DISTANCIAMENTO SOCIAL E AULAS REMOTAS: O DESAFIO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DO ESCOLAR

Autores

  • Paola Langner da Cruz Universidade de Cruz Alta - UNICRUZ, Cruz Alta, RS, Brasil
  • Themis Goretti Moreira Leal de Carvalho Universidade de Cruz Alta - UNICRUZ, Cruz Alta, RS, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.33053/revint.v9i1.671

Palavras-chave:

Sedentarismo, Equilíbrio postural, Promoção da saúde em meio escolar, Estudantes

Resumo

O Projeto "Programa saúde e prevenção nas escolas: articulação entre a academia, serviços de saúde e comunidade para a promoção da saúde do escolar de Tupanciretã/RS" é desenvolvido por acadêmicos do curso de Fisioterapia e contribuí para a construção de uma política de educação e saúde com ações inovadoras e temas que permeiam o cotidiano de estudantes da Rede Pública de Tupanciretã/RS. O estudo desenvolvido a partir do Programa Saúde e Prevenção do Escolar, buscou analisar a problemática e os fatores que levam ao adoecimento, em um ano de isolamento social e aulas remotas, e promover a prevenção e promoção da saúde dentro dos seguintes temas: sedentarismo, hábitos posturais durante as aulas remotas e anseio dos estudantes diante o vestibular. Inicialmente, o trabalho de pesquisa caracterizou-se como um estudo descritivo e analítico de rastreamento epidemiológico observacional e serviu para dar embasamento as ações de extensão realizadas para a melhoria da saúde e qualidade de vida dos estudantes. A ação contou com a participação de 11 escolas da rede municipal da cidade, totalizando 356 alunos entre o 6° a 9° ano do ensino fundamental e outros 76 matriculados do 1° ao 3° ano do ensino médio do Instituto Estadual de Educação Mãe de Deus. As pesquisas realizadas serviram para a determinação das vulnerabilidades dos alunos, e assim permitiram a construção das atividades com ações que levaram, de fato, a prevenção e a proteção da saúde do escolar.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Programa Saúde nas Escolas. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/expansao-da-rede-federal/194-secretarias-112877938/secad-educacao-continuada-223369541/14578-programa-saude-nas-escolas. Acesso em: 21 ago. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Programa saude na escola (PSE), manual de orientações ciclo 2019/2020. Disponível em: https://saude.rs.gov.br/upload/arquivos/carga20190747/09084757-10-manualorientacoes-pse-ciclo-2019-2020.pdf. Acesso em: 10 nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Orientações básicas de atenção integral à saúde de adolescentes nas escolas e unidades básicas de saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. 2013. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/orientacao_basica_saude_adolescente.pdf. Acesso em: 10 nov. 2019.

DE CARVALHO, F. F. B. A saúde vai à escola: a promoção da saúde em práticas pedagógicas. Physis: Revista de Saúde Coletiva, [s. l.], v. 25, n. 4, p. 1207–1227, 2015.

FARIA, D. A. de; FONSECA, P. H. N. da; MARQUES, D. G. de M.; COSTA, K. A. R..; MARTINS, L. A. H. Inappropriate posture habits and pain in adolescents. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e37310918096, 2021.

GOMES, C. de M.; HORTA, N. de C. Promoção De Saúde Do Adolescente Em Âmbito Escolar. Revista de Atencao Primaria a Saude, [s. l.], v. 13, n. 4, p. 486–499, 2010.

GRAEFF, F. G. Ansiedade, pânico e o eixo hipotálamo-pituitária-adrenal. Revista Brasileira de Psiquiatria. v. 29 n.1 p. 3-6, 2007.

IKUNO, Beatriz Alves; et al. Estudo da ansiedade presente nos pré-vestibulandos durante a pandemia do novo coronavírus (COVID-19). In: 3º CONGRESSO SOBRE AMBIENTE, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO (CATE)-V. 3 2020. 2020. Disponível em: http://sis.tup.ifsp.edu.br/ocs/index.php/CATE-2020/CATE-2020/paper/viewFile/140/64. Acesso em: 21 ago. 2021.

JÚNIOR, José Roberto Zaffalon; OLIVEIRA, Rosane Bezerra; DE SOUZA BULHÕES, Vanessa. Avaliação e comparação do nível de atividade física entre escolares de 11 a 14 anos de idade. Ciência em Movimento, v. 22, n. 44, p. 55-65, 2020.

MENOTTI, Jaíne; et al. A importância da educação postural evitando situações que possam afetar a saúde de crianças e adolescentes em idade escolar. Revista Perspectiva: Ciência e Saúde, v. 3, n. 2, 2018.

MONT’ ALVERNE BARRETO, R.; et al. Ações Educativas Em Saúde Para D Púdlicd Adolescente: Uma Revisão Integrativa. Revista de Atencao Primaria a Saude, [s. l.], v. 19, n. 2, p. 277–285, 2016.

PIANTINO, C. B.; VANIN, A. C.; VIEIRA, M.; SOUZA, D. H. I. Propostas de ações educativas no ambiente escolar como prática de promoção da saúde. Ciência ET Praxis, [S. l.], v. 11, n. 21, p. 107–110, 2019.

RIBEIRO, V. T.; DE OMENA MESSIAS, C. M. B. A Educação Em Saúde No Ambiente Escolar: Um Convite À Reflexão. Impulso, [s. l.], v. 26, n. 67, p. 39–52, 2016.

RIO GRANDE DO SUL. Secretária da Educação. Aulas Remotas. 2021. Disponível em: https://escola.rs.gov.br/aulas-remotas-o-que-e. Acesso em: 21 ago. 2021.

SANTANA, Clara Pereira; et al. Associação entre supervisão parental e comportamento sedentário e de inatividade física em adolescentes brasileiros. Ciência & Saúde Coletiva [online], v. 26, n. 02, p. 569-580, 2021.

SOARES, G. L.; et al. A Formação Do Cidadão No Ambiente Escolar: Da Conscientização À Intervenção Na Própria Realidade. Revista Monografias Ambientais, [s. l.], v. 8, n. 8, p. 1858–1869, 2012.

Downloads

Publicado

2021-12-16

Como Citar

Langner da Cruz, P., & Moreira Leal de Carvalho, T. G. (2021). DISTANCIAMENTO SOCIAL E AULAS REMOTAS: O DESAFIO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DO ESCOLAR. REVISTA INTERDISCIPLINAR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, 9(1), 485-493. https://doi.org/10.33053/revint.v9i1.671

Edição

Seção

Mostra de Extensão