ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO PREMATURO: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Autores

  • Jéssica Martins de Matos Felippi Universidade de Cruz Alta
  • Carina Ribas
  • Janquieli Guareschi
  • Vera Lucia Freitag Universidade de Cruz Alta - UNICRUZ, Cruz Alta, RS, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.33053/revint.v8i1.358

Palavras-chave:

Prematuridade, Assistência de enfermagem, Saúde, Família

Resumo

A gestação é o período compreendido entre a fecundação e o nascimento, sendo que o parto a termo ocorre normalmente entre as 38 a 41 semanas gestacionais. O nascimento antes das 37 semanas gestacionais configura-se prematuridade. O parto prematuro traz maiores riscos à vida e saúde do bebê, sendo que quanto mais antecipado, maiores as possibilidades de agravos e óbito infantil. Neste contexto, este trabalho tem como objetivo relatar a experiência vivenciada em estágio curricular do curso de enfermagem na disciplina de Enfermagem na Saúde da Criança. Trata-se de um estudo de caso de natureza qualitativa, obtida em estágio acadêmico curricular na disciplina de Enfermagem em Saúde da Criança, realizado em centro especializado no cuidado à saúde da mulher e da criança e adolescente, localizado ao noroeste do estado do Rio Grande do Sul do Brasil. Os resultados demonstraram a importância do cuidado de enfermagem a criança prematura e sua família, especialmente no que tange a consulta de puericultura, por meio desta, acompanhar e auxiliar no crescimento e desenvolvimento saudável da criança. Conclui-se que o enfermeiro necessita observar aspectos intrínsecos à prematuridade, correlacionando os conhecimentos teóricos com a prática, visto que a prematuridade gera maior demanda de cuidados complexos por meio de uma equipe multiprofissional, especialmente no que concerne a escuta prestada a mãe, identificou-se e sanando dúvidas quanto ao peculiar cuidado fornecido ao filho.

Referências

GAÍVA, M. A. M.; ALVES, M. D. D. S. M.; MONTESCHIO, C. A. C. Consulta de enfermagem em puericultura na estratégia saúde da família. Rev Soc Bras Enferm Ped., v. 19, n. 2, p. 65-73, 2019.

GONZAGA, I.C.A; et al. Atenção pré-natal e fatores de risco associados à prematuridade e baixo peso ao nascer em capital do nordeste brasileiro. Ciênc. saúde colet., v. 21, v. 6, 2016.

MELO, R. A.; TAVARES, A. K.; FERNANDES, F. E. C. V.O.; AMANDO, A. R. Nurses’ understanding of newborn care in oxygen therapy/Compreensão do enfermeiro sobre o cuidado ao recém-nascido em oxigenoterapia. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, v. 11, n. 1, p. 31-39, 2019.

PESSOA, T.A.O.; et al. O crescimento e desenvolvimento frente à prematuridade e baixo peso ao nascer. Avances en Enfermería, v. 33, n. 3, 2015.

SAMPAIO, A.S. Prematuridade: fatores de risco, consequências e assistência de enfermagem. 2019. 31f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Enfermagem) – Faculdade Pitágoras, São Luís, 2019.

SBP. SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Prevenção da prematuridade: uma intervenção da gestão e da assistência. Rio de Janeiro: Departamento Científico de Neonatologia, Sociedade Brasileira de Pediatria; 2017. p. 1-6. (Documento científico; 2). Disponível em: < https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/20399b-DocCient_-_Prevencao_da_prematuridade.pdf>.

SILVA, C.A.; et al. Desenvolvimento de prematuros com baixo peso ao nascer nos primeiros dois anos de vida. Rev. paul. pediatr., v. 29, n. 3, p. 328-335, 2011

YIN, R.K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4ª ed. Porto Alegre (RS): Bookman; 2010.

WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Preterm birth. Switzerland: WHO, 2017. Disponível em: <http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs363/en/>. Acesso em: 04 out. 2020.

Downloads

Publicado

2021-02-26

Como Citar

Martins de Matos Felippi, J., Ribas, C., Guareschi, J., & Freitag, V. L. (2021). ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO PREMATURO: RELATO DE EXPERIÊNCIA. REVISTA INTERDISCIPLINAR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, 8(1), 233-240. https://doi.org/10.33053/revint.v8i1.358

Edição

Seção

Mostra de Iniciação Científica - Ciências Biológicas e da Saúde