A CASA SCHINKE COMO LEGADO DO PATRIMÔNIO MATERIAL

Autores

  • Cláudio Renato de Mello UNICRUZ
  • Solange da Silva Portz
  • Valdir Gregory

DOI:

https://doi.org/10.33053/gedecon.v8i2.302

Resumo

Considerado o primeiro fotógrafo de Foz do Iguaçu, Harry Schinke (1902-1976) retratou os aspectos cotidianos da cidade e do seu povo; seus fatos históricos e monumentos. Neste percurso, o presente artigo pretende discutir algumas questões sobre como alguns símbolos e elementos pertencentes à cultura de Foz do Iguaçu, retratados por Schinke, contribuíram para a construção e manutenção de identidade local. A casa onde o personagem viveu está em vias de patrimonialização, nesse sentido é pertinente refletirmos sobre a importância do bem para a construção da memória. A metodologia de investigação é a pesquisa bibliográfica e documental, trazendo os fundamentos da interdisciplinaridade, tendo como diretrizes as principais ideias de Nora (1993), em seu artigo “Entre Memória e História: A problemática dos lugares”; de Ginzburg (2008), ao direcionarmos nosso olhar investigativo à procura de “sinais”, “pistas” ou “indícios” – reveladores acerca dos fenômenos da realidade. Consideram-se ainda as reflexões de Argan (1998), sobre a arquitetura como disciplina independente e suas relações com a cultura e a memória. Para a análise documental, trazemos como orientação, algumas fotografias de Schinke, bem como o espaço de sua casa e seu entorno imediato, pensando sobre como se deu a apropriação deste exemplar arquitetônico, transformado em “lugar de memória” e constituído como patrimônio cultural. Como principais resultados, considera-se que as reflexões sobre as relações entre história, memória e identidade sejam uma grande contribuição à forma de se opor ao acelerado efeito devastador da contemporaneidade, que ocorre pela cristalização de traços e vestígios de um tempo que se foi.

Referências

BALTHAZAR, Alexandre. Foz 100 Anos: Harry Schinke e o Museu da Fotografia do Iguassu. 2013. (07m44s). Disponível em < https://www.youtube.com/watch?v=CQwv79ozHRo>. Acesso em 19 set. 2017.

BALTHAZAR, Alexandre. UDC – Patrimônio Cultural: Harry Schinke, Foz do Iguaçu. 2009. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=jdt0-CYMk-Y>. Acesso em 19 set. 2017.

CAMPANA, Fábio. Viagens nas fronteiras da memória. Revista Ideias, 2020. Disponível em <https://www.revistaideias.com.br/2020/08/10/viagem-nas-fronteiras-da-memoria/>. Acesso em 13 out. 2020.

CANDAU, Joel. Memória e identidade. Trad. de Maria Letícia Ferreira. São Paulo: Contexto, 2011.

CORRÊA, Marcos Sá. Meu vizinho, o Parque Nacional do Iguaçu, 2016.

GINZBURG, Carlo. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictícios. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

GONSALVES, Janice. Pierre Nora e o Tempo Presente: Entre a Memória e o Patrimônio Cultural. Historiæ, Rio Grande, 3 (3): 27-46, 2012.

GRELLMANN, Annie. Harry Schinke: O homem que Foz não deveria esquecer. Revista 100 Fronteiras, Jan. 2016.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HENÁNDEZ, Josep Bailan. El Valor del Patrimonio Histórico. Complutum Extra, 6(II), 1996: 215-224. Disponível em <https://.ucm.es/esindex.php/CMPL/article/viewFile/CMPL>. Acesso em 13 set. 2017.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas, Unicamp, 1984.

JORNAL EL LIBERAL, Asunción, Paraguai, 09 de outubro de1929.

MENESES, Ulpiano Toledo Bezerra. O campo do patrimônio cultural: uma revisão de premissas. In: ANAIS, I Fórum de Patrimônio Cultural. Ouro Preto, 2009.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História. São Paulo: PUC-SP. N° 10, p. 12. 1993.

PULCINELLI, Cláudia; RICHARDS, Elliot; PAULUK, Paula. Patrimônio Histórico Cultural. Centro Universitário Dinâmica das Cataratas – UDC. Foz do Iguaçu, 2013.

Revista 100 fronteiras. Moisés Bertoni e a História de Foz do Iguaçu. Disponível em <http://100fronteiras.com/materia/moises-bertoni-e-a-historia-em-foz-do-iguacu>. Acesso em 19 set. 2017.

Revista 100 Fronteiras. Bertoni, o homem que Foz esqueceu. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=g3M2jXCsBr4>. Acesso em set. 2017.

RECIEL. Casa onde morreu Moisés Bertoni está à venda em Foz. 2017. Disponível em <https://gdia.com.br/noticia/06-49>. Acesso em set. 2017.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas, SP: editora das Unicamp, 2007.

SCHIMMELPFENG, Ottília. Retrospectos Iguaçuenses. Foz do Iguaçu – Paraná: Editora Tezza, 1991.

SILVA, Célio. Casa da Memória Fotográfica para Foz do Iguaçu e Hotel Schinke. Trabalho Final de Graduação (TFG), Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Centro Universitário Uniamérica, Foz do Iguaçu, 2019.

Downloads

Publicado

2021-06-02

Como Citar

Mello, C. R. de, Portz, S. da S., & Gregory, V. (2021). A CASA SCHINKE COMO LEGADO DO PATRIMÔNIO MATERIAL. Revista GEDECON - Gestão E Desenvolvimento Em Contexto, 8(2), 1-15. https://doi.org/10.33053/gedecon.v8i2.302

Edição

Seção

Artigos - Arquitetura e Urbanismo