ESTRESSE OCUPACIONAL DO PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM QUE ATUA EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

Autores

  • Marcia Casaril dos Santos Cargnin Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – Câmpus Frederico Westphalen
  • Eloise Cristine Franz

DOI:

https://doi.org/10.33053/recs.v8i1.251

Palavras-chave:

Estresse ocupacional, Unidade de Terapia Intensiva, enfermagem

Resumo

Objetivo: Descrever características sociodemográficas e laborais e fatores estressores bem como avaliar estresse ocupacional de profissionais da enfermagem que atuam em duas Unidades de Terapia Intensiva Adulto. Método: Pesquisa de cunho quantitativo, desenvolvida em 2018 com profissionais da enfermagem que trabalhavam em Unidade de Terapia Intensiva de dois hospitais do Rio Grande do Sul. A coleta dos dados foi por meio de questionário com questões fechadas. Resultados: Participaram do estudo 41 profissionais, sendo 37 (90,2%) do sexo feminino, com média de 33,8 anos de idade e, em sua maioria, 32 (78%) técnicos de enfermagem. Os profissionais demonstraram escores elevados para as dimensões demanda (14,9 pontos), controle (16,7 pontos) e apoio social (19,1 pontos), indicando que os trabalhadores desenvolvem a forma ativa do trabalho. Conclusão: Verifica-se a necessidade dos próprios profissionais, bem como as instituições, encontrarem maneiras, além de aperfeiçoarem as já existentes, para minimizarem os efeitos do estresse ocupacional.

Referências

ALVES, M. G. M.; et al. Versão resumida da “job stress scale”: adaptação para o português. Rev Saúde Pública, v. 38, n. 2, p. 164-71, 2004.

ANDRADE, M. C. M.; JÚNIOR, A. C. S. Estresse ocupacional no serviço de atendimento móvel de urgência. REME, v. 18, n. 2, p. 376-391, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 895/ 2017 - Institui o cuidado progressivo ao paciente crítico ou grave com os critérios de elegibilidade para admissão e alta, de classificação e de habilitação de leitos de Terapia Intensiva Adulto, Pediátrico, Unidade Coronariana, Queimados e Cuidados Intermediários Adulto e Pediátrico no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF, 2017.

CALDERERO, A. R. L.; MIASSO, A. I.; CORRADI-WEBSTER, C. M. Estresse e estratégias de enfrentamento em uma equipe de enfermagem de Pronto Atendimento. Rev Eletrônica Enferm, v. 10, n. 1, p. 51-62, 2008.

COFEN/ FIOCRUZ. Conselho Federal de Enfermagem/ Fundação Oswaldo Cruz. Pesquisa de Perfil da Enfermagem. Brasil, 2013.

COFEN/ FIOCRUZ. Conselho Federal de Enfermagem/ Fundação Oswaldo Cruz. Pesquisa de Perfil da Enfermagem. Brasil, 2015.

FILHO, I. M. M.; ALMEIDA, R. J. Estresse ocupacional no trabalho em enfermagem no brasil: uma revisão integrativa. Rev Bras Promoç Saúde, v. 29, n. 3, p. 447-454, 2016.

GARCÍA, C. C.; et al. Influência do gênero e da idade: satisfação no trabalho de profissionais da saúde. Rev Lat Am Enfermagem, v. 21, n. 6, p. 1314-20, 2013.

HANZELMANN, R. S.; PASSOS, J. P. Imagens e representações da enfermagem acerca do stress e sua influência na atividade laboral. Rev Esc Enferm USP, v. 44, n. 3, p. 694-701, 2010.

HERCOS, T. M.; et al. O Trabalho dos Profissionais de Enfermagem em Unidades de Terapia Intensiva na Assistência ao Paciente Oncológico. Rev Bras Cancerol., v. 60, n. 1, p. 51-58, 2014.

KADOOKA, A; et al. Mundo contemporâneo do trabalho e adoecimento: considerações sobre as ler/dort. Rev. Laborativa, v. 2, n. 1, p. 15-26, 2013.

MACHADO, L. S. F.; et al. Agravos à saúde referidos pelos trabalhadores de enfermagem em um hospital público da Bahia. Rev Bras Enferm. 2014, v. 67, n. 5, p. 684-91.

OLIVEIRA, L. C.; OLIVEIRA, L. Estresse da Equipe de Enfermagem no Ambiente de UTI [tese]. São Paulo: Programa de Aprimoramento Profissional/SES; 2013.

OIT. Organização Internacional do Trabalho. Estresse no local de trabalho: É hora de aliviar o fardo. 2016.

OIT. Organização Internacional do Trabalho. Workplace Stress: A Collective Challenge. Geneva, 2016.

PASSOS, E. De anjos a mulheres: ideologias e valores na formação de enfermeiras. 2. ed Salvador: EDUFBA, 2012.

PASSOS, J. B.; SILVA, E. L. A; CARVALHO, M. M. Estresse no centro cirúrgico: uma realidade dos profissionais de enfermagem. Rev Pesq Saúde, v. 11, n. 2, p. 35-38, 2010.

RODRIGUES, C. C. F. M.; SANTOS, V. E. P. O corpo fala: aspectos físicos e psicológicos do estresse em profissionais de enfermagem. Rev Pes Fund Online, v. 8, n. 1, p. 3587- 3596, 2015.

SCHMIDT, D. R. C.; et al. Estresse ocupacional entre profissionais de enfermagem do bloco cirúrgico. Texto Contexto Enferm, v. 18, n. 2, p. 330-7, 2009.

SCHOLZE, A. R.; et al. Estresse Ocupacional e Fatores Associados Entre Enfermeiros de Hospitais Públicos. Rev Cogitare Enferm, v. 22, n. 3, 2017.

SILVA, C. R. G. Estresse ocupacional em trabalhadores da enfermagem em um hospital público de Porto Alegre/RS [monografia]. Posto Alegre: Fio Cruz; 2010.

SILVA, C. S. O Estresse Ocupacional e a Equipe de Enfermagem de Urgência / Emergência: Um Olhar Para Estudos Brasileiros [dissertação]. Porto Alegre: UFRGS; 2017.

SILVA, L. G.; YAMADA, K. N. Estresse Ocupacional em Trabalhadores de uma Unidade de Internação de um Hospital-Escola. Cien Cuid Saúde, v. 7, n. 1, p. 098-105, 2008.

SILVA, P. R.; SACHUK, M. I. Transformação do Trabalho: implicações para o futuro das pessoas e das organizações. RAD, v. 13, n. 1, p. 25-46, 2011.

SILVA, R. M.; et al. Trabalho noturno e a repercussão na saúde dos enfermeiros. Esc. Anna Nery, v. 15, n. 2, 2011.

STUMM, E. M. F.; et al. Qualidade de vida, estresse e repercussões na assistência: equipe de enfermagem de uma unidade de terapia intensiva. Texto Contextos, v. 8, n. 1, p. 140-155, 2009.

VALERETTO, F. A.; ALVES, D. F. Fatores desencadeantes do estresse ocupacional e da síndrome de burnout em enfermeiros. Rev. Saúde Física & Mental, v. 3, n. 2, p. 1-11, 2013.

VIANA, R. A. P. P.; et al. Perfil do enfermeiro de terapia intensiva em diferentes regiões do brasil. Texto Contexto Enferm, v. 23, n. 1, p. 151-9, 2014.

VIANA, R. A. P. P; WHITAKER, I. Y. Enfermagem em Terapia Intensiva: Práticas e Vivências. Artmed, 2011.

Downloads

Publicado

2020-12-10

Como Citar

Casaril dos Santos Cargnin, M., & Franz, E. C. . (2020). ESTRESSE OCUPACIONAL DO PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM QUE ATUA EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA. Revista Espaço Ciência & Saúde, 8(1), 34-44. https://doi.org/10.33053/recs.v8i1.251

Edição

Seção

Artigos Originais