A DEPRECIAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA REFORMA DO ENSINO MÉDIO

Autores

  • Gabriel Vielmo Gomes Universidade Federal de Santa Maria - UFSM, Santa Maria, RS, Brasil
  • Maristela da Silva Souza Universidade Federal de Santa Maria - UFSM, Santa Maria, RS, Brasil
  • Gislei José Scapin Universidade Federal de Santa Maria - UFSM, Santa Maria, RS, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.33053/revint.v9i1.663

Palavras-chave:

Educação, Educação física, Políticas públicas, Reformas educacionais

Resumo

Levantamos como objeto do estudo: analisar os impactos da Lei 13.415 e da Base Nacional Comum Curricular à Cultura Corporal. A partir do Materialismo Histórico Dialético, construímos o diálogo entre a conjuntura e a Educação Física, relacionando-as com o processo de reorganização do capital. Por fim, constatamos que as reformas direcionam a escola para as demandas impostas pelo mundo do trabalho e, coloca a Educação Física na área das Linguagens, que resulta na perda seu objeto de estudo, a Cultura Corporal, alterando assim, seu papel pedagógico na escola.

Referências

BASSO, D. J; NETO, L. B. As influências do neoliberalismo na educação brasileira: algumas considerações. Revista Eletrônica do Curso de Pedagogia do Campus Jataí –UFG, v.1, n.16, p. 1-15, jan./jun. 2014.

BELTRÃO, J. A. Novo ensino médio: rebaixamento da formação, o avanço da privatização e a necessidade de alternativa pedagógica crítica na educação física. 2019. 267p. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2019.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Educação é Base. MEC: Brasília, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/. Acesso em: 15 jul. 2021.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 e 11.494, de 20 de junho de 2007, e a Consolidação das Leis do Trabalho – CLT. In: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 17 de fevereiro de 2017. Disponível em: http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=1&data=17/02/2017. Acesso em: 15 jul. 2021.

BRASIL. Novo Ensino Médio - perguntas e respostas. Portal MEC: Brasília, S/D. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/component/content/article?id=40361. Acesso em: 15 mar. 2019.

FREITAS, L. C. A reforma educacional da educação: nova direita, velhas ideias. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

Gil, A. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

KUENZER, A. Desafios teórico-metodológicos da relação trabalho-educação e o papel social da escola. In: FRIGOTTO, G. (Org.). Educação e crise do trabalho: perspectivas de final de século. – Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

MARX, K. Contribuição à crítica da economia política. Trad. Florestan Fernandes. 2 ed. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

MAUÉS, O. C. Reformas internacionais da educação e formação de professores. Cadernos de Pesquisa, n.118, p. 89 – 117, mar. 2003.

SAVIANI, D. Política educacional no Brasil após a ditadura militar. HISTEDBR On-line, Campinas, v.18, n.2, p.291-304, 2018.

SOARES, C. L.; et al. Metodologia do ensino de educação física. 2. ed. rev. São Paulo: Cortez, 2012.

SOUZA, M. S. Esporte Escolar: possibilidade superadora no plano da cultura corporal. São Paulo: Ícone Editora, 2009.

TAFFAREL, C. Depoimento. In: SOARES, C. L.; et al. Metodologia do ensino de educação física. 2. ed. rev. São Paulo: Cortez, 2012.

UNESCO. Reforma da educação secundária: rumo à convergência entre a aquisição de conhecimento e o desenvolvimento de habilidade. Brasília: UNESCO, 2008.

Downloads

Publicado

2021-12-16

Como Citar

Vielmo Gomes, G., da Silva Souza, M., & Scapin, G. J. (2021). A DEPRECIAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA REFORMA DO ENSINO MÉDIO. REVISTA INTERDISCIPLINAR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, 9(1), 409-415. https://doi.org/10.33053/revint.v9i1.663

Edição

Seção

Mostra de Pós-Graduação - Ciências Biológicas e da Saúde