A PESQUISA CIENTÍFICA COMO PRÁTICA SOCIAL DE RESISTÊNCIA DAS MULHERES

Autores

  • Vanessa Thomas Becker Universidade de Cruz Alta
  • Nariel Diotto
  • Tiago Anderson Brutti
  • Sirlei de Lourdes Lauxen

DOI:

https://doi.org/10.33053/revint.v8i1.371

Palavras-chave:

Desigualdade de gênero, Pesquisa, Prática social, Resistência

Resumo

O presente artigo visa demonstrar a importância da pesquisa científica como prática social de resistência, principalmente para as mulheres que, dentro do meio acadêmico, foram silenciadas e inferiorizadas, devido a uma cultura essencialmente patriarcal. Por meio de pesquisa bibliográfica e realizando a análise de figuras com dados estatísticos, buscou-se demonstrar a condição histórico-cultural das mulheres, subjugadas em virtude do gênero, partindo para a análise da necessidade de práticas de resistência com o objetivo de promoção da equidade. Por fim e usando de dados estatísticos, foram demonstradas as disparidades entre os gêneros dentro da academia, fundadas no sexismo, que impedem que a mulher atinja em grau de igualdade a mesma produtividade que o gênero masculino.

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 05 de outubro de 1988. In: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 5 out. 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em: 2 out. 2020.

CELMER, Elisa Girotti. Feminismos, discurso criminológico e demanda punitiva: uma análise do discurso de integrantes de organizações não governamentais feministas sobre a lei 11.340/06. 1. ed. Curitiba: CRV, 2015.

CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. 6. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

COSTA, Ana Alice. Gênero, poder e empoderamento das mulheres. Seminário de aprofundamento do trabalho com gênero no Pró-Gavião, Universidade Federal da Bahia, 2000. Disponível em: http://www.neim.ufba.br/site/arquivos/file/textosapoio1.PDF. Acesso em: 31 ago. 2020.

FERRAZ, Liz de Oliveira Motta. Na contramão do conhecimento científico sexista: direções alternativas na perspectiva de gênero. Revista Espaço Acadêmico, n. 92, jan., 2009.

FREITAS, Erani Cesar de; PRODANOV, Cleber Cristiano. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

GARCIA, Carla Cristina. Breve História do Feminismo. São Paulo: Claridade LTDA, 2011.

GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo (Orgs.). Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

LIMA, Leonice Domingos dos Santos Cintra; HORTA, Rita de Cássia Alves. As ciências humanas e sociais no processo de reconstrução da sociedade na perspectiva cidadã. E-cadernos CES, Coimbra, fevereiro de 2008. Disponível em: http://journals.openedition.org/eces/1359. Acesso em: 01 set. 2020.

MARIANI, Daniel; OSTETTI, Vitória; ALMEIDA, Rodolfo. A participação de mulheres na pesquisa científica. Nexo Jornal, 26 abr. 2017. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/grafico/2017/04/26/A-participa%C3%A7%C3%A3o-de-mulheres-na-pesquisa-cient%C3%ADfica. Acesso em: 02 set. 2020.

MARQUES, Mario Osorio. Escrever é preciso: os princípios da pesquisa. 4. ed. Ijui: Ed. Unijui, 2001.

PEDRO, Claudia Bragança; GUEDES, Olegna de Souza. As conquistas do movimento feminista como expressão do protagonismo social das mulheres. In: Simpósio sobre Estudos de Gênero e Políticas Públicas, I, 2010. Anais… Disponível em: http://www.uel.br/eventos/gpp/pages/arquivos/1.ClaudiaBraganca.pdf. Acesso em: 01 ago. 2019.

PETERSEN, Áurea. Discutindo o uso da categoria gênero e as teorias que respaldam estudos de gênero. In: STREY, Marlene; et al. Gênero por escrito. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1999.

RASERA, Emerson; GUANAES-LORENZI, Carla; CORRADI-WEBSTER, Clarissa. Pesquisa como prática social: o pesquisador e os “outros” na produção do conhecimento. Athenea Digital, v. 16, n. 2, p. 325-347, 2016.

RESISTÊNCIA. In: DICIONÁRIO MICHAELIS. Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. Disponível em: https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/resist%C3%AAncia/. Acesso em: 31 ago. 2020.

SANTOS, Boaventura de Sousa.; MENESES, Maria Paula. Epistemologias do Sul. Coimbra: Almeidina, 2009.

SILVA, Fabiane Ferreira da; RIBEIRO, Paula Regina Costa. A participação das mulheres na ciência: problematizações sobre as diferenças de gênero. Labrys Estudos Feministas, n. 10, jul./dez., 2011. Disponível em: https://sexualidadeescola.furg.br/biblioteca/livros/category/1-artigos?download=12:participacaomulheres. Acesso em: 01 set. 2020.

SIQUEIRA, Camilla Karla Barbosa. As três ondas do movimento Feminina e suas repercussões no direito brasileiro. In: Congresso Nacional do Conpedi, 24, 2015, Belo Horizonte. Anais Poder, Cidadania e Desenvolvimento no Estado Democrático de Direito, Florianópolis: CONPEDI, 2015. Disponível em: http://conpedi.danilolr.info/publicacoes/66fsl345/w8299187/ARu8H4M8AmpZnw1Z.pdf. Acesso em: 01 ago. 2019.

TRANSCENDER. In: DICIO. Dicionário Online de Português. Disponível em: https://www.dicio.com.br/transcender/. Acesso em: 06 ago. 2020.

TOKARNIA, Mariana. Mulheres assinam 72% dos artigos científicos publicados pelo Brasil. Agência Brasil, 23 mar. 2019. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2019-03/mulheres-assinam-72-dos-artigos-cientificos-publicados-pelo-brasil. Acesso em: 01 set. 2020.

ZANDWAIS, Ana; TUTIKIAN, Jane. Apresentação. Organon, Porto Alegre, n. 47, 2009. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/organon/article/viewFile/29505/18190. Acesso em 7 out. 2020.

Downloads

Publicado

2021-02-26

Como Citar

Thomas Becker, V., Diotto, N., Anderson Brutti, T., & de Lourdes Lauxen, S. (2021). A PESQUISA CIENTÍFICA COMO PRÁTICA SOCIAL DE RESISTÊNCIA DAS MULHERES. REVISTA INTERDISCIPLINAR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, 8(1), 349-362. https://doi.org/10.33053/revint.v8i1.371

Edição

Seção

Mostra de Pós-Graduação - Ciências Sociais e Humanidades