GENOGRAMA EM ARTETERAPIA COMO MAPA DAS RELAÇÕES FAMILIARES DE DEPENDENTES DE DROGAS

Autores

  • Ana Cláudia Afonso Valladares-Torres Universidade de Brasília
  • Lílian Thaís Veras de Carvalho Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.33053/recs.v8i1.250

Palavras-chave:

Terapia pela Arte; Relações Familiares; Assistência à Saúde Mental; Transtornos Relacionados ao Uso de Substâncias; Enfermagem Psiquiátrica

Resumo

O objetivo deste estudo é descrever as relações familiares na visão do dependente de drogas, a partir do desenho do genograma em Arteterapia. Estudo exploratório e descritivo de abordagem mista, realizado em um Centro de Atenção Psicossocial. Foram utilizados os se-guintes instrumentos: o desenho projetivo e o genograma, um inquérito sobre o desenho e/ou genograma. Os dados obtidos a partir dos genogramas foram organizados e agrupados em unidades temáticas por núcleos de similaridade, a partir da análise de conteúdo temática. Par-ticiparam do estudo 35 usuários. Após a análise dos genogramas, com as respostas sobre eles foi possível identificar três categorias, a saber: (a) relações familiares funcionais e com vínculos afetivos próximos; (b) vínculos afetivos disfuncionais e conflituosos; e (c) sentimentos de am-bivalência frente às relações familiares. O genograma em Arteterapia pode ser uma ferramenta de Reabilitação Psicossocial dirigido aos usuários e/ou a seus familiares, que objetivem a dimi-nuição da vulnerabilidade do transtorno.

Biografia do Autor

Ana Cláudia Afonso Valladares-Torres, Universidade de Brasília

Doutora em Enfermagem Psiquiátrica pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/Universidade de São Paulo, Enfermeira e Arteterapeuta, registro n.001/01003 da Associação Brasil Central de Arteterapia. Professora Adjunto da Universidade de Brasília (UnB). Brasília, Distrito Federal, Brasil. E-mail: aclaudiaval@unb.br ou aclaudiaval@terra.com.br ou aclaudiaval@gmail.com

Lílian Thaís Veras de Carvalho, Universidade de Brasília

Graduada em Enfermagem pela UnB. Brasília, Distrito Federal, Brasil.

Referências

AMARANTE, P. Novos sujeitos, novos direitos: o debate em torno da Reforma Psiquiátrica. Cadernos de Saúde Pública. 1995, v.11, n.3, p.491-4.

BORGES FELDNER, C.; DAIANE CUSSOLIN, F.; NOGUEIRA MARTINS, L. C.; JUNIA FELICIDADE, P.; CAROLINA CAMARGO, F. A prática da abordagem familiar em contexto de cuidados primários: estudo de caso comparado. Cult. cuid. 2018, v.22, n.52, p.142-52. Disponível em: https://rua.ua.es/dspace/bitstream/10045/85354/1/CultCuid_52-142-152.pdf

CHEVALIER, J.; GHEERBRANT, A. Dicionário de símbolos. 27. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2017.

FERREIRA, T. P. S.; SAMPAIO, J.; OLIVEIRA, I. L.; GOMES, L. B. A família no cuidado em saúde mental: desafios para a produção de vidas. Saúde debate. 2019, v.43, n.121, p.441-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v43n121/0103-1104-sdeb-43-121-0441.pdf

FINCHER, S. F. O autoconhecimento através das mandalas. São Paulo: Pensamento, 1991.

FONSECA, F. F.; MARTINS, M. C.; OLIVEIRA, J. L.; LEÃO, C. D. A.; RODRIGUES, C. A. Q.; OLIVEIRA, H. M. D. Family approach in primary care in mental health: experience report. Rev. enferm. UFPE on line. 2017, v.11, n.supl.1, p.449-57. Available from: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/13575/16374

FURTH, G. M. O mundo secreto dos desenhos: uma abordagem junguiana da cura pela arte. 5.reimpr. São Paulo: Paulus; 2013.

FUSSI, F. E. C. A Arteterapia delineando novos caminhos: facilitar a integração pessoal e familiar por meio do genograma. Rev Transdisciplinar. 2017, v.9, n.9, p.178-83.

MELO, J. R. F.; MACIEL, S. C. Representação social do usuário de drogas na perspectiva de dependentes químicos. Psicol. cienc. Prof. 2016, v.36, n.1, p.76-87. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pcp/v36n1/1982-3703-pcp-36-1-0076.pdf

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10 ed. São Paulo: Hucitec; 2010.

PINHO, L. B.; SCHNEIDER, J. F.; KANTORSKI, L. P.; SINIAK, D. S.; SILVA, A. B.; MEDEIROS, R. G. Material spport, Family and care towards crack users. Rev. Pesqui. (Univ. Fed. Estado Rio J., Online). 2019, v.11, n.5, p.1236-41. Available from: http://seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/7417/pdf

PROCHASKA, J. A.; DICLEMENTE, C. C.; NORCROSS, J. C. In search of how people change: applications to addictive behaviour. Am Psychol. 1992, v.7, n.9, p.1102-14.

RETONDO, M. F. N. G. Manual prático de avaliação do HTP (casa-árvore-pessoa) e família. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000.

SELEGHIM, M. R.; OLIVEIRA, M. L. F. Estrutura, relações e antecedentes do uso de drogas em famílias de usuários de crack. Rev Eletrônica Enfer. 2014, v.6, n.3, p.527-34. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/21282

SILVA, D. L. S.; TORREZAN, M. B.; COSTA, J. V.; GARCIA, A. P. R. F.; TOLEDO, V. P. Profile sociodemographic and epidemiologic of users of a psychosocial care center alcohol and drugs. Rev Enferm Atenção Saúde [Online]. 2017, v.6, n.1, p.67-79. Available from: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/enfer/article/view/1659/pdf_1

SILVA, E. F.; GOMES, A. L. C.; SILVA, L. R.; BRAGA, J. E. F.; CASTRO, M. M.; SILVA, M. F. R. Experiências de usuários de Caps-Ad com o uso abusivo de drogas em João Pessoa-PB. Rev. Pesqui. (Univ. Fed. Estado Rio J., Online). 2014, v.6, n.Ed. Supl., p.1-17. Disponível em: file:///C:/Users/User%20Lenovo/Downloads/5822-29241-1-PB.pdf

SILVA, N. G.; BARROS, S.; AZEVEDO, F. C.; BATISTA, L. E., POLICARPO, V. C. The race/color variable in studies of characterization of the users of Psychosocial Care Centers. Saúde Soc. 2017, v.26, n.1, p.100-14. Available from: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v26n1/en_1984-0470-sausoc-26-01-00100.pdf

SNPD - Secretaria Nacional de Políticas sobre drogas. O uso de substâncias psicoativas no Brasil. 11. ed. Brasília: SUPERA, 2017. Módulo 1.

SOARES, M. H.; ROLIN, T. F. C.; MACHADO, F. P.; RAMOS, L. K. F.; RAMPAZZO, A. R. P. Impact of brief intervention and art therapy for alcohol users. Rev. Bras. Enferm. 2019, v.72, n.6, p.1485-9. Available from: http://www.scielo.br/pdf/reben/v72n6/0034-7167-reben-72-06-1485.pdf

SOCCOL, K. L. S.; TERRA, M. G.; GIRARDON-PERLINI, N. M. O.; RIBEIRO, D. B.; SILVA, C. T.; CAMILLO, L. A. Cuidado familial ao indivíduo dependente de álcool e outras drogas. Rev Rene. 2013, v.4, n.3, p.549-57.

TOLEDO, L.; GÓNGORA, A.; BASTOS, F. I. P. M. À margem: uso de crack, desvio, criminalização e exclusão social - uma revisão narrativa. Ciênc. Saúde Colet. 2017, v.2, n.1, p.31-42. Disponível em: https://scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232017000100031

TUCCI, B. F. M.; OLIVEIRA, M. L. F. Famílias de usuários de bebida alcoólica: aspectos estruturais e funcionais fundamentados no Modelo Calgary. Rev Rene (Online). 2019, v.20, n.1, p.e40226. Disponível em: http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/40226/pdf

VALLADARES-TORRES, A. C. A.; LAGO, D. M. S. K. Imaginário de dependentes de drogas sobre desenho projetivo/colagem da árvore em Arteterapia – estudos de caso. Rev Ci-entífica Arteterapia Cores da Vida. 2018, v.25, n.2, p.38-52. Disponível em: https://www.abcaarteterapia.com/revista-cores-da-vida

Downloads

Publicado

2020-12-10

Como Citar

Valladares-Torres, A. C. A., & Carvalho, L. T. V. de. (2020). GENOGRAMA EM ARTETERAPIA COMO MAPA DAS RELAÇÕES FAMILIARES DE DEPENDENTES DE DROGAS. Revista Espaço Ciência & Saúde, 8(1), 45-62. https://doi.org/10.33053/recs.v8i1.250

Edição

Seção

Artigos Originais