Ocorrência de partos cesáreos é superior a de partos vaginais desde 2010 no Brasil

Autores

  • Arilson da Costa Marasca Universidade Federal de Santa Maria - UFSM
  • Eslei Lauane Pires Cappa Universidade Federal de Santa Maria - UFSM
  • Larissa Frigo Dal’ Soto Universidade Federal de Santa Maria - UFSM
  • Marina Schneider Ribeiro Universidade Federal de Santa Maria - UFSM
  • Andressa da Silveira Universidade Federal de Santa Maria - UFSM
  • Sabrina Zancan Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

DOI:

https://doi.org/10.33053/recs.v9i2.459

Palavras-chave:

Parto., Cesárea, Parto Normal, Enfermagem

Resumo

Objetivo: descrever a ocorrência de partos vaginais e partos cesáreos, e a idade das parturientes que realizaram esses procedimentos no Brasil. Método: pesquisa de abordagem quantitativa, descritiva, do tipo série histórica, baseada em dados secundários, do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS), da Secretaria Executiva do Ministério da Saúde, analisando o período de 2000 a 2019. Os dados foram analisados com o software Excel, sendo utilizada a estatística descritiva e apresentados em forma de gráficos. Resultados: as taxas de parto vaginal diminuíram sequencialmente ao longo dos anos e o contrário acontece com as taxas de cesáreas, que aumentaram consecutivamente. Além disso, as gestantes tardias realizam mais cesarianas em relação as gestantes jovens. Conclusão: constatou-se que os índices de cesariana se encontram muito elevados no Brasil e possuem comportamento crescente. Ainda, as mães estão tendo filhos mais com idade maior.

Biografia do Autor

Arilson da Costa Marasca, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Estudante do Curso de Graduação em Enfermagem na Universidade Federal de Santa Maria – Campus Palmeira das Missões, Palmeira das Missões, RS, Brasil.

Eslei Lauane Pires Cappa, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Estudante do Curso de Graduação em Enfermagem na Universidade Federal de Santa Maria – Campus Palmeira das Missões, Palmeira das Missões, RS, Brasil. 

Larissa Frigo Dal’ Soto, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Estudante do Curso de Graduação em Enfermagem na Universidade Federal de Santa Maria – Campus Palmeira das Missões, Palmeira das Missões, RS, Brasil.

Marina Schneider Ribeiro, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Estudante do Curso de Graduação em Enfermagem na Universidade Federal de Santa Maria – Campus Palmeira das Missões, Palmeira das Missões, RS, Brasil. 

Sabrina Zancan, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Doutora em Educação em Ciências pela Universidade Federal de Santa Maria, Professora Adjunta na Universidade Federal de Santa Maria – Campus Palmeira das Missões, Palmeira das Missões, RS, Brasil.

Referências

ALVES, N.C.C. et al. Complicações na gestação em mulheres com idade maior ou igual a 35 anos. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, v. 38, n. 4, e2017-0042, 2017.

AYRES, L.F.A. et al. Fatores associados ao contato pele a pele imediato em uma maternidade. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. Rio de Janeiro, v. 25, n. 2, e20200116 nov. 2020.

BRASIL. Agência Nacional de Saúde Suplementar. Diretoria de Desenvolvimento Setorial. Gerência-Geral de Integração Setorial. Gerência de Avaliação da Qualidade Setorial. Nota Técnica nº 119/2014/GEAQS/GGISE/DIDES/ANS. Rio de Janeiro: ANS, 2014.

BÉRIA, J.U. et al. Maternidade no início da adolescência: um estudo caso-controle no Sul do Brasil. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 25, n. 2, p. 439-448, fev.2020.

BRUZAMARELLO, D. et al. Ascensão profissional feminina, gestação tardia e conjugalida-de. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 24, e41860, fev. 2019.

FLORES, T.R. et al. Desigualdades na cobertura da assistência pré-natal no Brasil: um estudo de abrangência nacional. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 26, n. 2, p. 593-600, fev. 2021.

Fundo de População das Nações Unidas no Brasil (UNFPA). Fecundidade e dinâmica da população brasileira. Brasília, 2018. Disponível em: <https://brazil.unfpa.org/pt-br/publications/fecundidade-e-dinamica-da-populacao-brasileira-folder>. Acesso em: 20 jan. 2021.

JOJOA-TOBAR, E. et al. Violencia obstétrica: haciendo visible lo invisible. Revista de La Universidad Industrial de Santander, Salud, v. 51, n. 2, p. 135-146, jun. 2019.

KOTTWITZ, F. et al. Via de parto preferida por puérperas e suas motivações. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 22, n. 1, e20170013, 2018.

NASCIMENTO, R.R.P. et al. Escolha do tipo de parto: fatores relatados por puérperas. Rev. Gaúcha Enferm, Porto Alegre, v. 36, p. 119-126, 2015.

ROCHA, N.F.F. et al. A escolha da via de parto e a autonomia das mulheres no Brasil: uma revisão integrativa. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 44, n. 125, p. 556-568, jun. 2020.

SANTOS, M.F. et al. Maternidade tardia: da consciencialização do desejo à decisão de ser mãe. Ex aequo, Lisboa, n. 41, p. 89-105. Jun. 2020.

SILVA, T.P.R. et al. Fatores associados ao parto normal e cesárea em maternidades públicas e privadas: estudo transversal. Rev. Bras. Enferm, Brasília, v. 73, (Suppl 4): e20180996, jul. 2020.

World Health Organization (WHO). Statement on Caesarean Section Rates. Geneva; 2015.

Downloads

Publicado

2021-08-16

Como Citar

da Costa Marasca, A. ., Lauane Pires Cappa, E. ., Frigo Dal’ Soto, L., Schneider Ribeiro, M. ., da Silveira, A., & Zancan, S. . (2021). Ocorrência de partos cesáreos é superior a de partos vaginais desde 2010 no Brasil. Revista Espaço Ciência & Saúde, 9(2), 28-36. https://doi.org/10.33053/recs.v9i2.459

Edição

Seção

Artigos Originais