PREVALÊNCIA DE INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL EM FAMÍLIAS ASSISTIDAS EM UM CENTRO DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE JEQUIÉ - BA

Autores

  • Tuane De Jesus Lima UniFTC
  • Joiciane Costa Gomes Faculdade de Tecnologia e Ciências
  • Juçara Alvarindo Brito Soledade Universidade Federal da Bahia
  • Thalane Souza Santos Silva UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA
  • Taiane Gonçalves Novaes Universidade Federal da Bahia
  • Aline Silva Lima Matos Universidade Federal da Bahia
  • William Santos Silva UNIVERSIDADE BRASIL

DOI:

https://doi.org/10.33053/recs.v10i1.592

Palavras-chave:

Segurança Alimentar e Nutricional, Fatores Socioeconômicos, Direito Humano à Alimentação Adequada

Resumo

A alimentação constitui-se um dos direitos básicos dos seres humanos. A segurança alimentar e nutricional deve ser assegurada a todos os cidadãos, especialmente àqueles em situação de vulnerabilidade social.Objetivo: Determinar a prevalência de insegurança alimentar e nutricional em famíliasassistidas em um Centro de Saúde no município de Jequié – BA.Métodos: Trata-se de um estudotransversal e descritivo, realizado no período de março e abril de 2021, com coleta de dados presencial no Centro de Saúde. Os dados socioeconômicos e demográficos foram obtidos a partir da aplicação de um questionáriopreviamente validado.Para o diagnóstico da insegurança alimentar,aplicou-se a Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (EBIA). Para as análises estatísticas empregou-se oSoftware Stata versão 14.2. Resultados: Foram avaliadas 65 famílias.Observou – se que a maioria dosmembros de referência entrevistados eram adultos entre 18 – 40 anos (61,6%), do sexo feminino (83,1%), autodeclaradospardos(69,3%), em situação de desemprego (36,9%). Quanto aos resultados da EBIA, a prevalência de insegurança alimentar nas famílias avaliadas foi de (55,4%), com predominância de indivíduos em IA leve (44,6%).Conclusão:A prevalência de IA encontrada foi elevada, o que se configura um sério problema na amostra estudada. Isso indica a necessidade de estudos mais amplos que analisem os fatores relacionados à segurança alimentar e nutricional nessa comunidade, para que intervenções possam ser planejadas e implementadas.

Referências

BEZERRA, M. S. et al. Insegurança alimentar e nutricional no Brasil e sua correlação com indicadores de vulnerabiliadade. Ciencia e Saude Coletiva, v. 25, n. 10, p. 3833–3846, 2020.

BRASIL. Lei nº 11.346 de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN, com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Diário Oficial da União, 2006. Disponível em:https://www.jusbrasil.com.br/diarios/245384892/dou-secao-1-05-06-2019-pg-3Acesso em: 10 set. 2020.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Estudo Técnico no 01/2014: Escala Brasileira de Insegurança Alimentar – EBIA: análise psicométrica de uma dimensão da Segurança Alimentar e Nutricional, p. 1–15, 2014. Disponível em: https://fpabramo.org.br/acervosocial/estante/escala-brasileira-de-inseguranca-alimentar-ebia-analise-psicometrica-de-uma-dimensao-da-seguranca-alimentar-e-nutricional/. Acesso em: 15 set. 2020.

BUANANGO, M. A. Segurança alimentar e nutricional em tempos de covid-19: impactos na África, América Latina e Portugal. Rev. Simbio-logias, v. 12, n. 16, 2020.

CALMON, L. S.; SANTOS, S. M. C. DOS; PEREIRA, M. H. Q. Acesso aos alimentos e segurança alimentar e nutricional: avaliação da situação em municípios Baianos. DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde, v. 11, n. 1, p. 1351–1366, 2016.

CARDOZO, D. R. et al. Padrões alimentares e (in)segurança alimentar e nutricional no Programa Bolsa Família. Interações (Campo Grande), v. 21, n. 2, p. 363–377, 2020.

COSTA, S. S. Pandemia e desemprego no Brasil. Revista de Administração Pública, v.54, n. 4, p. 969 - 978, 2020.

DIAS, M. S. et al. Insegurança alimentar em um município do extremo sul do Rio Grande do Sul, 2016: um estudo de base populacional. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 29, n. 2, 2020.

ESTRELA, F. M. et al. Pandemia da Covid 19: refletindo as vulnerabilidades a luz do gênero, raça e classe. Ciências & Saúde Coletiva, v.25, n.9, p. 3431-3436, 2020.

FAO, IFAD, UNICEF, WFP and WHO. 2020 The State of Food Security and Nutrition in the World 2020: Transforming food systems for affordable healthy diets. Rome, FAO.Disponível em: https:// doi.org/10.4060/ca9692. Acesso em: 20 out. 2020.

FIGUEROA-PEDRAZA, D. et al. (In)Segurança alimentar de famílias residentes em um município do interior da Paraíba, brasil Food (in)security of families living in a city of Paraíba, Brazil. Revista de Saúde Pública, v. 19, n. 5, p. 649–656, 2017.

FREITAS, M. C. S.; PENA, P. G. L. Fome e Pandemia de Covid-19 no Brasil. TESSITURAS, v. 8, n. 1, p. 35–40, 2020.

GODOY, K. et al. Insegurança alimentar e estado nutricional entre indivíduos em situação de vulnerabilidade social no Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, v. 22, n. 2, p. 607–616, 2017.

GUERRA, L. D. S.; CERVATO-MANCUSO, A. M.; BEZERRA, A. C. D. Food: A disputed human right - A thematic focus for comprehension and action in food and nutritional security. Ciência & Saúde Coletiva, v. 24, n. 9, p. 3369–3394, 2019.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Panorama da cidade de Jequié Bahia. Disponível em: IBGE | Cidades@ | Bahia | Jequié | Panorama. Acesso em: 21 set. de 2020.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa de orçamentos familiares 2017-2018: análise da segurança alimentar no Brasil. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/28896-pof-2017-2018-proporcao-de-domicilios-com-seguranca-alimentar-fica-abaixo-do-resultado-de-2004. Acesso em: 18 set. 2020.

OLIVEIRA, D. S. et al. PREVALÊNCIA E FATORES ASSOCIADOS À INSEGURANÇA ALIMENTAR. Revista Baiana de Saúde Pública, v. 41, n. 3, p. 561–579, 2017.

OLIVEIRA, J. S. et al. Insegurança Alimentar e estado nutricional de crianças de São João do Tigre, no semi-árido do Nordeste. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 12, n. 3, p. 413–423, 2009.

ORSATTO, G. C. S. et al. Insegurança alimentar entre beneficiarios de um programa de transferência de renda brasileiro: uma análise na perspectiva da bioética. Revista Iberoamericana de Bioética, n. 14, p. 01–13, 2020.

PITOMBEIRA, D. F.; OLIVEIRA, L. C. Pobreza e desigualdades sociais: tensões entre direitos, austeridade e suas implicações na atenção primária. Ciências e Saúde Coletiva, v. 25, n. 5, 2020.

REDE BRASILEIRA DE PESQUISA EM SOBERANIA E SEGURANÇA ALIMENTAR (REDE PENSSAN). VIGISAN: Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil. Rio de Janeiro: Rede Penssan, 2021. Disponível em: http://olheparaafome.com.br. Acesso em: 20 abr. 2021.

RIBEIRO-SILVA. R. C. Implicações da pandemia COVID-19 para a segurança alimentar e nutricional no Brasil. Ciências e Saúde Coletiva, v. 25, n. 9, 2020.

SANTANA, J. M. et al. Food consumption patterns during pregnancy: a longitudinal study in a region of the North East of Brazil. Nutr. Hosp., Madrid, v. 32, n. 1, p. 130-138, jul. 2015.

SANTOS, K. K. D. et al. Fatores associados à insegurança alimentar em populações pobres do município de Diamantina ­ MG. Revista ESPACIOS, v. 38, n. 12, p. 19, 2017.

SANTOS, L. N. et al. Estratégias De Acesso Aos Alimentos Pelas Famílias Titulares De Direito Do Programa Bolsa Família. Divers@!, v. 8, n. 2, p. 84–94, 2015.

SANTOS, L.P. et al. Tendências e desigualdades na insegurança alimentar durante a pandemia de COVID-19: resultados de quatro inquéritos epidemiológicos seriados. Cad. Saúde Pública, v. 37, n. 5, 2021.

SANTOS, L. V. T. S.; CÁCERES, L. DE A.; PEGOLO, G. E. Insegurança Alimentar, consumo de alimentos e estado nutricional de mulheres de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Interações (Campo Grande), v. 20, n. 3, p. 831–844, 2019.

SCHOTT, E. et al. Fatores associados à insegurança alimentar em domicílios da área urbana do estado do Tocantins, Região Norte do Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 23, p. 1–13, 2020.

SOUZA, B. F. N. J. et al. Condições demográficas e socioeconômicas associadas à inseguran-ça alimentar em domicílios de Campinas, SP, Brasil. Revista de Nutrição, v. 2, n 6, p. 845-857, 2016.

SPERANDIO, N.; PRIORE, S. E. Prevalência de insegurança alimentar domiciliar e fatores associados em famílias com pré-escolares, beneficiárias do. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 24, n. 4, p. 739–748, 2015.

VELASQUEZ-MELENDEZ, G.; S. M. M.; B.A.S.; S. A. A. M.; L.F.J.; K.G. Mild butnot light or severe food insecurity is associated with obesity among brazilian women. J Nutr, v. 141, n. 5, p. 898-902, 2011.

WITT, F.; ETGES, B. I.; LEPPER, L. Insegurança Alimentar em Famílias do Programa Bolsa Família. Segurança Alimentar e Nutricional, v. 25, n. 2, p. 85–93, 2018.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Geneva: World Health Organization; 1995. (TechnicalReport Series, 854).

Downloads

Publicado

2022-04-12

Como Citar

De Jesus Lima, T., Costa Gomes, J., Alvarindo Brito Soledade, J. ., Souza Santos Silva, T., Gonçalves Novaes, T. ., Silva Lima Matos , A. ., & Santos Silva, W. (2022). PREVALÊNCIA DE INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL EM FAMÍLIAS ASSISTIDAS EM UM CENTRO DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE JEQUIÉ - BA. Revista Espaço Ciência & Saúde, 10(1), 14-25. https://doi.org/10.33053/recs.v10i1.592