A SOCIEDADE E AS NOVAS TECNOLOGIAS: AFINAL O QUE É POSSÍVEL ESPERAR DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL NO CONTEXTO HERMENÊUTICO DO DIREITO?

Autores

  • Vinicius Farias Noronha Unicruz
  • Camila Kuhn Vieira Universidade de Cruz Alta
  • Solari de Souza Pereira Junior Universidade de Cruz Alta
  • Arthur Léo Wayhs Neto Universidade de Cruz Alta
  • Cristian Renan Porto Coffy Universidade de Cruz Alta
  • Marcelo Cacinott Costa Universidade de Cruz Alta

DOI:

https://doi.org/10.33053/revint.v8i1.368

Palavras-chave:

Inteligência artificial, Novas tecnologias, Hermenêutica jurídica

Resumo

O presente artigo, oriundo das discussões e reflexões dos Projetos de Pesquisa denominados Práticas Socioculturais e as Novas Tecnologias e Compliance e Práticas Socioculturais se destinam a analisar a aplicabilidade da IA (inteligência artificial) nos diversos âmbitos do Direito, ressaltando a sua importância e a sua contribuição para a celeridade, rapidez processual e distribuição da justiça, embora possam advir reflexos e efeitos colaterais prejudiciais à adequada interpretação jurídica quase sempre caudatária de graves violações a direitos fundamentais.

Referências

ANDRADE, Mariana Dionísio de. A utilização do Sistema R-Studio e da jurimetria como ferramentas complementares à pesquisa jurídica. Revista Quaestio Iuris, Rio de Janeiro, v. 11, n. 02, p. 680 – 692, 2018.

ARRUDA, Andrew. The world’s first AI legal assistant [internet], 2016. Disponível no youtube Acesso em: 30 set. 2020.

CARVALHO, Angelo Gamba Prata de (Coord.). Tecnologia jurídica e direito digital: I In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE DIREITO E TECNOLOGIA, 2017, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: Fórum, 2018.

COMPUTERWORLD. Inteligência artificial e o setor jurídico: AI pode substituir advogados? 01 de fevereiro de 2019. Disponível em: https://computerworld.com.br/2019/02/01/inteligencia-artificial-e-o-setor-juridico-ai-pode-substituir-advogados/. Acesso em: 28 set 2020.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Relatório Justiça em Números 2020: ano-base 2019/Conselho Nacional de Justiça - Brasília: CNJ, 2020. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/2020/08/WEB-V3-Justi%C3%A7a-em-N%C3%BAmeros-2020-atualizado-em-25-08-2020.pdf Acesso em: 28 set 2020.

COSTA. Marcelo Cacinotti. O Método dos Indícios Formais de Martin Heidegger e a Contribuição da Moral como condição de possibilidade para uma adequada aplicação do Direito. 2015. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade do Vale dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo, 2015.

DWORKIN, Ronald. Justiça para Ouriços. Coimbra: Almedina, 2012.

GIANNAKOS, Demétrio Beck da Silva. Inteligência Artificial e o Direito: uma realidade inevitável. Portal jurídico: Migalhas, 2020. Disponível em: <https://www.hibrido.com.br/o-impacto-economico-do-google-no-mercado-brasileiro/>. Acesso em: 07 out. 2020.

HARTMANN PEIXOTO, Fabiano. Inteligência artificial e direito. 1 ed. Curitiba: Alteridade Editora, 2019.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. Parte I. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

HEIDEGGER, Martin. O Conceito de Tempo. Prólogo. Lisboa: Fim de Século, 2003.

HOMMERDING, Adalberto Narciso. Fundamentos para uma compreensão hermenêutica do processo civil. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.

LEAL, André Cordeiro. Instrumentalidade do processo em crise. Belo Horizonte: Mandamentos, Faculdade de Ciências Humanas, FUMEC, 2008.

LUZ, Eduardo Silva. Inteligência artificial na justiça: conheça 2 projetos nos tribunais. Portal SAJADV (Site Judiciário), Brasília, 2020. Disponível em:< https://blog.sajadv.com.br/inteligencia-artificial-justica/>. Acesso em: 07 out. 2020.

MARRAFON, Marco Aurélio. Constituição e Poder: Filosofia da linguagem e limites da Inteligência Artificial na interpretação jurídica. Revista Consultor Jurídico, Brasília [DF], 2019 a. Disponível em: < https://www.conjur.com.br/2019-jul-22/constituicao-poder-filosofia-linguagem-limites-ia-interpretacao-juridica>. Acesso em: 08 out. 2020.

MARRAFON, Marco Aurélio. Constituição e Poder: Filosofia da linguagem e limites da Inteligência Artificial na interpretação jurídica. Revista Consultor Jurídico, Brasília [DF], 2019 b. Disponível em:< https://www.conjur.com.br/2019-jul-22/constituicao-poder-filosofia-linguagem-limites-ia-interpretacao-juridica>. Acesso em: 08 out. 2020.

MOTTA, Francisco José Borges. Levando o direito a sério: uma crítica hermenêutica ao protagonismo judicial. Florianópolis: Conceito, 2010.

NUNES, Dierle José Coelho. Processo jurisdicional democrático: uma análise crítica das reformas processuais. Curitiba: Juruá, 2008a.

NUNES, Dierle José Coelho. Comparticipação e policentrismo. Belo Horizonte: Del Rey, 2008b.

OLIVEIRA, Rafael Tomaz de. Decisão judicial e o conceito de princípio: a hermenêutica e a (in)determinação do direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008.

ROSA, Alexandre Morais da. Quando o juiz veste Prada, a moda dita a hermenêutica. Revista Consultor Jurídico, Brasília [DF], 2014. Disponível em:< https://www.conjur.com.br/2014-mai-03/diario-classe-quando-juiz-veste-prada-moda-dita-hermeneutica>. Acesso em: 30 set. 2020.

SILVA, Nilton Correia da. Notas iniciais sobre a evolução dos algoritmos do Victor: o primeiro projeto em inteligência artificial em supremas cortes do mundo. In: FERNANDES, R.V.C.; CARVALHO, A.G. P. (Coord.). Tecnologia jurídica & direito digital: II In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE DIREITO, GOVERNO E TECNOLOGIA, 2018, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: Fórum, 2018.

STEIN, Ernildo. Nas proximidades da antropologia: ensaios e conferências filosóficas. Ijuí: Unijuí, 2003.

STEIN, Ernildo. Pensar e Errar: um ajuste com Heidegger. Ijuí: Editora Unijuí, 2011.

STF, Supremo Tribunal Federal. Portal Notícias STF. “Ministra Cármen Lúcia anuncia início de funcionamento do Projeto Victor, de inteligência artificial”. Brasília [DF], 2018a. Disponível em: <http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=388443>. Acesso em: 28 set. 2020.

STF, Supremo Tribunal Federal. Portal Notícias STF. Inteligência artificial vai agilizar a tramitação de processos no STF. Brasília [DF], 2018b. Disponível em: < http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=380038>. Acesso em: 29 set 2020.

STRECK, Lenio Luiz. Verdade e Consenso: Constituição, hermenêutica e teorias discursivas. São Paulo: Saraiva, 2011.

STRECK, Lenio Luiz. Verdade e consenso: Constituição, hermenêutica e teorias discursivas. Da possibilidade à necessidade de respostas corretas em Direito. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.

STRECK, Lenio Luiz; OLIVEIRA, Rafael Tomaz de; TRINDADE, André Karam. O “cartesianismo processual” em Terrae Brasilis: a filosofia e o processo em tempos de protagonismo judicial. Revista Novos Estudos Jurídicos - NEJ, Itajaí, v.18, n.1, p.05-22, 2013.

STRECK, Lenio Luiz. Senso Incomum: Conhecimento fast food, Homer Simpson e o Direito. Revista Consultor Jurídico, Brasília [DF], 2012. Disponível em:< http://www.conjur.com.br/2012-mai-24/senso-incomum-conhecimento-fast-food-homer-simpson-direito>. Acesso em: 08 out. 2020.

TEIXEIRA, Tarcísio.; CHELIGA, Vinicius. Inteligência Artificial: aspectos jurídicos. Salvador: JusPodivm, 2020.

WARAT, Luis Alberto. A ciência jurídica e seus dois maridos. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2000.

Downloads

Publicado

2021-02-26

Como Citar

Farias Noronha, V., Vieira, C. K. ., Pereira Junior, S. de S. ., Neto, A. L. W. ., Coffy, C. R. P. ., & Costa, M. C. . (2021). A SOCIEDADE E AS NOVAS TECNOLOGIAS: AFINAL O QUE É POSSÍVEL ESPERAR DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL NO CONTEXTO HERMENÊUTICO DO DIREITO?. REVISTA INTERDISCIPLINAR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, 8(1), 269-283. https://doi.org/10.33053/revint.v8i1.368

Edição

Seção

Mostra de Pós-Graduação - Ciências Sociais e Humanidades