A CULTURA DO “JEITINHO BRASILEIRO”: ANÁLISE COMPARATIVA ORGANIZACIONAL ENTRE OS SETORES PÚBLICO E PRIVADO

Autores

  • Raquel de Azevedo Pereira UERGS

DOI:

https://doi.org/10.33053/gedecon.v9i2.420

Palavras-chave:

Cultura organizacional, Jeitinho brasileiro, Setor público e privado

Resumo

Por meio de suas origens, características e aspectos gerais, é possível realizar diversas análises sob perspectiva de uma cultura brasileira, diversificada e polêmica. Por isso, o objetivo do trabalho é realizar uma análise comparativa entre os setores públicos e privado, no que diz respeito a cultura do “jeitinho” brasileiro. Esta pesquisa é de caráter bibliográfico e abordagem qualitativa, por intermédio de revisões da literatura citada. Destaca-se a relevância do estudo, principalmente porque o jeitinho brasileiro vem sendo objeto de vários estudos para uma reestruturação do mercado internacional, seja pela valorização de trabalhadores brasileiros no exterior, bem como pelo interesse de estrangeiros para trabalhar no Brasil. Não se pode dizer que o jeitinho é único e exclusivo brasileiro, pesquisas evidenciam características iguais e/ou semelhantes em diversos países, porém, estudos nos mostram que é um destaque em nosso país, nos mais diversos lugares e situações, o impacto do jeitinho no aperfeiçoamento tecnológico e no antagonismo industrial.

 

Referências

ALCADIPANI, R. CRUBELLATE, J. M. Cultura Organizacional: Generalizações

improváveis e conceituações imprecisas. Revista de Administração de Empresas, São

Paulo, v. 43, n. 2, p. 64-77, 2003.

BARBOSA, L. O jeitinho brasileiro. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

BARBOSA, L. O jeitinho brasileiro: a arte de ser mais igual do que os outros. RJ: Elsevier,

BARLACH, L. O jeitinho brasileiro: entre a criatividade e a corrupção, a percepção dos

estrangeiros sobre o Brasil. Braz. J. of Develop. Curitiba, v.6, n.11,p. 86772-86777, nov.2020.

BARROSO, L. R. Ética e jeitinho brasileiro: por que a gente é assim. In: Lecture. Harvard

Brazil Conference, Cambridge MA. 2017.

BELON, Ana Paula et al. Atendimentos de emergência a vítimas de violências e acidentes:

diferenças no perfil epidemiológico entre o setor público e o privado. VIVA - Campinas/

SP, 2009. Ciênc. Saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 9, p. 2279-2290, Sept. 2012.

Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-

&lng=en&nrm=iso>.

BOCCATO, V. R. C. Metodologia da pesquisa bibliográfica na área odontológica e o artigo

científico como forma de comunicação. Rev. Odontol. Univ. Cidade São Paulo, São Paulo,

v. 18, n. 3, p. 265-274, 2006.

BOSI, A. Dialética da Colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BRASIL, Senado Federal. Constituição Federal, Art. 208. Disponível em:

senado.leg.br/atividade/const/con1988/CON1988_15.09.2015/art_208_.asp>. Acesso em: 30

de nov de 2020.

COELHO, R. C. O público e o privado na gestão pública. 3. ed. rev. atual. Florianópolis:

Departamento de Ciências da Administração / UFSC; Brasília, CAPES: UAB, 2014.

DaMATTA, R. O que faz o brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

DaMATTA, R. O que faz o Brasil, Brasil? 5.ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1984.

DAVIS, S. Managing Corporate Culture. New York, Harper & Row Publishers,

FREYRE, G. Casa-grande & senzala. 45 ed. Rio de Janeiro: Record, 2002.

GOMES, D. C. MORAES, A. F. G. de. HELAL, D. H. Faces da cultura e do jeitinho

brasileiro: uma análise dos filmes o auto da compadecida e saneamento básico. Holos, [S.l.],

v. 6, p. 502-519, dez. 2015. ISSN 1807-1600.

HOLANDA, S. B. de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

MANSUR, J.A.; SOBRAL, F. J. B.A. Política na terra do “jeitinho”: consequências dos

comportamentos políticos em organizações no Brasil.RAM, Rev. Adm. Mackenzie, São

Paulo, v. 12, n. 6, p. 165-191, Dez. 2011. Disponível em: <http://editorarevistas.mackenzie.br/

index.php/RAM/article/view/2817>.

MARTIN, J. Organizational Culture – mapping the terrain. Thousand Oaks, Sage

Publications, 2002.

MASSUKADO-NAKATANI, M. S. MUSSI, F. M. PEDROSO, J. P. P. A relação entre o

jeitinho brasileiro e o perfil empreendedor: possíveis interfaces no contexto da atividade

empreendedora no Brasil. RAM, v. 10, n. 4. São Paulo, Jul./Ago. 2009, pp. 100-130.

MORAES, A.F.G.; GOMES, D. C. Cultura e jeitinho brasileiro: uma análise dos filmes tropa

de elite 1 e 2. In: ENCONTRO DA ANPAD, 38, 2014, Rio de Janeiro.. Anais... [recurso

eletrônico]. Rio de Janeiro: ANPAD, 2014. Disponível em:<http://www.anpad.org.br/admin/

pdf/2014_EnANPAD_EOR1206.pdf>.

MOTTA, F. C. P. ALCADIPANI, R. Jeitinho brasileiro, controle social e competição. Rev.

adm. empres. , São Paulo, v. 39, n. 1, pág. 6-12, março de 1999.

PEDROSO, J. P. P.; MASSUKADO-NAKATANI, M. S.; MUSSI, F. B. A relação entre o

jeitinho Brasileiro e o perfil empreendedor: possíveis interfaces no contexto da atividade

empreendedora no Brasil. RAM, Rev. Adm. Mackenzie (Online), São Paulo, v. 10, n. 4, p.

-130, Aug. 2009.

PRADO, M. C. A. ‘Jeitinho’ e cultura organizacional brasileira – ultrapassando

a abordagem de integração. FGV-EAESP/GVPESQUISA. 2005. Disponível em:

< https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/3213/P00337_1.

pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 25 de agosto de 2020.

PRADO, A. M. O jeitinho brasileiro: uma revisão bibliográfica. Revista Horizonte

Científico, v. 10, n. 1, 2016.

QUEIROZ, M. I. P. “Identidade Cultural, Identidade Nacional no Brasil”. Tempo Social -

Rev. Sociologia da USP. S. Paulo, 1(1), 1o sem. 1989.

RIBEIRO, D. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia

das Letras, 1995.

RESENDE, M. M. (2015). Jeitinho brasileiro tem jeito? O efeito do jeitinho brasileiro e

da identidade moral no comportamento ético nas organizações. Dissertação de mestrado.

Recuperada de http://repositorio.unb.br/handle/10482/19932.

SAMPAIO, Breno; GUIMARAES, Juliana. Diferenças de eficiência entre ensino

público e privado no Brasil. Econ. Apl., Ribeirão Preto, v. 13, n. 1, pág. 45-68, março de

Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-

&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 24 de setembro de 2020. https://doi.

org/10.1590/S1413-80502009000100003.

SANTOS, K. de A. Corrupção e desenvolvimento: revisão da literatura e evidências

empíricas preliminares. Dissertação de mestrado – ciência política. Universidade Federal de

Pernambuco, 2017.

SILVEIRA, D. T. GERHARDT, T. E. (eds.). Métodos de pesquisa. Porto Alegre, RS: Editora

da UFRGS, 2009. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsSerie/derad005.

pdf>. Acesso em: 20 de agosto de 2020.

SMITH, P. B., HUANG, H. J., HARB, C., & TORRES, C. (2012). How distinctive are

indigenous ways of achieving influence? A comparative study of guanxi, wasta, jeitinho

and “pulling strings”. Journal of Cross-Cultural Psychology, 43(1), 135-150. doi:

1177/0022022110381430

SOUZA, M. C. F.; FERREIRA, G. N. Análise do conceito de “jeitinho brasileiro” como

mecanismo de proveito e suas desvantagens sociais. Revista Saberes Universitários, [S. l.],

v. 1, n. 2, p. 47–64, 2016. Disponível em: <https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/

saberes/article/view/7221>. Acesso em: 9 dez. 2020.

TIDEY, A. P. do O. A falsificação de produtos de moda e suas formas de consumo.

Anais...11º Colóquio de Moda/ 8ª Edição Internacional; setembro 2015; Curitiba. Curitiba:

Universidade Positivo; 2015. p.

TORRES, C. V., Alfinito, S., Galvão, C. A. S. P., & Tse, B. C. Y. (2015). Brazilian jeitinho

versus Chinese guanxi: investigating their informal influence on international business.

Revista de Administração Mackenzie, 16(4), 77-99. doi: 10.1590/1678-69712015/

administracao.v16n4p77-99

WACHELKE, J.; PRADO, A. M. A Ideologia do jeitinho brasileiro. Revista Psicologia e

Saber Social, v. 6 n. 2, 2017.

Downloads

Publicado

2022-02-15

Como Citar

de Azevedo Pereira, R. (2022). A CULTURA DO “JEITINHO BRASILEIRO”: ANÁLISE COMPARATIVA ORGANIZACIONAL ENTRE OS SETORES PÚBLICO E PRIVADO. Revista GEDECON - Gestão E Desenvolvimento Em Contexto, 9(2), 55 - 71. https://doi.org/10.33053/gedecon.v9i2.420

Edição

Seção

Artigos GEDECON