ACEITAÇÃO DA SOJA NA ALIMENTAÇÃO HUMANA POR ACADÊMICOS DA UNICRUZ

Autores

  • Simone de Fátima Machado dos Santos UNICRUZ
  • Letícia Colvero Panazollo
  • José Luiz Tragnago

DOI:

https://doi.org/10.33053/revint.v8i1.320

Palavras-chave:

Transgênicos, Biossegurança, Glycine max

Resumo

A cultura da soja (Glycine max L. Merrill), produzida mundialmente, caracteriza-se como uma das mais importantes commodities agrícolas. O aumento na produção da soja ao longo dos anos direcionou a pesquisa para que se optasse pela transgenia como alternativa para aumentar a lucratividade e a qualidade nutricional para humanos e animais. Frente a diversas dúvidas e mitos em relação aos alimentos transgênicos, o presente trabalho objetivou desvendar a percepção e aceitação do público acadêmico da Unicruz sobre o tema. O trabalho fez o uso da pesquisa descritiva, realizada na sala de aula dos participantes, mediante o preenchimento de um questionário. Participaram da pesquisa noventa e seis acadêmicos, sendo todos alunos da Universidade de Cruz Alta (Unicruz). A escolha pelos discentes deu-se aleatoriamente, sem critérios previamente definidos. O questionário continha identificação dos participantes quanto ao curso, semestre, idade, sexo e renda. Foi elaborado com perguntas abertas e fechadas, que visavam a identificação e percepção dos participantes em relação ao conhecimento e aceitação ou não sobre organismos geneticamente modificados (OGM’s). O tema se faz presente no cotidiano da população, porém, durante a pesquisa, foi possível observar que há um déficit de conhecimento sobre o assunto pela sociedade, ora por desinteresse, ora por falta de informação. Além do desconhecimento, tem-se alto índice de pessoas que discriminam o uso de OGM’s, embasando seu posicionamento no fato de que podem causar malefícios aos consumidores. Observando o alto percentual de desconhecedores do assunto, urge a necessidade de se ampliar a abordagem do tema, tanto para acadêmicos como à população em geral, apresentando-lhes embasamentos científicos que possam levá-los a construir uma ideia coesa sobre o assunto, evitando, assim, alienações e conceitos errôneos.

Referências

ALVES, G. S. A biotecnologia dos transgênicos: precaução é a palavra de ordem. Disponível em: <http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/viewFile/33/34>. Acesso em: 20 abr. 2019.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BONETTI, L. P. A polêmica dos transgênicos. Cruz Alta: Editora Centro Gráfico UNICRUZ, 2001.

CORREIA, M. C.; et al. Perfil químico-bromatológico de cultivares de soja convencional e transgênico (Glycine max L.). Journal of Basic and Applied Pharmaceutical Sciencies, v. 38, n. 2, 2017.

GUERRANTE, R. Di S. Transgênicos: uma visão estratégica. Rio de Janeiro: Interciência, 2003.

HIRAKURI, M. H.; LAZZAROTTO, J. J. Evolução e perspectivas de desempenho econômico associadas com a produção de soja nos contextos mundial e brasileiro. Embrapa Soja. Documentos 319. Londrina, Pr. 2011.

RECH, E. Dos vegetais emerge uma nova fonte de substâncias terapêuticas. CIB/Biotech., v.2, n. 1, fev. 2004, 4 p.

Downloads

Publicado

2021-02-26

Como Citar

de Fátima Machado dos Santos, S., Colvero Panazollo, L., & Tragnago, J. L. (2021). ACEITAÇÃO DA SOJA NA ALIMENTAÇÃO HUMANA POR ACADÊMICOS DA UNICRUZ. REVISTA INTERDISCIPLINAR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, 8(1), 38-47. https://doi.org/10.33053/revint.v8i1.320

Edição

Seção

Mostra de Iniciação Científica - Ciências Exatas, Agrárias e Engenharias