/21147/1/Maria_Vieira.pdf.

Wieneke, F. (2009). Gestão da produção: planejamento da produção e atendimento de pedidos. São Paulo: Blucher, 2009.

Downloads

Publicado

2021-06-02

Como Citar

Cherobini Orth, A., Triches de Oliveira, B. ., RodriguesLeonelCorrea,J. , Blum da Silva , P. ., & Juarez Melz, L. . (2021). A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS E ESTUDANTES DE CONTABILIDADE DO MATO GROSSO NO USO DO DASHBOARD. Revista GEDECON - Gestão E Desenvolvimento Em Contexto, 8(2), 69-86. https://doi.org/10.33053/gedecon.v8i2.244

Edição

Seção

Artigos - Gestão Organizacional