IMPLEMENTAÇÃO DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE EM MUNICÍPIOS DO RIO GRANDE DO SUL

Autores

  • Ana Zoé Schilling Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC
  • Aline Fernanda Fischborn Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC
  • Adriane dos Santos Nunes Anacker Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC
  • Ana Caroline Holde Pinheiro Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC
  • Maria Paula Pacheco Moisés Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC
  • Tatiane Regina da Silva Evoluir-se - Centro de Ensino de Terapias Integrativas e Complementares

DOI:

https://doi.org/10.33053/recs.v8i1.269

Palavras-chave:

Terapias Integrativas e Complementares, Política de Saúde Pública, Promoção da Saúde

Resumo

O objetivo deste estudo foi identificar os movimentos realizados em 13 municípios pertencentes à 28ª Região de Saúde do RS para a implementação das práticas integrativas e complementares - PICs na rede básica de saúde nos anos de 2017 a 2019. É um estudo quali-quantitativo, e para a obtenção dos dados foram aplicados um questionário para os gestores das secretarias municipais de saúde e profissionais indicados por eles, totalizando 29 participantes. Os dados foram analisados por meio do método de análise temática. Dos 13 municípios, apenas um não desenvolve nenhuma PICs na rede básica, os demais afirmaram que existe mobilização por parte dos gestores e que profissionais da área desenvolvem ou participam dessas atividades e buscam capacitações e estão se dedicando a essas atividades por acreditarem em seus benefícios e na promoção de políticas de saúde pública, o que tem gerado movimentos crescentes em busca da implantação dessas práticas.

Biografia do Autor

Ana Zoé Schilling, Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC

Enfermeira

Doutora em Enfermagem

Aline Fernanda Fischborn, Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC

Enfermeira

Doutora em Desenvolvimento Regional

Adriane dos Santos Nunes Anacker, Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC

Enfermeira

Mestre em Educação

Ana Caroline Holde Pinheiro, Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC

Acadêmica de Enfermagem da UNISC

Bolsista do GEPS

Maria Paula Pacheco Moisés, Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC

Acadêmica de Enfermagem da UNISC

Bolsista dio GEPS

Tatiane Regina da Silva, Evoluir-se - Centro de Ensino de Terapias Integrativas e Complementares

Enfermeira

Referências

BARROS, J. A. C.; Pensando o processo saúde doença: a que responde o modelo biomédico? Revist. saúde e sociedade. Pernambuco, 2002, v.11, n.1, p.67-84. Disponível em:< https://www.scielosp.org/pdf/sausoc/2002.v11n1/67-84/pt> Acesso em: 29 de Jul. 2020

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica (PNAB). Brasília, 2012. Disponível em: <http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf>. Acesso em: 24 mar. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS (PNPIC-SUS): atitude de ampliação de acesso. Brasília, 2006. Disponível em: <http://bvsms.saude.go v.br/bvs/publicacoes/pnpic.pdf>. Acesso em 30 mar. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS: atitude de ampliação de acesso. 2. ed. Brasília, 2015. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/pu blicacoes/politica_nacional_praticas_integrativas_complementares_2ed.pdf>. Acesso em: 18 de mar. 2019.

DALMOLIN, I. S.; HEIDEMANN, I. T. S. B.; Práticas Integrativas e a Interface com a Promoção da Saúde: Revisão Integrativa. Ciência Cuidado e Saúde, 2017. Disponível em: http://eduem.uem.br/ojs/index.php/CienCiencCuidSaude/article/viewFile/33035/20958>. Acesso em: 03 abr. 2019.em:

EMATER. Página Informativa. Rio Grande do Sul, 2009. Disponível em:<http://www.emater.tche.br/site/> Acesso em: 29 de Jul. 2020

FIGUEREDO, C. A.; GURGEL, I. G. D.; JUNIOR, G. D.; A Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos: Construção, perspectivas e desafios. Revista de Saúde Coletiva, Scielo saúde pública, 2014. Disponível em: <https://www.scielosp.org/article/physis/2014.v24n2/381-400/pt/>. Acesso em 07 abr. 2018.

LIMA, C. de A.; SANTOS, A. M. V. de S.; MESSIAS, R. B.; COSTA, F. M. da; BARBOSA, D. A.; SILVA, C. S. de O. et al;. Práticas integrativas e complementares: utilização por agentes comunitários de saúde no autocuidado. Revbrasenferm, REBEn, Minas gerais, p.111-222, fev./abr.2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reben/v71s6/pt_0034-7167-reben-71-s6-2682.pdf>.Acesso em: 30 mar. 2019.

LOSSO, L. N.; FREITAS, S. F. T. de.: Avaliação do grau da implantação das práticas integrativas e complementares na atenção básica em Santa Catarina. Saude debate, Rio de Janeiro, v. 41, n. 3, p. 171-187, set. 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v41nspe3/0103-1104-sdeb-41-spe3-0171.pdf>.Acesso em: 02 mai. 2019.

MINAYO, M. C. de S.; O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. Ed. São Paulo: HUCITEC, 2014. 407 p.

NEVES, R. G.; PINHO, L. B. de; GONZÁLES, R. I. C.; HARTER, J.; SCHNEIDER, J. F.; BISSO LACCHINI, A. J.; O Conhecimento dos Profissionais de Saúde acerca do uso de Terapias Complementares no Contexto da Atenção Básica. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, vol. 4, núm. 3, jul-set, 2012, pp. 2502-2509 Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Rio de Janeiro, Brasil. Disponível em: <http://www.redalyc.org/pdf/5057/505750894029.pdf >. Acesso em 11 Abr. 2019.

RIO GRANDE DO SUL. Resolução Nº 695/13 – CIB/RS. Proposta de Política Estadual de Práticas Integrativas e Complementares – PEPIC/RS. Porto Alegre, RS, nov. de 2013. Dispo nível em: http://www.fcm.unicamp.br//fcm/sites/default/files/2016/page/pepic_rio_grande_do_sul.pdf>. Acesso em: 14 abr. 2018

SILVA, M. E. B. TORRES, Q. S. do N., SILVA, T. B. e, ARAÚJO, C. de S, ALVES, T. L.; Práticas integrativas e vivências em arteterapia no atendimento a pacientes oncológicos em hospital terciário. Revist. port.: saúde e sociedade. Maceió, al, brasil, v. 2018;3(1):721-731, p.111-222, jan.2012 Disponível em: file//c:/users/pessoal/downloads/4458-18574-1-pb.pdf>.Acesso em: 08 abr. 2019.

TELESI JUNIOR, E. Práticas Integrativas e Complementares em saúde, uma nova eficácia para o SUS. São Paulo, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script =sci_arttest&pid=S0103-40142016000100099>. Acesso em: 18 Mar. 2019.

Downloads

Publicado

2020-12-10

Como Citar

Schilling, A. Z., Fischborn, A. F., dos Santos Nunes Anacker, A. ., Holde Pinheiro, A. C., Pacheco Moisés, M. P., & da Silva, T. R. (2020). IMPLEMENTAÇÃO DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE EM MUNICÍPIOS DO RIO GRANDE DO SUL. Revista Espaço Ciência & Saúde, 8(1), 10-18. https://doi.org/10.33053/recs.v8i1.269

Edição

Seção

Artigos Originais