EFEITOS DE UM PROGRAMA DE REABILITAÇÃO PARA IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

Autores

  • Juliane Gruhn Bonatto Universidade de Cruz Alta - UNICRUZ, Cruz Alta, RS, Brasil
  • Solange Beatriz Billig Garces Universidade de Cruz Alta - UNICRUZ, Cruz Alta, RS, Brasil
  • Leticia Fagundes de Moura Universidade de Cruz Alta - UNICRUZ, Cruz Alta, RS, Brasil
  • Bruna Teixeira Universidade de Cruz Alta - UNICRUZ, Cruz Alta, RS, Brasil
  • Catia Trennepohl Universidade de Cruz Alta - UNICRUZ, Cruz Alta, RS, Brasil
  • Dinara Hansen Costa Universidade de Cruz Alta - UNICRUZ, Cruz Alta, RS, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.33053/revint.v9i1.648

Palavras-chave:

Reabilitação, Fisioterapia, Quedas

Resumo

Este estudo tem por objetivo verificar os efeitos de um programa de reabilitação nas características de mobilidade dos idosos institucionalizados. Os idosos realizaram avaliação física através dos testes para funcionamento de atividades de simples e dupla tarefa; teste de força muscular de membros superiores e inferiores e Teste Timed Up And Go. Ao término da avaliação os idosos foram submetidos a um protocolo de tratamento de 16 sessões, 2 vezes por semana que consistiu em: Treino de marcha, treino de equilíbrio e treino de força muscular. Ao término, todos foram reavaliados através dos mesmos testes inicias. A análise das variáveis quantitativas foi realizada através do teste t de Student, com significância de p<0,05. Participaram do estudo 7 idosos de ambos os sexos, com idade entre 67 a 88 anos, predominando o sexo feminino e as principais patologias referidas foram depressão e hipertensão. O protocolo fisioterapêutico utilizado estabeleceu melhora estatisticamente significativa na força muscular de membros superiores (p=0,016 e 0,039), através do teste força de preensão manual. Em suma, os resultados demonstram que o protocolo foi efetivo para ganho de força, porém sugere-se maior frequência de sessões semanais que poderá beneficiar o público nas demais variáveis avaliadas.

Referências

ALMEIDA, D. K. S.; BREDA, L.; NASCIMENTO, C. M. C. Efeitos do treinamento proprioceptivo sobre o controle postural de idosos. Revista Kairós: Gerontologia, v.19, n. 4, p. 413-424, 2016.

ASHBURN, A.; et al. The circumstances of falls among people with Parkinson's disease and the use of Falls Diaries to facilitate reporting. Disability and rehabilitation, v. 30, n. 16, p. 1205-1212, 2008.

AVEIRO, M. C.; et al. Perspectivas da participação do fisioterapeuta no Programa Saúde da Família na atenção à saúde do idoso. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, p. 1467-1478, 2011.

BAENA, C. P.; SOARES, M. C. F. Subsídios reunidos junto à equipe de saúde para a inserção da fisioterapia na Estratégia Saúde da Família. Fisioterapia em Movimento, v. 25, n. 2, p. 419-431, 2012.

BANDEIRA, L.; MELO, H. P.; PINHEIRO, L. S. Mulheres em dados: o que informa a PNAD/IBGE, 2008. Revista do Observatório Brasil da Igualdade de Gênero, v. 1, n. 1, p. 107-119, 2010.

BARBOSA, J. M. M.; et al. Efeito da realização simultânea de tarefas cognitivas e motoras no desempenho funcional de idosos da comunidade. Fisioterapia e Pesquisa, v. 15, n. 4, p. 374-9, 2008.

DA SILVA, C. D. A.; et al. Avaliação do risco de queda e da demanda atencional em idosos submetidos a um protocolo cinesioterapêutico de dupla tarefa. Revista de Investigação Biomédica: v. 8, n. 1, p. 21-29, 2016.

DA SILVA, R. J. M.; DIAS, S. M. S.; PIAZZA, L. Desempenho em atividades de simples e dupla tarefas de idosos institucionalizados que realizam e não realizam fisioterapia. Fisioterapia e Pesquisa: v. 24, n. 2, p. 149-156, 2017.

DE ASSIS, E. J.; et al. Efeitos de um programa de exercícios em circuito no equilíbrio e na mobilidade funcional de idosos institucionalizados. Revista Kairós: Gerontologia, v. 21, n. 3, p. 331-345, 2018.

DIAS, S. M. S.; DA SILVA, R. J. M.; PIAZZA, L. Equilíbrio, mobilidade funcional e nível de atividade física de idosos institucionalizados que realizam e não realizam fisioterapia. ConScientiae Saúde: v. 15, n. 2, p. 191-199, 2016.

DUARTE, F. M. et al. A importância da fisioterapia na promoção da qualidade de vida para os idosos. Caderno de Ciências Biológicas e da Saúde, v. 1, p. 1-9, 2013.

FIGUEIREDO, I. M.; et al. Teste de força de preensão utilizando o dinamômetro Jamar. Acta Fisiátrica, v. 14, n. 2, p. 104-10, 2007.

FRADE, J.; et al. Depressão no idoso: sintomas em indivíduos institucionalizados e não-institucionalizados. Revista de enfermagem referência, v. 4, n. 4, p. 41-49, 2015.

FUKAHORI, S. A. S.; et al. Hipertensão Arterial: Os principais fatores de risco em idosos. Revista Saúde-UNG-Ser, v. 10, n. 1, p. 91, 2017.

GARCIA, P. A.; et al. A study on the relationship between muscle function, functional mobility and level of physical activity in community-dwelling elderly. Revista Brasileira de Fisioterapia, v. 15, n. 1, p. 15-22, 2011.

GASPAROTTO, L. P. R.; FALSARELLA, G. R.; COIMBRA, A. M. V. As quedas no cenário da velhice: conceitos básicos e atualidades da pesquisa em saúde. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 17, n. 1, p. 201-209, 2014.

GIMENES, C.; et al. Redução da pressão arterial e circunferência abdominal e melhora da Capacidade Funcional de idosas hipertensas submetidas a Programa de Fisioterapia Funcional. Revista Kairós: Gerontologia, v. 18, n. 1, p. 77-92, 2015.

GOMES, E. C. C.; et al. Fatores associados ao risco de quedas em idosos institucionalizados: uma revisão integrativa. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, p. 3543-3551, 2014.

GUARIENTO, M. E.; NERI, A. L. (Orgs.). Fragilidade, Saúde e Bem-estar em Idosos: dados do estudo FIBRA Campinas. Campinas: Alínea, 2011.

LAUNAY, C.; et al. Association of depressive symptoms with recurrent falls: a cross-sectional elderly population based study and a systematic review. The journal of nutrition, health & aging: v. 17, n. 2, p. 152-157, 2013.

LOJUDICE, D. C.; et al. Quedas de idosos institucionalizados: ocorrência e fatores associados. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 13, n. 3, p. 403-412, 2010.

MARCIANO, L. M. Efeito de dois protocolos de treinamento de força muscular sobre funcionalidade de idosos associada ao risco de queda. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010.

MONIER, E. B.; SOARES, R. R. (Org.). Saúde do idoso e a saúde da família. São Luis: EDUFMA, 2016.

MOURA, A. A.; et al. Fatores da não adesão ao tratamento da hipertensão arterial. Enfermería Global, v. 15, n. 43, p. 1-13, 2016.

NACHREINER, N. M.; et al. Circumstances and consequences of falls in community-dwelling older women. Journal of women's health, v. 16, n. 10, p. 1437-1446, 2007.

PAULO, T. R. S.; et al. O exercício físico funcional para idosos institucionalizados: um novo olhar para as atividades da vida diária. Revista Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento, v. 17, n. 2, p. 413-427, 2012.

PIEXAK, D. R.; et al. Percepção de profissionais de saúde em relação ao cuidado a pessoas. Revista brasileira de geriatria e gerontologia, v. 15, n. 2, p. 201-208, 2012.

PINHEIRO, P. A.; et al. Desempenho motor de idosos do Nordeste brasileiro: diferenças entre idade e sexo. Revista da Escola de Enfermagem da USP: v. 47, p. 128-136, 2013.

PINTO, A. H. V. C. Efeitos de um programa de treino combinado de equilíbrio/proprioceção e força muscular no risco de quedas no idoso. Dissertação (Mestrado na área de Atividade Física para a Terceira Idade) - Faculdade de Desporto, Universidade do Porto, Porto, 2018.

POMPEU, S. M. A. A. Elaboração e aplicação do teste de divisão de atenção em tarefas funcionais. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

REBELATTO, J. R.; CASTRO, A. P.; CHAN, A. Quedas em idosos institucionalizados: características gerais, fatores determinantes e relações com a força de preensão manual. Acta ortopedica brasileira, v. 15, p. 151-154, 2007.

RIKLI, R. E.; JONES, C. J. Parâmetros do TAFI. In: Rikli, R. E., Jones, C. J. (Eds). Teste de aptidão física para idosos. Barueri: Manole, 2008. p. 13-27.

ROSA, T. E. C.; BARROSO, A. E. S.; LOUVISON, M. P. C. Velhices: experiências e desafios nas políticas do envelhecimento ativo. Instituto de Saúde São Paulo – 2013. Disponível em: <https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/int-3304>. Acesso em: 01 de setembro de 2018.

SIQUEIRA, J. F.; et al. Efeitos da prática de exercício de dupla tarefa em idosos com doença de Alzheimer: revisão sistemática. Saúde e Pesquisa, v. 12, n. 1, p. 197-202, 2019.

SOUZA JÚNIOR, S. S.; et al. Força de membros superiores e inferiores de idosas praticantes e não praticantes de ginástica funcional. Revista Saúde (Santa Maria), v. 41, n. 1, p. 255-262, 2015.

UCHIDA, J. E. F.; BORGES, S. M. Quedas em idosos institucionalizados. Revista Kairós: Gerontologia, v. 16, n. 3, p. 83-94, 2013.

UNITED NATIONS. World population prospects: key findings and advance tables. The 2017 re-vision. New York: United Nations, 2017.

XUE, X.; VERGHESE, J. Identifying frailty in high functioning older adults with normal mobility. Age and ageing, v. 39, n. 3, p. 382-385, 2010.

Downloads

Publicado

2021-12-16

Como Citar

Gruhn Bonatto, J. ., Billig Garces, S. B. ., Fagundes de Moura, L., Teixeira, B. ., Trennepohl, C. ., & Hansen Costa, D. (2021). EFEITOS DE UM PROGRAMA DE REABILITAÇÃO PARA IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. REVISTA INTERDISCIPLINAR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, 9(1), 266-279. https://doi.org/10.33053/revint.v9i1.648

Edição

Seção

Mostra de Iniciação Científica - Ciências Biológicas e da Saúde