TRAJETÓRIA DA IMPLANTAÇÃO DE AURICULOTERAPIA NA REDE MUNICIPAL DE SAÚDE DE CRUZ ALTA – RIO GRANDE DO SUL

Autores

  • Vera Lucia Freitag Universidade de Cruz Alta, Cruz Alta, RS, Brasil.
  • Kelly de Moura Oliveira Krause

DOI:

https://doi.org/10.33053/recs.v7i2.237

Palavras-chave:

Práticas Integrativas e Complementares, Saúde Pública, Educação permanente

Resumo

A inserção das Práticas Integrativas e Complementares (PICS) no Sistema Único de Saúde (SUS) configura uma ação de ampliação de acesso, qualificação dos serviços por meio das novas estratégias de cuidado natural, com o princípio da integralidade da atenção à saúde. O objetivo deste artigo foi descrever a trajetória da implantação de auriculoterapia na rede municipal de saúde do município de Cruz Alta/Rio Grande do Sul. Trata-se de um relato de experiência que aborda a trajetória de implantação das PICS no cuidado a saúde dos usuários do município de Cruz Alta/RS, no atendimento de auriculoterapia. Diante dos avanços científicos e tecnológicos e do modelo biomédico muito presente nos dias atuais, faz-se necessário considerar a implantação da Política das Práticas Integrativas e Complementares (PICS), especialmente no Sistema Único de Saúde (RS), propiciando estratégias de cuidado que considere a integralidade, a subjetividade e a singularidade dos usuários, com vistas a promoção, proteção e prevenção à saúde.

Biografia do Autor

Vera Lucia Freitag, Universidade de Cruz Alta, Cruz Alta, RS, Brasil.

Docente do Curso de Enfermagem da Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ) Doutora em Enfermagem - UFRGS
Mestra em Ciências - UFPel Especialista em Gestão Pública em Saúde  - UFSM Enfermeira - UFSM Membra do CEVIDA - Grupo de Estudos no Cuidado à Saúde nas Etapas da Vida - UFRGS Facilitadora e praticante de Bars Access, Reflexologia Podal, Reiki, Meditação e Radiestesista  

Kelly de Moura Oliveira Krause

Kelly de Moura Oliveira Krause Mestra em Saúde Coletiva  Enfermeira



Referências

BALBINO, A. C.; BEZERRA, M. M.; FREITAS, C. A. S. L.; ALBUQUERQUE, I. M. N.; DIAS, M. S. A.; PINTO, V. P. T. Educação permanente com os auxiliares de enfermagem da Estratégia Saúde da Família em Sobral, Ceará. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 8 n. 2, p. 249-266, jul./out. 2010.

BRASIL, Ministério da Saúde. Formação em Auriculoterapia para profissionais da Atenção Básica, 2018. Disponível em:http://auriculoterapiasus.ufsc.br/informacoes-gerais/.

BRASIL. Ministério da Saúde. Práticas Integrativas e Complementares (PICS): quais são e para que servem, 2019. Disponível em: https://saude.gov.br/saude-de-a-z/praticas-integrativas-e-complementares.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual de implantação de serviços de práticas integrativas e complementares no SUS/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2018. 56 p.

CABALLERO, M. A.; COLAS, C.; VICTOR, M.; ROMÁN, R. M.; RODRÍGUEZ, L. S.;. GONZÁLEZ, AB (2014). Efetividade da auriculopuntura no tratamento de pacientes com hipertensão. MediSan, v. 18, n. 11, p. 1484-1489, 2014.

CAMARGO, C. A.; SANTOS, C. A. Evidências da auriculoterapia no programa de tabagismo na Atenção Básica. ANAIS DO CBMFC, n. 12, p. 620, 2013.

KLEBA, M. E.; ZAMPIROM, K.; COMERLATTO, D. Processo decisório e impacto na gestão de políticas públicas: desafios de um Conselho Municipal de Saúde. Saúde e Sociedade, v. 24, p. 556-567, 2015.

LEIVAS, B. G. et al. Auriculoterapia. In: MASCARENHAS, M. A.; JACOBSEN, M. S. Práticas Integrativas e complementares em saúde: fundamentos e aplicabilidade. Porto Alegre: Editora Universitária Metodista, 2017.

LIMA, K. M. S. V.; SILVA, K. L.; TESSER, C. D. Práticas integrativas e complementares e relação com promoção da saúde: experiência de um serviço municipal de saúde. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 18, p. 261-272, 2014.

MAFETONI, R. R,;RODRIGUES, M. H.; JACOB, L. M. D. S.; SHIMO, A. K. K. Eficácia da auriculoterapia na ansiedade durante o trabalho de parto: um ensaio clínico randomizado. Revista Latino-Americana de Doenças, 2018 .

PRADO, J. M.; KUREBAYASHI, L. F. S.; SILVA, M. J. P. Auriculoterapia verdadeira e placebo para enfermeiros estressados: ensaio clínico randomizado. EscEnferm USP, v. 52, 2018.

REZENDE, R. B.; MOREIRA, M. R. Relações entre representação e participação no Conselho Municipal de Saúde do Rio de Janeiro: segmento dos usuários, 2013-2014. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, p. 1409-1420, 2016.

SANTOS, M. C.; TESSER, C. D. Um método para a implantação e promoção de acesso às Práticas Integrativas e Complementares na Atenção Primária à Saúde. CienSaude Colet. 2012; 17(11): 3011-3024.

SILVA, M. V. S.; MIRANDA, G. B. N.; ANDRADE, M. A. Sentidos atribuídos à integralidade: entre o que é preconizado e vivido na equipe multidisciplinar. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 21, p. 589-599, 2017.

SOUSA, M. S. T.; BRANDÃO, I. R.; PARENTE, J. R. F. A percepção dos enfermeiros sobre Educação Permanente em Saúde no contexto da Estratégia Saúde da Família de Sobral (CE). Revista Interfaces: Saúde, Humanas e Tecnologia, v. 2, n. 7, 2015.

ZHAO, H. J. et al. Auricular therapy for chronic pain management in adults: A synthesis of evidence. ComplementTherClinPract; v. 21, n. 2, p. 68-78, 2015.

Downloads

Publicado

2020-09-28

Como Citar

Freitag, V. L., & Krause, K. de M. O. (2020). TRAJETÓRIA DA IMPLANTAÇÃO DE AURICULOTERAPIA NA REDE MUNICIPAL DE SAÚDE DE CRUZ ALTA – RIO GRANDE DO SUL . Revista Espaço Ciência & Saúde, 7(2), 42-51. https://doi.org/10.33053/recs.v7i2.237

Edição

Seção

Artigos de Relato de Experiência